Socorro, não consigo mais ler livros.

livros

Não consigo mais ler livros.
Não que eu não queira. Simplesmente não consigo.

Sou um leitor, desde que me entendo por gente.

Sempre li muito. E continuo lendo.

Mas de uns anos para cá, me alimentar compulsivamente de internet tem causado um efeito colateral que ainda não consigo explicar muito bem.

Só sei que agora, toda vez que pego um livro nas mãos, não consigo ler, canso rápido. Se o texto não “embala” logo, preciso de muito esforço para continuar com a leitura.

E não é só com o livro de papel. A mesma coisa acontece com o livro digital. Não tem nada a ver com o tipo de apoio.

Tem a ver com a extensão do texto.

Essa situção tem me deixado agustiado.

Será que desaprendi a ler? Será que fiquei preguiçoso?

Será que agora só consigo ler coisas curtinhas e, de preferência, com uns links?

Acho que não.

Na verdade, nunca li tanto como agora. Passo o dia inteiro lendo. Mas leio cacos, fragmentos.

Sim, o efeito é conhecido e foi previsto anos atrás.

Sai o disco, entra a música.
Sai o filme, entra a série.
Sai a série, entra o curta do Youtube.
Sai a mesa de bar, entra o Facebook.
Sai o livro, entra o post, o artigo.

Tudo o que era consumido em pacote-família, em tabletão, agora é consumido em formato M&M’s.

A gente já sabia que isso acontecer, faz tempo. Mas o que eu ainda não tinha sentido na pele é que esse fenômeno do snack culture iria me TIRAR algo e me IMPEDIR de ler textos longos. Porque uma coisa é você perceber que existe uma nova maneira de ler (circular e não linear) e passar a usá-la.

Outra coisa é você perder sua capacidade de concentração.

Eu queria adicionar o jeito novo, mas não queria perder o jeito velho.

A internet causou em mim (e talvez em você) um déficit de atenção, um transtorno que consta da classificação internacional de doenças e que requer acompanhamento médico (não que eu tenha procurado um, pelo menos não por enquanto).

Já tentei de tudo, busquei aquelas ficções bacanas, cheias de escapismo, com viagens para lugares distantes, coisas que eu devorava durante a adolescência…mas 10 minutos depois o que escapa é minha atenção mesmo.

Fico voltando para o começo do parágrafo, sabe? Nem a biografia do Steve Jobs eu consegui terminar.

Fico repetindo para o autor “vai, já entendi, conta logo, pára de enrolar”.

Esse é outro sintoma: fiquei mais factual e perco fácil a paciência com aquela fase de contextualização e envolvimento com os personagens.

Meu kindle tem, neste exato momento, a ridícula marca de 18 livros iniciados.

Estou fazendo com eles a mesma coisa que faço com as músicas no meu iPhone, que fatalmente acabam tomando uma “skipada” depois de alguns segundos (tirando as do Zappa, que felizmente ainda ouço cada nota com prazer até o fim). Pô, eu ouvia aqueles álbuns inteiros do Pink Floyd… agora isso seria inimaginável.

Sei que isso tudo soa como algo ruim, mas nem isso eu tenho certeza.

A civilização humana já passou por isso muito antes da internet, por exemplo quando passamos da comunicação exclusivamente oral e acrescentamos a escrita. Colocar conteúdo por escrito livrou nossa memória e permitiu textos bem mais longos e precisos. Agora estamos de volta aos conteúdos curtos, mas ainda mais precisos. E, se um dia desenvolvermos a telepatia, certamente as palavras vão nos parecer ineficientes demais. Formas diferentes de trocar conteúdos, histórias.

Enfim, um post pouco conclusivo, mais desabafo mesmo, para ver se tem mais gente nesse barco.

Estou assustado por não conseguir mais ler um livro inteiro.

Comments

  1. Ricardo says:

    Comigo acontece exatamente o contrário. Leio muito mais que antes e, com o Kindle, isso virou quase uma obsessão. 

  2. Karina says:

    Aieeeeeeeeeeeeeeeeeeeee, que bom ver que não sou a única!!!!!

  3. maísa cachos says:

    quer uma dica? leia o blackberry de hamlet e diminua seu tempo nas telas. continuo sendo uma leitora de internet, continuo trabalhando com mídias digitais e continuo lendo livros físicos e no kindle. é só se esforçar um pouquinho. ;)

  4. Onildo Filho says:

    Acontece também com os filmes. Raramente consigo assistir a um filme todo de uma vez. Filmes de 3 horas?
    Sem chance. Nem se for os do Tarantino. Por isso prefiro o Netflix. Mesmo assim levo, no mínimo, uma semana para assistir todo. 
    Vejo em pequenas doses de 10 minutos cada. Quanto as séries, episódios de 30 minutos são ideias pra mim.

  5. casé says:

    o texto e nossa semelhança, não você não está só, se resumem na frase:
    “Eu queria adicionar o jeito novo, mas não queria perder o jeito velho.”

  6. Mauro Diaferia says:

    Hahah. Eu tb não. Livros são longos demais. E o que mais acho curioso é ainda ver que existem jornais com textos-toneladas. Como isso é possível?

    O US Today é um jornal que parece bem antenado com os dias de hj. Tudo resumidão.

    E precisamos de algum blog ou app que tb nos dê um resumão dos livros mais bacanas.

    Agora curioso porque o seu texto tá bem longo, hem. Hahah. E como um outro cara aí de cima, eu tb rolei a barrinha aqui do lado pra ver logo de início se ia demorar muito pra terminar. . Hahaha

    E acho q vi vc outro dia no Shops Paulista com uma camiseta do Update or Die.
    Bem louco esse mundo.

  7. […] A neurociência – sempre ela – está cada vez mais convencida que só existe uma parte do nosso cérebro que é multi, e é o tronco central. Esse sim precisa dar conta de bilhoes de células que precisam cumprir seu papel em plena harmonia o tempo todo. Nao dá para parar o fígado para alguém ter filho ou esquecer os pulmoes quando o estômago está digerindo alguma coisa. O resto, que é a parte que controla pensamentos e emoçoes, nao é naturalmente multitarefas. Por isso que as epidemias de hoje sao, na sua maioria, influenciadas pelo stress de fazer muita coisa ao mesmo tempo, jogando cortisol no nosso sangue e dando a sensaçao de que nao conseguimos acabar nada. A proposito, lembrei de um post desabafo, que gostei muito ;) veja aqui. […]

  8. Che Rocha says:

    Sua dor é minha dor.

  9. Murilo says:

    Vou ser sincero: eu baixei a barra até o fim do texto para ver se ele é muito grande. A gente não tem muito saco para ler coisas grandes. Só se for algum clássico ou se tivermos a certeza de que aquilo é bom. Eu tenho um blog e escrevo textos enormes e, aqui entre nós, acho meio arrogante de nossa parte querer que as pessoas nos leiam. Por que alguém vai doar o seu tempo por algo que eu ou você escreveu? Será que somos tão bons assim? Enfim: lemos menos textos grandes e, para isso, temos que ser mais seletivos.

    Ainda bem que li seu texto até o final. Boa reflexão!

    Um abraço

  10. Alex Arruda says:

    tú não viu nada.. entra no face da onça pra tú vê o que é erro de verdade. e isso que passa o tempo todo lendo. hasuhasuhasuhasu…

  11. [...] O formato foi comemorado por todos nós que andamos sofrendo para ler um livro inteiro. [...]

