A password will be e-mailed to you.

Principalmente depois dos anos 2000, começamos a ser bombardeados por histórias maravilhosas de pessoas comuns, que munidas de ideias ousadas, construíram grandes projetos com um computador velho na garagem de casa. São lendas e mais lendas espalhadas pela internet que garantem que a informática é o futuro e que todo mundo deveria aprender a programar, nem que seja só o mínimo.

Pensando em um mundo cada vez mais digital, educadores têm aplicado ferramentas que ajudam no ensino de programação dentro das escolas, com a ajuda de empresas que também desejam maior qualificação profissional no mercado de tecnologia.

Agora, defendendo o aprendizado mão na massa, pesquisadores do Google apresentaram nesta terça-feira (28) o Project Blocks, uma iniciativa para tornar a programação uma coisa mais “tangível” e fácil de ser compreendida. Basicamente, a empresa criou uma série de blocos eletrônicos que combinados formam um programa real. Com a tecnologia, é possível automatizar brinquedos ou até criar instrumentos musicais.

Todo esse projeto é resultado de uma parceria entre o Google, a empresa de design e inovação IDEO e a Universidade de Stanford, representada pelo brasileiro Paulo Blikstein, um dos maiores estudiosos de tecnologia aplicada à educação da atualidade.

Juntos, eles desenvolveram o que chamaram de Coding Kit, um conjunto de peças para que professores consigam dar mais liberdade para os seus alunos criarem, com botões, uma placa base, que lê as instruções com sensores capacitivos, e uma “placa-cérebro” construída sobre um Raspberry Pi Zero, capaz de transmitir as instruções e enviar para outros dispositivos via WiFi ou Bluetooth.

Segundo o site do projeto, a ideia é utilizar o conceito de computação tangível, desenvolvido durante os anos 1970 no MIT, para integrar a tecnologia no dia a dia das crianças. “Crianças naturalmente brincam e aprendem utilizando as suas mãos, construindo coisas e fazendo isso juntas. Um dos benefícios da chamada programação tangível é tornar o código físico, para que as crianças possam brincar com ele”.

Outras iniciativas

Na prática, o conceito é semelhante ao do LEGO® Education WeDo 2.0, uma solução que une os brinquedos da marca ao ensino de conceitos tecnológicos.

Seguindo a mesma linha de raciocínio, mas sem partir para o mundo físico, o Scratch, do MIT, é também uma forma fácil para crianças darem os seus primeiros passos no estudo de programação. Com apoio de outra gigante digital, a Microsoft, a ONG Code.org já trouxe para o Brasil a chamada Hora do Código, que incorpora elementos bem conhecidos pelas crianças, como Minecraft e Angry Birds, ao Scratch.

No more articles

Send this to a friend