in

Reloads Mentais: a imersão da mente nos ambientes

gravity-explosion Post de Cláudio Palmieri palmieri Quando você chega em um lugar novo, o seu cérebro logo começa um trabalho de reconhecimento da área. Para proteger o corpo a qual ele pertence, busca tornar o local um lugar íntimo. Mas também faz todo esse trabalho para uma outra coisa: economizar energia futura. Isso porque num retorno futuro o seu cérebro estará um pouco mais no automático na interação com o local, o que o fará economizar energia. Com essa frequencia de visita aumentando no mesmo local, como por exemplo ao morar num novo bairro, o automático torna-se presente de fato: tornando o lugar menos nítido e mais embassado. Ele passa a permitir apenas atenção a algo novo no ambiente. E esse novo que reativa o cérebro podemos chamar de reload mental.Quanto menos reloads mentais, mais profundamente e continuamente estaremos inseridos no ambiente. Usando essa ótica da mente, podemos analisar como somos mais, ou menos, inseridos no universo das histórias criadas para o cinema. Vejamos:

Reloads Tarantinescos

Em vários filmes do Tarantino, o seu cérebro precisa fazer constantes reloads para se colocar na compreensão das cenas, e consequentemente, da estória. Como em Pulp Fiction em que, no decorrer do filme, você passa por diversos ambientes, e em cada ambiente diversas mudanças de foco em personagens e mudanças de ângulos. A cada corte, sua mente dá um reload mental para captar as falas, expressões dos atores, posicionamentos de objetos, mudança de luz, novos personagens que surgem na cena e tudo isso em milésimos de segundos. Mais um corte: reload. Outro corte: reload. Um tiro qualquer: e outro reload.

As histórias de Tarantino são elétricas nas falas dos personagens e nos cortes. E dá-lhe reloads mentais!!!

Imergindo com Gravidade

No filme Gravidade, de Alfonso Cuaron, o espectador tem 12 minutos iniciais de um ballet visual no espaço, e tudo sem um corte. Você vai com sua mente ao encontro do ônibus espacial, acompanha o George Clooney curtindo o espaço, vai para a Sandra Bullock concentrada no seu trabalho, vê de perto o conserto do Hubble, flutua ora com um, ora com outro, acompanha o desespero com o bombardeio dos destroços espaciais. E todo esse tempo sem um único reload mental de reconhecimento espacial (localização e elementos na cena). Isso porque Gravidade insere o seu cérebro num ambiente de forma progressiva, onde gradativamente vai introduzindo elementos que compõem todo o ecossistema do filme. Seu cérebro se familiariza com todo o ambiente, e começa a torná-lo tão comum que não precisa mais gastar energia para reconhecê-lo. Focando assim em pontos centrais da trama. Mesmo com alguns poucos cortes, o ambiente é essencialmente o mesmo, gerando o mínimo de reloads mentais. http://youtu.be/cEkILY1h6fA

O mesmo ambiente em 99% do filme gera uma imersão fantástica. Poucos reloads é mais imersão.

Esse mesmo trabalho pode ser reproduzido em projetos de UX, arquitetura de ambientes, design de interiores de lojas, espaços de exposição e até em trabalhos de branding. Entendendo como a mente trabalha os seus reloads de reconhecimento e interação com o ambiente, podemos realmente gerar imersões profundas nas pessoas, tornando uma experiência quase real para o cérebro. Agradecimento a minha esposa Natascha Cristina Lopes pela revisão do texto.

Reportar

Gostou do post?

82 points
Upvote Downvote
Entusiasta

Escrito por Guest Post

Série do UoD que traz sempre um convidado especial para fazer um update que vale por um upgrade.

Content Author

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0