  12. Anonymous says:

    Não sei se é o tempo que fico curto para tanta coisa que nossas mentes estão pensando em fazer, que quando compro um livro leio um pouco e ja sinto vontade de fazer outra coisa e ao mesmo tempo de compra o outro livro que gostaria de ler, e o pior que acabo comprando e leio um pouco e…………..fica nisso tantos livros para ler e ao mesmo tempo lendo em tempos e tempos. não sei se é o medo de acabar rápido aquele belo livro ou o medo de ler e não gostar….. pode ser que não leio por completo é em saber que de pois que lê-o por completo não vou mais sentir vontade de querer ler novamente, aí a mente faz eu querer ler só aos poucos para sempre esta em contato com o livro.

  13. Estamos no mesmo barco, inexplicavelmente. (nos dois sentidos).

  14. Wagner, acho que é pouco conclusivo proque ninguém sabe a resposta desse shift cognitivo que estamos vivendo. Outro dia escrevi no unplanned sobre isso e até citei teu artigo como uma das evidência desse sentimento de desconexão/dda/fragmentação/etc. Sei lá, também me perturba muito. você não está sozinho. rs

    se puder, dá uma olhada no psot depois e me diz o que achou =).
    http://unplanned.com.br/coluna/mistura/hiperatencao-um-novo-estado-de-consciencia-e-cognicao/

  15. Caro Wagner,

    Pensei que estivesse sozinho nesta situação. Quando comecei a ler o seu texto quis logo pular para o final, procurando encontrar comentários e avaliações – é a mania de acelerar todos os processos!

    Insisti que deveria retornar de onde "pulei" e ler até o final. Assim o fiz. Porém, ainda existe um grave problema: comprei várias revistas e não as li. Comprei alguns livros e não concluí as leituras! Geralmente estou ansioso demais para fazer uma atividade tão "lenta e morosa". Isso acaba me deixando entediado, porque quando estou de folga, nada me agrada (TV, filmes ou livros)!

    Um abraço.

  16. Wagner, li o texto com a certeza de eu mesma ter escrito. Me senti aliviada ao saber que outros também estão passando por isso. Inclusive pela ousadia de brigar com o autor do livro…pedindo para que ele pare de enrolar. rsrs
    Nesse ano, aprendi a parar para ouvir música. Sem estar fazendo outra coisa.
    Talvez com os livros tenhamos que traçar algum caminho assim…

  17. Nossa, parece que foi escrito por mim.

  18. Ei de sobreviver! (Nao que seja fácil!)

  19. Éveni Souza says:

    Interessante… Percebi o deficit de atenção. Embora os livros densos estejam cada vez mais impenetráveis com os mais leves ainda consigo manter a mesma relação de antes the era the internet. Acho que preciso fazer algo a respeito rápido antes que seja tarde demais…

  20. Espero nunca passar por isso, não vivo sem meus livros…

  21. Claudine Góes De Divitis says:

    Totalmente solidária. Estou com o mesmo sintoma e não curto esse efeito colateral.

  22. Me identifiquei muito com seu post. Passava pela mesma coisa no semestre passado. Aí participei de um seminário em que não usei internet por um mês. Líamos, discutíamos, comíamos e dormíamos. Praticamente isso. Quando voltei para casa, não conseguia acreditar em como eu não lia antes. Hoje é muito mais tranquilo para mim. Não apenas tenho mais vontade de ler, como também elevei a leitura na lista de prioridades – isso faz toda a diferença. Enfim, não escrevi nada sobre o mês sem internet, mas antes disso escrevi um sobre o lado negro the internet. É o que você diz, só que usando livros publicados no exterior que embasam sua frustração :)

    http://anacgmarques.wordpress.com/2012/05/02/hardware-people-software-minds/

  23. Anonymous says:

    poderia aproveitar para escrever corretamente.

  24. Jeni Boiani says:

    A famosa síndrome do "Fico repetindo para o autor 'vai, já entendi, conta logo, pára de enrolar'", mas continuo na luta pelos 3/4 livros mensais, com sucesso por enquanto…rs.

  25. Rodrigo Turra says:

    Faço destas palavras a minha… mas ainda estou lutando pra continuar lendo…

  26. Wagner…é envergonhante mas é isso aí! O primeiro sintoma desse mal (e vou chamar de "mal") foi quando há três anos eu tentei (ai de mim!) ler o clássico "Crime e Castigo" do Dostoievski. O grande autor demorou tanto nas "contextualizações" como vc chamou no ótimo artigo, que cheguei com muito esforço ao crime (quase me arrastando) e jamais soube qual era o castigo. Hoje eu estou num dilema, porque estou no mundo acadêmico, onde se lê muito, e eu cada vez menos! Detalhe: sou escritor (e jornalista, e tradutor). Leio profissionalmente, mas parece que como prazer, os livros ficaram uma linguagem lenta demais e, ao mesmo tempo, rebuscada demais. O trem (bala) andou! Outro dia tentei dar uma lida mais prolongada no meu próprio livro ("Albatroz", editado em 2008) e me desanimei antes de abrir. Tem uma biografia do Sartre que comecei a ler em 2010 e, hoje (outubro de 2012), o Sartre ainda está usando calça-curta. Também não sei o que fazer, mano, só sei que não desespero: continuo cultivando meus livros (e até os comprando pela net). Mas tenho certeza que eles todos estão a caminho de se tornar relíquias – assim como os discos de vinil. Belas e inesquecíveis relíquias pra gente olhar na estante, se extasiar, e poder dizer um dia: "Meninos eu li!"

  27. Li seu artigo todo, meu Kindle tem vários livros terminados. Esta doença ainda não me pegou.

  28. Que alívio, saber que isso não está acontecendo só comigo. Obrigada, Wagner, por me ajudar a entender minha dificuldade.

  29. Ainda consigo ler livros, só não gosto de leituras tipo "água com açúcar".

  30. Infelizmente estou nesse momento horrivel! Antes comia o livro, agora demoro meses pra ler um.

  31. Exatamente como eu me sinto :s.

  32. "Já tentei de tudo, busquei aquelas ficções bacanas, cheias de escapismo, com viagens para lugares distantes, coisas que eu devorava durante a adolescência…mas 10 minutos depois o que escapa é minha atenção mesmo.
    [...] Fico repetindo para o autor “vai, já entendi, conta logo, pára de enrolar”.

    Achei curioso essa parte. Acredito que você não será melhor ou pior por isso.

    Desde pequeno tenho dificuldade para focar em leitura ou em sala de aula. Em época de cursinho era uma tortura. Era rotina chegar ao final the página e ter que começar tudo de novo porque não fazia ideia do que havia estudado. Era impaciente e "viajava" até durante a prova do vestibular.
    Sala de aula então… vish. Depois de 2 anos de faculdade passei ter o costume de me apresentar aos professores: "não fique irritado se eu sair the sua sala mais de 5 ou 6 vezes. Se eu estiver olhando para você ou para o quadro mais que 10 minutos, tenha certeza que não estou prestando atenção".

    No meu caso não foi a internet que fez isso. É hiperatividade e impaciência desde pequeno mesmo.
    Relaxa. Dá pra viver uma vida extremamente normal!

    abraços

  33. "Já tentei de tudo, busquei aquelas ficções bacanas, cheias de escapismo, com viagens para lugares distantes, coisas que eu devorava durante a adolescência…mas 10 minutos depois o que escapa é minha atenção mesmo.
    [...] Fico repetindo para o autor “vai, já entendi, conta logo, pára de enrolar”.

    Achei curioso essa parte. Acredito que você não será melhor ou pior por isso.

    Desde pequeno tenho dificuldade para focar em leitura ou em sala de aula. Em época de cursinho era uma tortura. Era rotina chegar ao final the página e ter que começar tudo de novo porque não fazia ideia do que havia estudado. Era impaciente e "viajava" até durante a prova do vestibular.
    Sala de aula então… vish. Depois de 2 anos de faculdade passei ter o costume de me apresentar aos professores: "não fique irritado se eu sair the sua sala mais de 5 ou 6 vezes. Se eu estiver olhando para você ou para o quadro mais que 10 minutos, tenha certeza que não estou prestando atenção".

