,

Enfim, ROI não foi o assunto mais debatido sobre Creators no SXSW A vez da representatividade

O SXSW surpreende ano após ano, e esse não foi diferente. Assisti a diversos painéis e palestras sobre Creators (gosto mais desse nome do que influenciadores) e, esse ano, sem dúvida, a representatividade foi a menina dos olhos, dominando quase todas discussões, seguido dos microinfluenciadores.

Você até pode alegar que isso já está sendo falado e debatido e que não é uma grande novidade, mas sou obrigado a discordar.

A representatividade não estava só sendo representada (rá!), mas sim debatida em detalhes por quem está fazendo, está lutando e está tentando. Os painéis, embora não contassem com grandes nomes, reuniram Creators de diferentes nacionalidades e grupos e fizeram jus à proposta da diversidade.

Só esse fato já torna a discussão mais verdadeira, e vejo isso como um grande passo para que as mudanças realmente aconteçam.

Os Creators querem e estão se assumindo como os agentes da mudança. Esses foram alguns exemplos do que se discutiu por lá entre eles:

  • Como devemos criar histórias diversas com autenticidade e tornar isso relativo?
  • Como devemos ser responsáveis pela diversidade?
  • Como esses Creators podem encontrar e se conectar com seu público de forma ainda mais verdadeira?
  • Como podemos capacitar as comunidades através da história?

Uma das principais dificuldades debatidas é descobrir como fazer essas vozes sub-representadas serem financiadas e, com isso, distribuir suas histórias de uma forma mais abrangente.

Independentemente do país onde o conteúdo é criado, as dificuldades são praticamente as mesmas. Mesmo aqui no Brasil, esses assuntos estão sendo levantados e debatidos, mas os EUA já dão passos mais largos com a criação de algumas empresas e iniciativas.

Esse projeto já tem como parceiros o Museu de Arte Contemporânea de Chicago, o Instituto de Arte de Chicago, o Block Museum of Art e a Cidade de Chicago, além de inúmeras galerias, organizações comunitárias e universidades.

“Acreditamos que iniciativas como essas podem causar impacto social e empatia através da narração digital”, disse Aymar.

Microinfluenciadores: tendência que se comprova

No caso dos microinfluenciadores, o principal exemplo que vi foi o da ELF Cosmetics (sigla para Eyes, Lips, Face). Eles resolveram reunir 50 nomes através do seu programa “Beautyscape” para ajudar a aumentar o engajamento com a marca. Cada um foi escolhido por causa do forte envolvimento e entusiasmo pela marca e tinha, em média, 1.500 seguidores.

Amy Cotteleer, fundadora da A2G, uma agência que foi contratada pela ELF para essa campanha, demonstrou que microinfluenciadores têm mais engajamento do que influenciadores de maior renome: “Microinfluenciadores têm uma taxa de engajamento de 8%, enquanto os influenciadores com cerca de um milhão de seguidores têm uma taxa de engajamento de 1,7% com seu público.”

A ELF identificou que não funcionaria apenas dar livre acesso aos seus produtos, mas sim que deveria também promover a criatividade. Os microinfluenciadores foram levados a São Francisco e tiveram a oportunidade de avaliar e conversar com a equipe de desenvolvimento de novos produtos e trabalhar com os principais maquiadores Elf.

Essa ação gerou resultados significativos para a marca. Além de criar um vínculo maior com as microinfluenciadores e seus públicos, conseguiu um aumento de 25% nos seguidores em suas redes sociais.

Abaixo, Heart Telagaarta, uma das contratadas pela ELF, fazendo um vídeo mostrando os produtos da marca.

Acredito e torço muito para que esses novos caminhos virem uma realidade ainda mais comum. É animador ver pessoas e grupos sendo cada vez mais representados em conteúdos gerados por eles mesmos e microinfluenciadores conseguindo viver do seu próprio trabalho.

Published in SXSW

Written by Leandro Bravo

Profile photo of Leandro Bravo

Apesar de parecer jovem, já possui quase 20 anos de experiência na área de Digital. Hoje é Head de Relacionamento da Celebryts, uma plataforma de pesquisa e contratação de Creators para campanhas digitais.

Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Loading…