A password will be e-mailed to you.

(post enviado por Claudio Palmieri)

Imagine que um dos desafios da sua profissão é entender as diversas tribos que ditam tendências. Você teria que identificar onde cada tribo se concentra e ir até ela para observar. Seria muito trabalhoso e tomaria bastante o seu tempo. Tribos não costumam se misturar, e por isso são chamadas de tribos.

Mas como num paradoxo, existem tribos que gostam de se misturar com outras tribos, e assim deixam de ser uma tribo típica,e ao mesmo tempo é uma tribo dos que se misturam — algo meio louco. Essa miríade de tribos, não tão organizadas, costumam buscar lugares que tenham uma grande densidade cultural contemporânea, onde o conceito cosmopolita é concentrado. Chamo esses locais de ONUs CULTURAIS.

As ONUs CULTURAIS concentram pessoas das mais variadas tribos convivendo num ecossistema de fervor cultural, intelectual e com diversas expressões de personalidades. Podemos traçar um paralelo com a conhecida Organização das Nações Unidas: a ONU — onde diversos países/tribos se reúnem para as mais variadas discussões.

Um local que é um exemplo pleno de uma ONU Cultural é a região da rua Augusta, em São Paulo — junto com parte da Avenida Paulista, rua Frei Caneca e de algumas ruas transversais. Na extensão da Augusta (lado centro e lado Jardins) possui bases de várias tribos, mas o epicentro fica mesmo na esquina da Augusta com a Avenida Paulista, onde todas as culturas se cruzam.

Na ONU Cultural da Augusta, a economia criativa pulsa e é vista em vários lugares. Bares com arquitetura e clima artístico, restaurantes temáticos, cinemas que trazem filmes alternativos e fora do grande circuito, mostras e festivas, como o Anima Mundi, lojas com roupas descoladas e até modelos de negócios diferentes, como é o caso da Endossa: uma loja colaborativa que abre espaço para produtos cool, onde através de pequenos boxes, empresários criativos disponibilizam seus produtos — consumidores que buscam o diferente estão sempre por lá.

Ambientes como esses atraem pessoas ricas de pensamento, com mentes mais ativas, elétricas e questionadoras. Elas apontam tendências, quebram padrões, questionam ideias e se expressam das formas mais diferentes possíveis.

Locais de ONUs Culturais são fantásticas para os bons observadores. É possível aprender a dinâmica de diversos grupos, seus gostos, suas linguagens, termos e anseios, conhecer novas músicas, filmes, cores e estilos, e tudo dentro de uma pequena área fácil de circular.

É um conhecimento plural que é possível ser aplicado em várias áreas, como marketing, comunicação, desenvolvimento de produtos, sociologia, psicologia, literatura e por aí vai.

São ambientes tão descolados e livres de preconceito que encontramos coisas como essa: eu, junto com a minha esposa, vimos uma mãe explicando em detalhes ao seu filho, aparentando uns 10 anos, as diversas orientações sexuais que ele por acaso estava vendo na região.

Então, o que você achou do conceito de ONUs Culturais? Será que temos outras regiões no Brasil com esse peculiaridade?Colaborem apontando onde mais encontramos ONUs Culturais no nosso país e no mundo.