    No meu caso não foi a internet que fez isso. É hiperatividade e impaciência desde pequeno mesmo.
    Relaxa. Dá pra viver uma vida extremamente normal!

    abraços

  34. Fahrenheit 451 feelings, hein?

  35. To contigo PP!! Eu comecei a salvar as coisas por categoria… E tento lembrar as coisas que já foram salvas… Tenho tido os mesmos problemas para ler livros e textos longos. Mas vou me forçar mais. Acho que essa objetividade excessiva pode nos tornar chatos…

  36. Paulo Peres says:

    cc Andrei Gurgel Isnard Gurgel

  37. Rodrigo Esteves says:

    Eu percebi a alguns meses que estava indo pelo mesmo barco que se encontra agora, eu abandonei tudo relativo a diversão na internet, e voltei para os livros, abandonar foi fácil, agora começo uma conciliação de ambos os mundos…

  38. te entendo! tem pouco tempo que estou usando a net e mesmo assim ja vejo mudancas nos meus abetos de leitura infelizmente. mas consigo ainda ler um livro inteiro com um pouco de esforco.

  39. e com esse texto eu tbm pulei alguns paragrafos..

  40. Richard Renato De Jesus says:

    Acho interessante separar as coisas, o que o Wagner descreve no post não é um TDAH típico, nem um caso de preguiça de ler, mas sim a resposta de um cérebro que se acostumou a ler conhecimento mais comprimido.

    Tonar-se mais atrativas os "Bullets", as imagens e principalmente os infográficos, isto é claro se estes realmente dizerem alguma coisa, do contrário se irão gerar o mesmo sentimento dos primeiros parágrafos de contextualização em um texto.

    É começar a ler um texto já imaginando pelo título onde ele vai dar, mas lendo só pra ter a certeza que ali não tenha algo interessante, e no final descobrir que é apenas mais do mesmo.

  41. Pensei que isso acontecesse somente comigo, olha só que pretensão! Pensei que não estivesse mais conseguindo ler livros por causa the presbiopia, the idade, do cansaço com a jornada tripla de trabalho, mas nunca me passou pela cabeça que a internet tivesse algo a ver com isso. Serááá? Realmente, minha atenção foi para o espaço, não tenho a menor paciência com grandes elocubrações. Quer saber? Acho que perdi uma parte de mim. Os livros sempre foram meus companheiros. Com eles eu viajava para mundos diferentes, entrava mesmo na vida dos personagens, e isso nenhum filme ou vídeo tem a capacidade de fazer. Espero voltar a ler com a mesma dedicação de antes. Será que eu consigo?

  42. Realmente a tecnologia chama.A internet faz com que ocupe o nosso espaço como prioridade.Mas uso o bom senso, já que sou um Homo sapiens(um ser pensante).Então reflito: O que é bom para mim? Como tornar o meu dia produtivo? E começo a elaborar regras e disciplinas, pois que assim vou aprendendo a controlar meus impulsos para não ter perdas de oportunidades, no fazer o meu dia "ALGO DE ÚTIL" do que acabo delegando para depois o que é bom, e que consequentemente tornaria o meu dia vazio e assim me deixando vazia.Então devo pensar que se agir com essas regras em mim, não sofrerei de "consciência pesada" de não ter aproveitado o meu dia.A priore pensamos em fazer coisas produtivas, depois vem as regalias.Eu tenho o meu horário sagrado para leitura e disto não abro mão! Quem está passando por este "mal" rsrsrs. Faça um esforço de ler um capítulo por dia, assim aos poucos voltará aquela vontade que estava inerte no imo the alma!

  43. Paulo Peres says:

    Eu tenho tido deficit com excesso de informação e acabo salvando para depois ler, e fatalmente o volume desanima depois. Vamos nos forçar mais.

  44. As vezes acontece, então você pega aquele livro que fez nascer essa paixão em você e fica impossível a vontade não voltar. ^^

  45. Elaine Pinto says:

    Eis o que faço: leio no ônibus. Meu trajeto do trabalho para casa leva uma hora, mais ou menos. Aproveito esse tempo para ler meus livros, mas sei que não são todas as pessoas que conseguem fazer isso, alguns enjoam ao ler qualquer coisa num ônibus em movimento. Também comecei a ler um pouco antes de dormir. Essas duas medidas têm funcionado bem e meu índice de livros lidos deu um salto após adotá-las.

  46. Quando a gente cai na areia movedissa o desespero e tanto que no desespero de resolver a situacao a gente morri sufocado. Tamos dentro do sufoco de onde tirar energia e olha que precisamos muita energia pra viver. o que fazemos? inventamos a felicidade ou pior ainda imaginamos nos em outro lugar e olha a areta nos engolindo.

  47. Passei por algo semelhante há uns dois anos: http://www.ronaud.com/auto-conhecimento/cansei-de-ler/ e até hoje não melhorei completamente :) E não sei se é problema de atenção não, acho que os assuntos é que são desinteressantes mesmo. Procuramos mais e mais e mais e bem no fim o que nos prende a atenção é um conjunto específico e restrito de temas já conhecidos.

  48. Maikel Rosa says:

    nossa, tô muito contigo! costumava me orgulhar da quantidade de livros que eu lia em pouquíssimo tempo, mas agora eles não me seguram mais. será um evolução, um retrocesso ou apenas… um jeito diferente de absorver?

  49. Tanto o excesso com a falta fazem o mesmo efeito. Não ler é ruim e ler demais também é. É como se fosse uma alienação pela dificuldade em em selecionar só o que interessa. Pronto, falei demais.

  50. [...] Socorro, não consigo mais ler livros Wagner Brenner, no Update or Die [...]

  51. Engraçado…pois comigo aconteceu exatamente o contrário, deixei o computador de lado para ler. Sobrou um tempinho lá vou eu para o meu livro (no celular, só pra constar). A tristeza bate quando ele acaba e tenho que começar outro…O Facebook virou quase uma obrigação! Quem sabe não anda faltando horas no teu dia? :)

  52. Anna Costa says:

    Muito interessante esse teu pensamento. Na adolescência eu era uma leitora compulsiva, rato de biblioteca e lia 3 ou mais livros por semana. Aí parei. Parei brutalmente. Ano passado uma amiga me chamou pra fazer parte de um blog de literatura e eu disse: "cara, faz muito tempo que não leio nada", mas ela insistiu e eu topei. Foi muito difícil voltar a ler, exatamente pelo que tu ta falando (costume com a fragmentação, falta de 'figuras' e links e etc).

    Mas tenho conseguido, sabe? Esse ano já li 23 livros, comprei uma estante, tenho comprado mais livros e me obrigando a ler até mesmo pelo bem do blog que me comprometi a a colaborar. To voltando ao ritmo e está sendo lindo.

  53. Rafael Leal says:

    Muitas vezes eu não tenho muito saco pra ler textos longos na internet mas consigo ler um pedaço, fazer alguma coisa e continuar depois, ainda bem.

    Não acho que os conteúdos estão ainda mais precisos. Infelizmente.
    Isso é o que mais me incomoda, nos blogs e sites sempre me interesso pelo assunto e vejo que é só uma materiazinha bem curta, uma nota, ou até um comentário.

    Nem todos conseguem condensar a informação de um jeito legal, e às vezes se vê até gente que é claramente preguiçosa ou não sabe do que tá falando e se aproveita dessa "cultura do texto curto" pra justificar o conteúdo raso.
    Mas talvez seja também porque tem muita fonte de conteúdo e fica mais difícil achar os legais. Não sei.

    Tem uma música que diz "the people's revolution is going to be a podcast".

