Dia 22 de setembro, esse último sábado, foi o Dia Mundial sem Carro. Um dia para se evitar o uso da caixa de aço poluidora e andar um pouco de bicicleta. Nesse dia várias cidades montaram, excepcionalmente, suas ciclofaixas e mesmo assim, ou por isso, São Paulo teve mais um dia de congestionamento.

Muitos de nós sonham com o dia que as grandes cidades virarem uma Holanda. E até achamos que o país já foi construído daquele jeito e que as bicicletas sempre tiveram seu espaço, mas nem sempre foi assim.

Dá uma olhada nesse vídeo que conta essa história e veja se o início não lembra um pouco as grandes cidades do país hoje? Aumento da renda, aumento dos carros, demolição de prédios para construção de rodovias, parques virando estacionamento e muitas mortes no trânsito.

Vale tentar imaginar se vamos seguir esse caminho que estamos hoje, ou dar uma guinada para algo que faça mais sentido. Afinal, numa recente competição entre vários meios de transporte na cidade de São Paulo entre o menor tempo entre dois pontos o carro ganhou apenas da pessoa a pé, e foi só por 1 minuto.

Depois do jump você vê o ranking.

Por enquanto Streetpong é só um conceito de interação urbana, bolado por dois designers alemães. Mas bem que poderia ser real.

Isso com certeza faria o meu dia bem mais divertido, mas o legal do vídeo é que ele abre a discussão para mecanismos de “gamificação” que ajudam a deixar certos momentos menos chatos. Inclua aqui o trânsito da hora do rush, a espera pelo metrô, as filas de banco etc.

Eu sei que o assunto ainda é longe de muitas realidades brasileiras, mas seria interessante ver algum candidato à prefeito minimamente atento à isso.

via Gabriela Serio