Reloads Mentais: a imersão da mente nos ambientes


gravity-explosion

Post de Cláudio Palmieri

palmieri

Quando você chega em um lugar novo, o seu cérebro logo começa um trabalho de reconhecimento da área. Para proteger o corpo a qual ele pertence, busca tornar o local um lugar íntimo. Mas também faz todo esse trabalho para uma outra coisa: economizar energia futura. Isso porque num retorno futuro o seu cérebro estará um pouco mais no automático na interação com o local, o que o fará economizar energia. Com essa frequencia de visita aumentando no mesmo local, como por exemplo ao morar num novo bairro, o automático torna-se presente de fato: tornando o lugar menos nítido e mais embassado. Ele passa a permitir apenas atenção a algo novo no ambiente.

E esse novo que reativa o cérebro podemos chamar de reload mental.Quanto menos reloads mentais, mais profundamente e continuamente estaremos inseridos no ambiente.

Usando essa ótica da mente, podemos analisar como somos mais, ou menos, inseridos no universo das histórias criadas para o cinema. Vejamos:

Reloads Tarantinescos

Em vários filmes do Tarantino, o seu cérebro precisa fazer constantes reloads para se colocar na compreensão das cenas, e consequentemente, da estória. Como em Pulp Fiction em que, no decorrer do filme, você passa por diversos ambientes, e em cada ambiente diversas mudanças de foco em personagens e mudanças de ângulos. A cada corte, sua mente dá um reload mental para captar as falas, expressões dos atores, posicionamentos de objetos, mudança de luz, novos personagens que surgem na cena e tudo isso em milésimos de segundos. Mais um corte: reload. Outro corte: reload. Um tiro qualquer: e outro reload.

As histórias de Tarantino são elétricas nas falas dos personagens e nos cortes. E dá-lhe reloads mentais!!!

Imergindo com Gravidade

No filme Gravidade, de Alfonso Cuaron, o espectador tem 12 minutos iniciais de um ballet visual no espaço, e tudo sem um corte. Você vai com sua mente ao encontro do ônibus espacial, acompanha o George Clooney curtindo o espaço, vai para a Sandra Bullock concentrada no seu trabalho, vê de perto o conserto do Hubble, flutua ora com um, ora com outro, acompanha o desespero com o bombardeio dos destroços espaciais. E todo esse tempo sem um único reload mental de reconhecimento espacial (localização e elementos na cena). Isso porque Gravidade insere o seu cérebro num ambiente de forma progressiva, onde gradativamente vai introduzindo elementos que compõem todo o ecossistema do filme. Seu cérebro se familiariza com todo o ambiente, e começa a torná-lo tão comum que não precisa mais gastar energia para reconhecê-lo. Focando assim em pontos centrais da trama. Mesmo com alguns poucos cortes, o ambiente é essencialmente o mesmo, gerando o mínimo de reloads mentais.

http://youtu.be/cEkILY1h6fA

O mesmo ambiente em 99% do filme gera uma imersão fantástica. Poucos reloads é mais imersão.

Esse mesmo trabalho pode ser reproduzido em projetos de UX, arquitetura de ambientes, design de interiores de lojas, espaços de exposição e até em trabalhos de branding. Entendendo como a mente trabalha os seus reloads de reconhecimento e interação com o ambiente, podemos realmente gerar imersões profundas nas pessoas, tornando uma experiência quase real para o cérebro.

Agradecimento a minha esposa Natascha Cristina Lopes pela revisão do texto.


Like it? Share with your friends!

What's Your Reaction?

Like! Like!
0
Like!
Amei! Amei!
0
Amei!
LOL LOL
0
LOL
OMG OMG
0
OMG
Geek Geek
0
Geek
Triste Triste
0
Triste
Raiva Raiva
0
Raiva
WTF WTF
0
WTF
Guest Post

Série do UoD que traz sempre um convidado especial para fazer um update que vale por um upgrade.

Comments 1

Your email address will not be published. Required fields are marked *