  54. Interessante. Já tinha sentido isso em algumas leituras.

  55. Isso tem um quê de quem mora em São Paulo… Veja, é a pressa. O ritmo apressado do dia a dia, as muitas tarefas, prazos curtos… Dentro de um estilo de vida como esse os tais posts se encaixam bem no cotidiano, ao passo que para o cérebro, que está num movimento mega acelerado, parar p/ ler um longo texto pode ser um desafio e tanto. Espero que não se incomode com meu palpite… Se abstenha das tarefas por pelo menos três horas por dia, ACOSTUME seu cérebro a isso, a desacelerar alguma horinhas. Afinal de contas, é meio difícil pedir e saboear um coquetel quando se está numa montanha-russa que nunca para, não é mesmo? (:

  56. Breno Lopes says:

    Me identifiquei muito, mas muito mesmo, e me sinto mal por isso…

  57. Amanda Costa says:

    Que sensação estranha, de decadência. É um paradoxo, agora que temos toda a sorte de informações a nossa disposição, acessível e de fácil consumo, nos perdemos em meio a esse caos digital. Fico ao mesmo tempo aliviada e angustiada, apreensiva por perceber que são muitas outras pessoas tem esse mesmo problema, the perda do "tesão cultural". É como se nada fosse suficientemente bom. E o que parece ser, acaba cansando rapidamente. Não dá mais para ouvir um disco inteiro por mais de uma vez, as revistas parecem mais atraentes agora do que antes, afinal, com elas não há o compromisso de ler tudo em uma sequência na íntegra. Não dá vontade de terminar nada. Eu fico realmente triste por isso. Os filmes ainda me apetecem, mas preciso ser extremamente seletiva. Acho que precisamos de um período de redução de atividades digitais. Não uma abstinência, mas ao menos uma pausa, um escape, que seja.

  58. acho que ler .´é uma coisa maravilhosa.. ja posso falar ao contrario de vcs ,,eu sou uma viciada.. essa semana mesmo estou lendo 2 livros.. e fazendo palavras cruzadas ,e quando enjô..os tres pego a minha apostilia pra dar uma olhada..e faço tudo isso no entevalo de aula…. e estou ficando cada vez mais louca.. parece brincadeira mais nao é..

  59. Mila Souza says:

    ainda n entrei nessa fase se n conseguir terminar um livro. Mas sempre coloco para mim que ler é quase como algo sagrado, um habito como tomar banho que se n for feito vc fica com peso na consciencia… ai quando fico meio sem ler me dá aquela dor na consciencia, como se fosse uma obrigação ler, daí volto logo ao livro… rs

  60. Você não está sozinho nesse barco caro colega. Também me assusto por não conseguir mais ler um livro inteiro… :(

  61. Tauane Brito says:

    Entendo sua colocação e admito que passo pelo mesmo problema! O que aconteceu com a capacidade de passar horas mergulhada numa história sem a necessidade de mudar o status do facebook? É muito triste saber que isso acontece, que a evolução diminui nossa capacidade de fazer algo tão prazeroso como passar a tarde tenso em mãos um bom livro! :/

  62. Aiala Ribeiro says:

    Aconteceu a mesma coisa comigo recentemente, e resolvi o problema.
    É o seguinte, todo mundo tem um livro que veio antes de tds, um que despertou o seu interesse pela leitura. Ler esse livro de novo pode ajudar… funcionou comigo.

  63. [...] essa semana li dois artigos bem interessantes a respeito. O primeiro tratava-se de um desabafo no Update Or Die, de alguém que, acostumado a ficar tanto tempo online, não consegue mais ler livros. Não por [...]

  64. Estou um pouco aliviado em saber que isto não é só comigo. E agora também preocupado. Concordo com você Wagner, também gosto muito do jeito novo mas também não queria deixar o jeito velho. Temos que tentar equilibrar, vou continuar tentando.

  65. Gregory Zancanaro Carniel says:

    Pra mim tudo depende do modo como você encara o livro. Eu vejo como algo que leio todo dia, não necessariamente com início e fim.

    Isso me trouxe até o meio do 5º livro do Game of Thrones.

  66. Vou ver o documentário… Só li partes do livro…

  67. Patrícia Nina Marques says:

    Hahahahaha…. Posso indicar, Mônica, mas sou suuuuuper ciumenta com meus livros…. Kkkk

  68. Wagner, obrigado por colocar em palavras a angústia que eu também sinto. Queria poder ser um exemplo para minha filha, como meus pais foram pra mim, incentivando a leitura ao ler livros na frente dela. Nao me vejo fazendo isso. Sempre lendo, sim, mas no iPad; textos rápidos. E logo postando replys… Parabéns pelo texto. Ficou longo. Mais um pouco o pessoal nem ia ter saco de ler. Também não terminei a Biografia do Steve Jobs. Mas tem um documentario no NET NOW que é um resumo perfeito em menos de duas horas do livro (pelo menos me pareceu, pelas partes que eu li).

  69. Eu não vou dizer que também não consigo ler mais um livro inteiro, mas realmente a internet me fez aprender um novoe estilo de ler, e até mesmo escrever. Simplesmente não consigo ficar mais do que 30 a 40 minutos lendo um livro, antes em 2 dias no máximo 1 semana eu termina com um fácilmente, hoje demoro 1 mês.

    A internet fez do homem um ser preguiçoso, tudo está ali, bem mastigado, direto, basta você dá uma procurada, ou nem isso. É ruim? Depende. Mas eu ainda relamente adoro entrar em um blog e ver um belo texto escrito, mesmo que ele seja gigante. Para mim, o importante mesmo é o conteúdo, se o texto é grande mas tem conteúdo, e não só bobeira, eu to lendo.

  70. Ih acho que eu tô indo pelo mesmo caminho… achava que era porque nao aguentava mais ler em francês, mas até os livros em português tao difíceis de terminar… O que que a gente faz??? bjo

  71. Obrigado Dr. Brenner…acabou de me diagnosticar e descobrir meu problema…os sintomas são: 13 livros iniciados e não concluídos, 2 novos comprados a cada semana e ainda fechadinhos, dezenas de novos sites no Bookmarks do Chrome, várias abas abertas ao mesmo tempo, links, posts, tweets, comments e afins escritos a rodo, todos com menos de 5 linhas (inclusive este, que estou finalizando por aqui para manter minha sanidade cyberhipocondríaca)… ; )

  72. Cara concordo muito com o post. Na verdade senti dificuldade de lê-lo até o final.
    No começo acho q a ideia de ter frases "curtas" com os espaços do enter enganou minha mente mas no meio do texto ja comecei a pular de aba em aba que estava aberta no browser. A realidade é essa mesma é tanta informação ao mesmo tempo que tá dificil parar é como se o canal the internet continuassem em nossas vidas, não nos chocamos mais com noticias ruins, tudo passa batido, porque em menos de um minuto tem outra noticia, e outra informação e outra e outra…
    Também sinto dificuldade de ler longos livros ainda leio bem, mas sempre escolho os livros de menor porte e principalmente de volume unico.. Creio este ser o novo mal do século!

  73. Sei como se sente buddy!

  74. Gregory Zancanaro Carniel eu leio muito antes de dormir, mas sempre textos curtos. Bastou pegar um livro…zzzz.

  75. Não ando não, mas trabalho em casa, consigo livrar um tempo sim, mas o texto longo me cansa (infelizmente). Ler não me canso, porque volto correndo para minha leitura online…

  76. Eduardo Melo says:

    Compartilho desta mesma sensação. E isto me incomoda…

  77. Nossa, me identifiquei total e me sinto menos um ET que tem outras pessoas na mesma "dificuldade". :) A verdade é que me sinto super culpada de não conseguir ler. Esse ano li 3 livros, mas todos de contos, porque assim eu não precisava ficar "presa" a nenhuma história por muito tempo. :(

  78. Mari Colletes says:

    Wagner, excelente post. Compartilho dessa "angústia". Estamos no mesmo barco! ;)

  79. Lívia Cunha says:

    wagner, fiquei me perguntando se vc anda de transporte público. porque, por eu ficar quase 2h/dia entre metrô e trem, eu posso falar que nunca li tanto na vida quanto hoje. acho que talvez o problema seja encontrar novos lugares/momentos de leitura. sei lá.

