A password will be e-mailed to you.

Bem bacana essa animação sobre um dos assuntos mais legais que conheço e também uma das melhores posturas que você pode aprender a ter diante da vida. É a diferença entre uma mentalidade de quem quer expandir e a de quem não quer de jeito nenhum.

Por exemplo: você tá em um hotel e alguém inventa uma atividade que ninguém do grupo nunca fez. Sei lá, um campeonato de arco e flecha. Uma parte das pessoas vai ficar animada. E a outra vai ficar aterrorizada. Os que ficam animados são os que não estão preocupados com uma provável performance ruim, nem têm medo de pagar mico. Querem aprender uma coisa nova e isso os deixa animados. A outra parte da turma, os que já estão procurando uma rota discreta de fuga para uma saída à francesa, pensa diferente. Eles tem uma zona de conforto que dominam e morrem de medo de entrar em uma situação em que possam ser percebidos como iniciantes e atrapalhados. Eles tem “uma imagem à zelar”. Não são esnobes, nem anti-sociais, é apenas a maneira como funcionam. Geralmente são ultra-competentes em algumas coisas e gostam de ficar nesses universos onde são autoridades. A vontade deles seria treinar arco e flecha em algum lugar escondido até ficarem bons – e aí entrariam na brincadeira.

Essa foi a teoria que a psicóloga lá de Stanford, a Carol Dweck, formulou (“Two Mindsets: growth mindset vs Fixed mindset”) e que foi a base para um dos posts de maior sucesso aqui do UoD (“O que acontece quando você fica elogiando a inteligência de uma criança”).

Se você é da segunda turma tenho uma má e uma boa notícia. A má é que a primeira turma tem uma mentalidade melhor perante a vida porque conta com o esforço e não com o talento. A boa? Você pode pular de turma, mas precisa treinar e estar aberto a mexer na sua própria personalidade. mas dá para se desprogramar.