Você já ouviu. Pode não saber, mas já ouviu. Kraftwerk, Donna Summer, Devo, Stevie Wonder, Gary Newman, ELO, Parliament, Bob Marley, Talking Heads, Supertramp, Rush… putz, é mais fácil listar quem não usou um Moog.

O Moog, assim como o Teremin (o Robert Moog comprou um, quando ainda tinha 14 anos) e o Sinclavier (que o Mestre Zappa tava digerindo mas não deu tempo), eram instrumentos mais de engenheiros do que de músicos.

Os caras queriam produzir ondas sonoras diferentes, mas obviamente o brinquedo foi imediatamente sequestrado para o universo musical.

E assim nasceu a música eletrônica, não o gênero, mas a sonoridade que permeou boa parte do cenário musical da disco, depois com os sintetizadores nos anos 80 até chegar nas várias ramificações da tecneira de hoje em dia.

O Moog é o som disso tudo. Pilar fundamental da história da música recente.

E para você ir conferindo e falando “ah, isso é Moog também, claro!”, separamos duas playlists.

 

 


Also published on Medium.