  80. Fabiana Udolpho says:

    Eu continuo lendo livros normalmente.

  81. Laura Reis says:

    você não esta sozinho nessa.

  82. Laura Reis says:

    você não esta sozinho nessa.

  83. Eglair Quicolli says:

    Com um projeto gráfico bacana, uma boooa margem lateral, gráficos e fluxos, você deve conseguir chegar numas 75 páginas com o conteúdo das 50.
    :P

  84. acho que ficcao, romance ou qq outro assunto o objetivo é outro, nao é passar uma mensagem. O objetivo é entreter, envolver, etc. Se fizer isso, nao importa o tamanho, o livro te segura. O lado bom da historia do digital é que agora podemos ter informacao para os autores. Ja seria factivel saber que pagina as pessoas estao parando de ler, onde estao comentando, o que estao compartilhando, quanto tempo estao levando em cada capitulo, etc. É uma faca de dois gumes, pode fazer alguns autores surtarem, mas pode ajudar outros a entender melhor como sua obra é consumida (e como melhorá-la)

  85. Gregory Zancanaro Carniel says:

    é só ler sempre uma página antes de dormir.

  86. É uma triste verdade. Só tenho conseguido ler em lugares distantes the rotina diária – de preferência uma casa na praia.

  87. Márcia Lira says:

    Entendo tanto essa angústia que foi a principal motivadora pra criação do Menos um na estante.

  88. Esse ano li mais do que nunca antes na história deste país. E também estou (finalmente) escrevendo meu livro e sinto (de mim mesmo) uma pressão pra passar de 100 páginas, mas acabei o primeiro tratamento e tem 50.

  89. Meus pêsames.

  90. E ficção? Aposto que seu último deve ter sido um Isaac Asimov lá na sua adolescência. :)

  91. Mônica Cerretti says:

    Manda uns pra cá……….estou sem nada pra ler ! :)

  92. Patrícia Nina Marques says:

    Sinto exatamente do mesmo jeito! Estou com 6 livros (de papel mesmo) começados e não consigo terminar!!! Que angústia! Eu tb AMO ler!!! #socorro

  93. Marcel Leal says:

    Tamo junto Wagner Brenner… =/

  94. Eglair Quicolli says:

    Para livros técnicos ou com temas específicos, como você disse, acho que fica essa sensação mesmo de encher linguiça.

    Aliás informações assim prefiro, na maioria das vezes, pesquisar na web pois acabam sendo mais práticas e atualizadas. Mas o que me intrigou no post foi que essa reação ao texto técnico esta se transferindo para a literatura/ficção e a paciência esgota antes do capítulo. O mundo esta muito corrido, "tá muito puxado"!

  95. tenho notado isso comigo mas acho que consegui uma explicacao (pelo menos no meu caso).

    a maioria dos livros que leio sao sobre temas especificos.
    muitos desses temas eu ja li/vi algo na web, mas como é um livro, o cara precisa atender a todos e por isso precisa comecar bem basico, o que para mim é repeticao chata.

    fora isso, tenho notado que todos os livros que tive esse comportamento foi por sentir que o cara estava sendo prolixo para encher linguica. Livros que tem 250 paginas mas que deveriam ser escritos em 100 (mas sem iria parecer um livro vagabundo ne?)

    dificil achar algo que precise mais de 100 paginas para passar uma mensagem.

  96. Marcelo Peretti Kuhn says:

    Entendo, Wagner, mas acho que talvez também seja uma questão de tempo/espaço. ONDE tu tá tentando ler? Eu sei que eu só vou ler em duas situações: em trânsito ou antes de dormir. Isso pq são esses os momentos em que eu sinto que não vai haver nada mais útil pra eu fazer nesse meio tempo.

    Mas, sim, eu ainda dou uns pulos quando eu acho que o autor tá enrolando.

  97. Inveitavelmente me remeteu a isso: https://www.youtube.com/watch?v=hVYArjS-Ee0.

    A clássica cena do Demolidor, com Stallone e Snipes, em uma época onde as pessoas só ouviam jingles de comerciais ao invés de músicas.

  98. Os livros fazem parte de um contexto no qual o tempo passava mais devagar, tínhamos menos distrações e opções de entretenimento barato favorecendo a prática que exige concentração, esforço e tempo.

  99. Arthur Hess says:

    tl;dr

  100. Arthur Hess says:

    Obrigado.

  101. Estou me policiando a comprar e ler pelo menso um livro por mês justamente por causa dessa loucura que o mundo se tornou, onde ninguém mais lê.

  102. Tânia Teixeira Pinto says:

    Muito familiar.

  103. Nessa era em que vivemos o texto vem a calhar.
    Eu goto de ler , sempre gostei, desde pequena dos livros mais complexos a simples gibis e mangás.
    Mas o excesso de informação não me deix tempo para ler, meu deficit de atenção cresceu demais de 1, 2 anos pra cá.

    E agora como faz?
    Bom, eu continuo tentando, pois um livro.. e falo dos livros físicos sempre serão a melhor saída para uma vida de tédio. Não abandono eles… nunca.

  104. Nessa era em que vivemos o texto vem a calhar.
    Eu goto de ler , sempre gostei, desde pequena dos livros mais complexos a simples gibis e mangás.
    Mas o excesso de informação não me deix tempo para ler, meu deficit de atenção cresceu demais de 1, 2 anos pra cá.

    E agora como faz?
    Bom, eu continuo tentando, pois um livro.. e falo dos livros físicos sempre serão a melhor saída para uma vida de tédio. Não abandono eles… nunca.

  105. Silvia Sousa says:

    o que me cansa é ler algo muito longo no computador…no momento estou voltando aos livros.

  106. Concordo sem fim, até é engraçado pois voltei a ler gibis que são mais dinâmicos rs

  107. Newton Neto says:

    Estou assim mesmo…concordo em gênero, número e grau!

  108. Evandro Melo says:

    Saquei. Eu nao levei mal seu comentario nao, rs. E concordo,as ideias se reciclam.

  109. Eu também não, mas é por falta de tempo mesmo (;_;)

  110. mas ai é sua opção literária, artística… mas com todo esse avanço na comunicação, velocidade da internet, uma caganeira de informações que agente tem acesso num segundo, informação rápida… deixa agente frito sem saber os motivos, impaciente, se uma aba não carrego ja tamo vendo a terceira que estava carregando o vídeo do youtube. Ai isso parece que se transporta pro dia a dia fora da internet.

  111. Se você acredita que o prazer vai compensar o esforço, tomara mesmo que passe logo! rsrs Como estou perto de terminar o quinto volume de "A Guerra dos Tronos", preguuiça de ler textos longos não é algo que me preocupa (pelo menos por enquanto!). Bj.

  112. Evandro, eu sei que você não falava de poesia concreta, só dei um exemplo de literatura+design. E o fato de a ideia não ser nova não foi uma crítica, só um jeito de dizer que as ideias vão e voltam, se reciclam, se renovam, assumem outras formas. Quer coisa mais antiga que o alfabeto? E no entanto ele está vivo até hoje, permitindo que troquemos ideias. Bj.

  113. Jacqueline Silva says:

    MALDITAS ABAS!!!
    mas eu sempre gostei de literatura fragmentada. Li mtas vezes Sapatilhas de Satã, são fragmentos literários de peças de teatro… n contam fatos necessariamente. Eu sempre gostei de devaneios em cacos. Mas aceitei isso como "meu tipo de literatura". E tento n me frustrar por n conseguir ler Simone de bevoir… n é contar fatos que conta pra mim, e sim como vc dialoga. mas que as MALDITAS ABAS tem um pé na nossa ansiedade, é fato.

