O diretor Matias Vellutini lançou ontem, dia 8, seu curta metragem em stop motion “Chaplin SP”.

Você vai dizer “ah, stop motion de novo?”

É, mas esse é diferente: aproveitando que as imagens do filme “Luzes da Cidade” (“City Lights”, 1931) de Charles Chaplin cairam em dominio público, Matias construiu stencils a partir de frames do filme, grafitou a zona oeste paulistana e fotografou o resultado.

No final, 160 stencils foram utilizados na montagem do curta, para recontar a estória de “Luzes da Cidade” pelos muros de São Paulo. Trabalho criativo e primoroso, com produção da Galeria Filmes (Bruno Vergueiro e Vânia Ferreira).

Como será que 15 anos de influências cinematográficas mudam a cabeça de alguém?

E se esse alguém for não qualquer um, mas o projetista, que talvez veja mais filmes do que qualquer outra pessoa?

Essa é a história que o teaser do Festival de Cinema de Newport Beach de 2014 mostra. E o resultado é animal.

“Na verdade a princesa é um computador que ajuda um homem com depressão, que na verdade perdeu sua esposa e vive tatuando no corpo pistas sobre o ocorrido, mas na verdade ele tem amnésia”

Oras, tantas boas histórias assim com essa princesa?

Her, Memento, Pulp Fiction, Fargo… tudo isso em uma simples história de ninar para sua filha, que parece curtir muito a experiência (e quem não curtiria?).

A criação é da RPA de Santa Monica.

pulp_100

A empresa VL4B, especializada em visualização de dados de maneira criativa, criou um projeto legal para quem é apaixonado por cinema: o “Data Movie”, que traz filmes em infográficos.

Embora a gente já tenha visto muito infográfico de cinema por aí, a maioria escolhe recortes temáticos para os dados. No caso do “Data Movie”, o que me encantou mais é que cada infográfico é uma representação bem mais ampla. Imagine contar a história de filmes complexos como “Pulp Fiction“, “Ghostbusters” , “Taxi Driver” e “Laranja Mecânica“. Tem também “Rocky” e, o mais recente, “Clube da Luta” (com direito às oito regras, claro).

Se você gosta tanto de cinema como eu, vai achar a proposta, no mínimo, divertida.

ghostbusters_100

 

fightclub_100

 

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido ganhou mais um trailer, enjoy:

Além do trailer, mais duas artes conceituais longa.

x-men-days-of-future-past-01 x-men-days-of-future-past-2

 

O filme conta com a participação de vários mutantes em uma união da saga X-Men, trazendo parte dos elencos de X-Men: Primeira Classe (2011) e X-Men: O Confronto Final (2006).

No elenco Jennifer Lawrence, Michael Fassbender, James McAvoy, Patrick Stuart, Ian McKellen, Halle Berry, Nicholas Hoult, Peter Dinklage e, claro, Hugh Jackman. A adaptação dos mutantes nas mãos de Brian Singer chega aos cinemas em 22 de maio.

 

Antoine é um zumbi de cinema. Com uma diferença: é um zumbi de verdade.

Mas isso não o ajudou a começar sua carreira pois tem uma caraterística muito marcante: é canadense e, como todo bom canadense, bonzinho e gentil demais para um zumbi.

Mas Antoine deu a volta por cima!

Afinal, ele é só um zumbi. Que calhou de ser canadense.

O filme promove o Festival de Cinema do Canada e a criação é assinada pela JWT canadense que é, também, gentil pra caramba.

Todo mundo já sofreu com aquele inconveniente colega que fica comendo salgadinho, mexendo em embalagens de plástico ou até mesmo fica puxando com o canudo cada gotinha do fundo do copo de refrigerante (e se você nunca sofreu, cuidado! você pode ser esse coleguinha).

Como fazer com que esses colegas se toquem do incômodo sem ser rude ou gastar saliva? A solução da Coca-Cola em parceria com a Saatchi & Saatchi de Copenhagen parece simples: colocá-los no filme. Atrapalhando.

Bem, a execução não foi nem um pouco simples, com gravação, edição, cromaquis, edição e exibição feitos com poucos minutos de prazo.

O resultado impressiona (e até levanta algumas dúvidas quanto à execução real da ação) e pega os “barulhentos” de surpresa.

Como diria minha avó, um belo tapa com luva de pelica.

E o ano começa pra valer! Nada melhor na segunda-feira pós-carnaval a motivacional trilha ‘Eye of The Tiger’, do filme Rocky. A diferença fica pela execução ser feita por uma impressora matricial modificada, dá uma olhada:

via

Estamos em temporada de premiações no cinema. No próximo domingo, dia 02 de março, é noite de Oscar. Em homenagem, aqui está “Cinematics”, animação criada por Pier Paolo, que traz uma timeline de filmes e personagens clássicos.

Chaplin, “Cantando na Chuva”, “Laranja Mecânica”, “Star Wars”, “Kil Bill” e “Up” são alguns dos escolhidos.

Para a trilha sonora, Marcelo Baldin, conhecido como Combustion, remixou temas dos filmes em uma edição de som que também merece destaque.

Lendo a biografia de Pier Paolo no Vímeo, descobri que ele é brasileiro e vive em Florianópolis. Sempre legal ver trabalhos como esse sendo feitos aqui no Brasil.

Paolo desenhou muitos personagens do cinema — nem todos entraram na animação final. Mas os cinéfilos vão gostar de conhecer:

fabiane-secches-cinematics-update-ordie

 

Saiba mais aqui.

App, o filme

Já falamos bastante por aqui sobre o conceito de segunda tela (aqui, aqui e aqui).

Daí que o filme holandês App, dirigido por Bobby Boermans, resolveu levar esse conceito para os cinemas.

Antes de começar o filme, as pessoas são convidadas a baixar um aplicativo para iOS ou Android e sincronizá-lo com o que está passando na telona. Feito isso, em vários momentos do filme o aplicativo exibe, na tela que está na sua mão, cenas complementares àquelas que estão sendo exibidas na tela grande.

Todo o roteiro do filme foi pensado e adaptado para funcionar nessa combinação de primeira e segunda telas. Mas os produtores garantem que também é possível entender toda a história usando somente a primeira.

Será que funciona bem? Fico pensando se a luz das telas dos smartphones não vai deixar a sala de cinema iluminada demais e acabar azedando a experiência de quem não quer brincar de segunda tela…

O trailer você confere abaixo:

Noon Film

Explorações de mineração no Ártico acabaram despertando vulcões e terremotos que alteraram a rotação da Terra e mataram metade da população mundial. A história se passa em Noon, uma cidade sobrevivente no polo norte, onde o sol nunca se põe, em nenhuma hora do dia.

Escrito e dirigido por Kasra Farahani, o curta é um rascunho de um longa-metragem que deve começar a ser produzido em breve.

Vê aí e depois a gente combina a ida ao cinema :)

Nesta edição do Cooltural Trips, conheça um projeto que deixa a vida de cachorros – digamos assim – mais prática; um caça  tesouros musicais semelhante ao recém-lançado pela Air France;  e formatos de cinema diferentes do que você deve estar acostumado.

Créditos aos posts Underwater Dogs, Tiny Desk Concerts e Filmes que gostaria que o Beto tivesse feito.

PS: Os logos estão gigaaantes, eu sei… Programa de edição novinho, o que me faz ter que aprender tudo de novo.  Enquanto isso, tente não olhar muito para eles :)