  114. Boa! Mas eu quis dizer coisas como as que me encantavam na adolescencia, nao necessariamente os mesmos livros ;) eu saboteio tudo, só fiquei preguiçoso com textos longos, mas vai passar hahahah

  115. tanta informação, e tempo pra cumprir, to com umas 8 abas abertas agora na internet, malditas abas… e isso influencia muito nossa forma de conversar, fritos, ansiedade pra terminar as coisas… como o cara disse, só cacos de informações.

  116. Wagner, não tente ler coisas que te atraíam na adolescência, é óbvio que isso vai te desinteressar. Afinal, você já passou dessa fase. Se vocêr gostava de ler, ainda gosta, e o que falta é "só" concentração, uma dica: re-treine a sua capacidade de ler textos longos. Saboreie as palavras, as frases, as ideias contidas no texto. Boa sorte!

  117. Evandro Melo says:

    Nao é isso Cristina, nao é de poesia concreta q estou falando. E se a ideia é nova ou velha é o menos importante, importa que façamos.

  118. Jacqueline Silva says:

    Esse lance de voltar sempre pro primeiro parágrafo dá uma angústia do cão! Eu acompanho cada palavra com o olho até o fim the página, mas estou mentalmente repetindo as 5 primeiras the primeira linha.

    Estamos mais ansiosos pelo fluxo de informação que temos acesso, normal. Triste ou não, já era esperado. Mas o lance é ler livros que tenham seu rítmo mental.

    Narrativas atropeladas, "vomitadas", com muitas vírgulas casam com meu fluxo mental e eu consigo ler bastante sem perder a atenção. Pra mim não precisa ser factual e sim fluir de acordo com meu rítmo cardíaco. Mas forçar uma leitura super s l o w is just PAINFUL.

  119. Jacqueline Silva says:

    Esse lance de voltar sempre pro primeiro parágrafo dá uma angústia do cão! Eu acompanho cada palavra com o olho, mas estou mentalmente repetindo as primeiras 5 the primeira linha.

    Estamos mais ansiosos pelo fluxo de informação que temos acesso, normal. Triste ou não, já era esperado. Mas o lance é ler livros que tenham seu rítmo mental.

    Narrativas atropeladas, "vomitadas", com muitas vírgulas casam com meu fluxo mental e eu consigo ler bastante sem perder a atenção. Pra mim não precisa ser factual e sim fluir de acordo com meu rítmo cardíaco. Mas forçar uma leitura super s l o w is just PAINFUL.

  120. Literatur + design = poesia concreta (só para dar um exemplo). A ideia não é tão nova assim.

  121. Heron José Lima says:

    kkkkkk

  122. Fico mais tranquilo em saber que não é só comigo.

  123. Eglair Quicolli says:

    Ainda bem que eu não tenho o costume de ler muitos livros ao mesmo tempo. Senão estaria com a cabeça pifando literalmente…hehehehe

    Um livro de cada vez, e todos juntinhos na minha pilha na cabeceira da cama. :)

  124. Eglair Quicolli says:

    Ainda bem que eu não tenho o costume de ler muitos livros ao mesmo tempo. Senão estaria com a cabeça pifando literalmente…hehehehe

    Um livro de cada vez, e todos juntinhos na minha pilha na cabeceira da cama. :)

  125. Mariely Del Rey says:

    putz, mas voltei pra ler o final e me achei, também não terminei de ler o livro do Jobs! rs

  126. Mariely Del Rey says:

    hahaha não consegui ler seu post inteiro, sério, desisti na metade =p.

  127. Triste realidade! Estou craque em leitura dinâmica… rsrsrs

  128. Mariely Del Rey says:

    hahaha não consegui ler seu post interio, sério, desisti na metade :p

  129. Sofro daquilo de não querer ler o livro até o final por medo de ter as imagens que criei em minha cabeça destruídas. O ultimo livro que eu li por inteiro foi "Querido John".. olha quanto tempo!

  130. Evandro Melo says:

    Tenho experimentado isso também, e por vezes me preocupado. Porém acho que isso pode ser refeito em algo interessante. Tal qual o Dogma 95 na Noruega em que cineastas se reuniram para discutir a urgencia de refazer o cinema sem frescuras, acho que está na hora de criarmos um movimento como este para a literatura. Textos rápidos, curtos, juntando literatura e design na sua construção. Chegou a hora dos micro contos, contos curtos, seja lá o que for.
    Alguém como você poderia puxar isso Wagner. Eu to dentro.

  131. Também tenho o costume de ler vários livros ao mesmo tempo.
    Mas eu entendo como uma questão de momento.

    Cada momento exige sua obra. E cada obra exige seu momento.
    Cada comida, música, livro, filme, cada pintura… tudo exige seu tempo… e cada momento que vivemos merece uma leitura diferente.

    Não escuto Claude Debussy na festinha com os bróder. E também não tenho paciência de ficar apreciando as minúcias de "Gangnam Style" deitado e filosofando sobre a vida.

    Não vou sentar para apreciar os toques amadeirados do "molho especial" do big mac… Nem vou sentar pra encher o bucho de Jamón Espanhol.

    E assim também é com a leitura de textos. Há momentos para leituras mais profundas.
    E há momentos para leituras mais superficiais.

    E há também vários tipos de leitura
    Leitura informativa (revistas, jornais, blogs…)
    Leitura Formativa (livros técnicos, periódicos…)
    Leitura de Entretenimento (Livros de ficção, contos…)

    E há também vários tipos de pessoas…
    Cada uma com seu gosto.

    Mas claro… essa é só uma "leitura minha" da situação.

    =)

  132. Flavia Lacerda says:

    noto isso mais ainda com filme! tem sido difícil parar 2 horas pra ver um filme, parece que tudo demora pra engatar. o hábito de ver séries tem sido totalmente prejudicial :(

  133. Quando eu termino de ler uma página em vez de virá-la eu tento dar scroll.

  134. A dor suspendeu por um pouco as tenazes; um sorriso alumiou o rosto the enferma, sobre o qual a morte batia a asa eterna. Era menos um rosto do que uma caveira: a beleza passara, como um dia brilhante; restavam os ossos, que não emagrecem nunca. Mal poderia conhecê-la; havia oito ou nove anos que nos não víamos. Ajoelhado, ao pé the cama, com as mãos dela entre as minhas, fiquei mudo e quieto, sem ousar falar, porque cada palavra seria um soluço, e nós temíamos avisá-la do fim. Vão temor! Ela sabia que estava prestes a acabar; disse-mo; verificamo-lo na seguinte manhã.
    Longa foi a agonia, longa e cruel, de uma crueldade minuciosa, fria, repisada, que me encheu de dor e estupefação.
    Era a primeira vez que eu via morrer alguém. Conhecia a morte de oitiva; quando muito tinha-a visto já petrificada no rosto de algum cadáver, que acompanhei ao cemitério, ou trazia-lhe a idéia embrulhada nas amplificações de retórica dos professores de coisas antigas, – a morte aleivosa de César, a austera de Sócrates, a orgulhosa de Catão. Mas esse duelo do ser e do não-ser, a morte em ação, dolorida, contraída, convulsa, sem aparelho político ou filosófico, a morte de uma pessoa amada, essa foi a primeira vez que a pude encarar. Não chorei; lembra-me que não chorei durante o espetáculo: tinha os olhos estúpidos, a garganta presa, a consciência boquiaberta.
    Quê? uma criatura tão dócil, tão meiga, tão santa, que nunca jamais fizera verter uma lágrima de desgosto, mãe carinhosa, esposa imaculada, era força que morresse assim, trateada, mordida pelo dente tenaz de uma doença sem misericórdia?
    Confesso que tudo aquilo me pareceu obscuro, incongruente, insano…

    Trecho de Memórias Póstumas de Bras Cubas.

    Resumo: ELA MORREU, EU FIQUEI TRISTE.

  135. Quando eu termino de ler uma página em vea de virá-la eu tento dar scroll.

  136. É uma epidemia. Muita gente se sente assim!
    Aliás, fiquei surpresa por ter conseguido ler o post completo de uma vez, sem pausas! ;)

  137. Caraaa acho que to no mesma situação…. foi um sacrificio.. ler seu texto por inteiro, mas tive que ler.

  138. Me sinto the mesma forma. Há mais de 1 ano que estou tentando terminar 2 livros e não consigo :(

  139. Feco Porto says:

    Eu abri a aba mas não li ainda

  140. Eglair Quicolli says:

    Isso acontece comigo também, principalmente o fator do déficit de atenção e a falta de concentração na leitura. Queremos cada vez mais e mais rápido informações e todas de preferência concisa e factual. Que chatos estamos nos tornando, não?

    A poesia e a ficção acabam ficando de lado.

    Ainda não estou tão "surtada" quanto você; estou firme e forte (nem tanto) com meus livros. Confesso que estou levando mais tempo para lê-los pois o que antes era diário hoje se resume a uns 2-3 dias por semana.

    Mas o importante é desconectar um pouco desse mundo histérico e entrar na atmosfera que tanto amamos e buscamos quando lemos uma história ou simplesmente temos uma convesa com nosso autor favorito. Acho que o clima é esse! ;)

  141. Jose Melchert says:

    Te entendo bem….

  142. Update or Die ;)

  143. Olha Wagner, you are not alone… rs

    Sou redatora e dificilmente consigo ler. Alias, dificilmente consigo até ficar sentada 2 horas assistindo o mesmo filme. Acho que é ansiedade. The pra reverter, mas com muito exercício e suor.

    Ontem eu li! Umas 20 páginas de um livro que comecei em março…rs mas é tipo o AA: um dia de cada vez.

  144. Olha Wagner, you are not alone… rs

    Sou redatora e dificilmente consigo ler. Alias, dificilmente consigo até ficar sentada 2 horas assistindo o mesmo filme. Acho que é ansiedade. The pra reverter, mas com muito exercício.

    Ontem eu li! Umas 20 páginas de um livro que comecei em março…rs mas é tipo o AA: um dia de cada vez.

  145. Giselle Porto says:

    Também não conseguir terminar de ler a biografia do Steve Jobs. Na verdade tenho três livros "iniciados".

  146. muito longo o teu texto. não deu para ler até o fim ehehehe.

  147. Marcus Lyra says:

    Isso é previsto há há bastante tempo, e parte de um momento histórico que está traçado desde antes do modernismo.
    Paul Virilio chama de DROMOCRACIA, ou seja, dado momento social de PÓS-MODERNISMO, a sociedade não se assenta mais em circunstância de criação industrial autoral, mas de diversas relações estabelecidas pelo simples comércio.

    Desta forma, o imperativo se torna o tempo, causando a falsa impressão de que você "perde" tempo se fizer qualquer atividade que não seja rápida, posto que vc precisa ainda consumir e reestabelecer contatos constantemente para significar-se como um homem pós-moderno. (mandar mensagens, posts, tweets, mesmo que no fundo, não digam nada).

    Este excesso de idealização sobre o tempo está em todas as manifestações atuais; tecnologia promete poupar tempo, os laços humanos tender a ser mais razos, tudo evita usar o tempo, que é direcionado à laboralidade, produção, venda de suas horas.

    A informação the internet é fragmentária por conta disso, são como diz Bauman, gorgeios (tweets) que não representam qualquer conteúdo, mas somente posicionam um indivíduo num bando. E a tendência é toda de piorar, estreitar, encrudecer, afinar, em busca do tempo.

    Este é o preço de achar ser tudo, do homem pós-moderno, e não saber o que é ou o que foi.

  148. Marcus Lyra says:

    Isso é previsto há há bastante tempo, e parte de um momento histórico que está traçado desde antes do modernismo.
    Paul Virilio chama de DROMOCRACIA.

  149. Também tem a ver com a famosa "febre das abas", aquela em que você abre tanta coisa e pula tanto de um para o outro que não lembra o que estava originalmente fazendo.

    É preciso se "cobrar" para ler, manter o foco em uma coisa só, não desvirtuar para toda e qualquer tela ou informação enlatada. É difícil, mas conseguiremos!

  150. Lucas Faim says:

    carai, pior q é tipo isso mesmo oO

  151. Estou nessa também. Consigo obter mais sucesso na leitura apenas com livros técnicos. O que o Danilo sugeriu (a questão das metas) já me passou pela cabeça também, mas me faltou coragem e vergonha na cara, hehe.

  152. Meu querido Wagner, entendo seu desabafo! Entendo inclusive seu terror em descobrir que as coisas não são mais como antes! Mas veja bem, como você pode ver pelos comentários, você não é o único. Ou seja, não é nada pessoal. Sei que uma geração ou outra iria acabar sofrendo com uma mudança tão radical em seus paradigmas, mas tentando minimizar esses efeitos, quis que a mesma fosse justamente aquela que mais facilmente pudesse se ajustar, se encaixar. Aquela que entende, afinal, que adaptar-se é vida.
    E fique tranquilo, te asseguro que não há nada de ruim nesse mundo novo. Talvez, nem de bom (ainda). É apenas diferente! Sabe o que é? Cansei the linearidade, the mesmice, the inteligência singular, the especialização extrema! Quero mais multiplicidade, sinestesia, amplitude, mistura de pensamentos, de esferas! E, por isso, tive que mudar o jeito que você lê, escuta suas músicas, vê seu mundo. Sei que agora dói um pouco, mas logo você vai estar bem. Se serve de consolo, você sofre, mas os seus próximos, não. Já nascerão sabendo que as coisas são assim. Tomara que até lá, o que agora é só novo vire também bom, agradável, adequado. Isso depende mais de vocês do que de mim…

    Atenciosamente, "O Conhecimento do Mundo".

  153. Ao invés de terminal a faculdade eu decidi trancá-la e fazer a licenciatura. Mais simples e complexo. Esses dois são mesmo opostos?

  154. eu tenho dificuldades de ter livros como lazer, mas acho que leio bem livros quando tenho a obrigação. Consigo ler rápido até

  155. O interessante é mesmo a maneira como estas "pílulas literárias" influenciam nossos modos de agir e pensarmos… Enquanto lia seu post, reparei que os parágrafos são enxutos e objetivos, separados por um "enter" que separa as linhas de pensamento em uma forma mais ou menos ritmada. E qual não foi minha surpresa ao perceber que faço exatamente igual… Atualmente leio Herzog, Muito Além do Nosso Eu, A Arte the Guerra e O Andar do Bêbado ao mesmo tempo, pela incapacidade de digerir um texto extenso por vez…
    Percebo que estou um pouco mais ansioso e que, de certa forma, já começa a atrapalhar meu rendimento. Só fico com medo de também passar a pensar em 140 caracteres…

    Gostei, Wagner! Post legal e reflexivo!
    Abraços, Eduardo.

  156. Vou fazer terapia suhsausahsuahsaushausahuas

  157. Rafael Féo says:

    Ahahahahahahahaha. Te amo cara!

  158. Eu cansei de fazer promessas de voltar a estudar, de me dedicar mais aos livros e tarefas mais longas.
    Por exemplo: Ao invés de fazer 4 trabalhos para faculdade e terminar logo meu sofrimento, e terminar a faculdade, estou aqui escrevendo e compartilhando a maldita experiência de não ter mais concentração para algumas coisas…me sinto uma máquina que só faz coisas especializadas. A própria reflexão é enjaulada em regras do senso comum. A vida parece estar ficando mais simples, mas para mim o paradoxo é que essa simplicidade torna tudo cada vez mais complexo e mais difícil de se absorvido na velocidade que o mercado e/ou sociedade opera. Eu sou/estou alienado.

  159. Nunca tive problemas para ler livros (por sinal, é uma das coisas que mais gosto de fazer :D), mas já tive sinais de problemas de atenção quando comecei nessas de trabalhar com internet e redes sociais. É conteúdo demais para passar batido. Por isso, 2 anos atrás resolvi criar metas anuais de leitura, e tem funcionado muito bem para mim :D No primeiro ano, comecei com 14 livros. No seguinte fui para 16 (não consegui cumprir essa, infelizmente), e esse ano minha meta é 20 ao final de dezembro (17 até agora).

    O que eu posso te recomendar é fazer algo nesse sentido, que funcionou muito bem para mim e me educou, de certa forma. Não precisa ser uma meta agressiva, mas algo que você consiga administrar. Estabelecer uma rotina de leitura também é importante, nem que seja pegar um livro por 10 minutos por dia para ler. Eu, por exemplo, não me permito pegar um livro sem ler ao menos 10 páginas. Acho que, gradativamente, você deve conseguir adquirir o hábito de ler, e vai cada vez mais buscar isso.

    Por fim, acho que vale uma lida nesse post do Lifehacker dando dicas de como adquirir o hábito de leitura. Algumas dicas dele são complicados (tipo ler 3 livros ao mesmo tempo), não precisa seguir todos. Mas vale dar uma olhada: http://lifehacker.com/5889754/reading-for-the-rushed.

    Espero ter ajudado :)

  160. Essa é minha aposta tb. Acho que tem que escapar totalmente, mudar local, ritmo, tudo. Acho que se eu conseguir uns 5 dias na praia, começo a me entender com um livro ;)

  161. Sabe o que tem me ajudado muito a ficar num livro? Andar de ônibus/viajar de ônibus.
    É um tempo em que ou fico olhando para o nada ouvindo música, ou leio enquanto ouço música. E aí, viva o pocket book.

  162. É, ta mais difícil mesmo. No meu caso tem a diferença entre ler por prazer e ler por trabalho. Tem livro que uma folhada de 1h é suficiente. Em outros casos, como por exemplo o Steve Jobs, a leitura é acelerada com sentimento de "espero que não termine logo". Ta mais difícil sim, mas continuo fiel ao linear e long form.

  163. E Netflix? Um monte de filme começado. Fora que as vezes acho um e qdo dou play… "resume playing?" Hehehe

  164. Bruno Lima says:

    E eu achando que era o único! Mas sabe o que me dá forças pra terminar um livro, é a mesma coisa que me fazia ficar na última aula the faculdade na sexta-feira, sempre nos últimos minutos aparce uma coisa bacana que a gente aprende muito. É isso que vale a pena!

  165. Tks, God, não sou só eu! Mas, agora que você apontou o 'problema', aponta também uma solução pra eu conseguir terminar os livros que estão formando pilhas e mais pilhas (mas que não consigo parar de comprar compulsivamente), vai…

  166. Outro sintoma parecido é não conseguir assistir longas-metragens no computador sem ir pulando de uma cena pra outra, ou adiantando uns segundos. Efeito-youtube.

  167. Outro sintoma parecido é não conseguir assistir longas-metragens no computador sem ir pulando de uma cena pra outra, ou adiantando uns segundos. Eu chamo de efeito-youtube.

  168. "Fico repetindo para o autor 'vai, já entendi, conta logo, pára de enrolar'."

    Mais uma verdade daquelas, do Wagner Brenner.

  169. Devolve o meu Bukowski então!

  170. Gustavo Rizzo Prux says:

    Não consigo mais, também… Achei que era só eu

  171. Leidiane Silva says:

    Olha Wagner posso dizer que você escreveu o que eu vinha negando a mim mesma, tenho 3 livros iniciados, todos os dias olho para eles e penso "assim que eu terminar o que estou fazendo vou dedicar ao menos 30min a leitura" nem sempre consigo, mas quando consigo até uma estrela no céu tira minha atenção. No meu caso eu culpo um pouco a internet, meu trabalho é criar mas boa parte do dia fico lendo, posts, matérias, conteúdo para o meu trabalho e quando saio daqui mal quero ler o letreiro do ônibus, eu considero isso um cansaço, que não é exatamente ruim afinal só mudei o foco the leitura, mas mesmo assim insisto, mesmo que eu leia uma página ou parágrafo por dia, mas meu gosto pela leitura não vai mudar, ele apenas está cansado.

  172. É preocupante e também me acomete… Menos mal que não sou a única com o diagnóstico!

  173. traduziu perfeitamente o sentimento de muitos, quantos livros não termino de ler porque começo, desisto, aí volto pro começo, isso até enjoar das primeiras páginas por tantos recomeços e assim nunca concluir a leitura completa do livro.

  174. Adriana Giglio says:

    Eu também! Nem queria falar, mas também não consegui ler seu post inteiro…
    Já quis correr aqui pra baixo e comentar.
    Prometo (assim como os 20 livros que estão com marcador de páginas pela metade na minha estante) que vou voltar e ler tudinho com a maior dedicação…
    e olha que trabalhei em livraria e agora trabalho em editora. Nem tenho desculpa…

  175. Isso está acontecendo comigo,. até já falei no meu médico. Tenho livros que não consigo acabar. Mas tb muita informação fragmentada. Na verdade acho que não me esforço, outras coisas me chamam, outros assuntos, links. Uma doença realmente.

  176. Isso está acontecendo comigo,. até já falei no meu médico. Tenho livros que não consigo acabar. Mas tb muita informação fragmentada. Na verdade acho que não me esforço, outras coisas me chamam, outros assuntos, links. Uma doença realmente.

  177. Estou assim também, demorei mais de 6 meses pra ler Angústia (nome propício rs) do Graciliano Ramos.

  178. Foda…Eu queria comentar algo, caso lembrasse das coisas que acabei de ler neste post…

  179. Wagner é incrível como você conseguiu descrever minha atual situação! Ontem mesmo minha noiva comentou como eu havia diminuído a quantidade de livros que lia anteriormente, e esse texto cabe perfeitamente com a explicação na qual procurava! É muito interessante notar como a evolução nos transforma sem que a gente perceba e como existem pessoas seguindo o mesmo caminho!

  180. Ótima reflexão! Tb estou bem assustada!

  181. Minha solidariedade pois isso acontece comigo também já há muitos anos. Mas talvez o fato de ser geminiano (que se interessa por tudo e não consegue muito se concentrar numa coisa só) contribua para esta falha na minha biografia.

    Também não sei se isso é bom ou ruim, mas sinto que eu deveria me esforçar mais.

  182. Gui Caetano says:

    Concordo tanto com o post que me deparei pulando algumas linhas do próprio post, imagina um livro! :(

  183. Cris Salomão says:

    Caro Wagner… Entendo você e sim, estamos no mesmo barco! Já cheguei até a procurar cursos de leitura dinâmica pra ver se, lendo mais rápido e através de pontos chaves do texto consigo ler um livro até o fim! Me sinto um pouco frustrada de ter desaprendido a ler, e até motivada a começar outro novo livro para (tentar!) retomar este prazer, mas quando vejo já perdi a hora, o dia, o mês de começar o livro depois de me distrair por tanto tempo na internet… lendo!

  184. Cristiana Soares says:

    exatamente isso! vou compartilhar!

  185. sofro do mesmo mal! ainda mais com essa acessibilidade de smartphones…