16.2 C
Sao Paulo
17/11/2019
Sem categoria

36 perguntas para fazer antes de se apaixonar

Dois desconhecidos, um homem e uma mulher heterossexuais, entram num laboratório, sentam-se face a face e respondem um para o outro um questionário com 36 perguntas previamente elaboradas. Ao final, eles permaneceram durante 4 minutos se encarando em silêncio. Seis meses depois, o casal convida todo o laboratório para a cerimônia do casamento.

Esta cena realmente aconteceu durante a pesquisa “The Experimental Generation of Interpersonal Closeness”, sob o comando do psicólogo Arthur Aron. Ele e sua equipe conseguiram fazer dois estranhos se apaixonarem em laboratório.

Parece fácil, não? Cronometrando tudo, demoraria uma média 45 minutos para a paixão acontecer, cientificamente falando.

Aron estuda todos os tipos de amor e é especialista em diagnosticar motivos pelos quais as pessoas começam ou terminam relacionamentos. As perguntas do seu questionário possuem um grau crescente de profundidade, o que causa uma aceleração instantânea da intimidade entre participantes, o que pode funcionar muito bem em alguns casos. Será que funcionaria com você?

A pesquisa de Aron inquietou a colunista do NY Times, Mandy Len Catron, que resolveu testar e ver no que dava. Em vez de um estranho no laboratório, Mandy respondeu o questionário num bar com um conhecido da universidade, que a ouviu falar sobre o experimento e soltou um “let´s try” que deve ter soado irresistível.

E o resultado? Bem, eles também se apaixonaram. Como pontua a colunista, talvez o crédito do romance não tenha sido totalmente das perguntas de Aron, já que eles se conheciam e havia uma certa atraçãozinha no ar, mas a intimidade criada naquele dia foi importante para o desenrolar da relação, como você pode (e deve) ler no relato completo da experiência (To Fall in Love With Anyone, Do This).

E você, ficou curioso? Pois é, tanta gente ficou curiosa que resolveram até criar um site/aplicativo com as perguntas que você pode acessar neste link. Você pode fazer o teste e depois contar pra gente como foi.

 

As 36 perguntas  num aplicativo para você potencializar a intimidade.
As 36 perguntas num aplicativo para você potencializar a intimidade até numa mesa de bar.

 

Antes prosseguir com experimento, só se certifique de que não tem alguém ocupando seu coração. E, se der certo, depois que a relação engatar faça o teste 276 perguntas/tópicos para se fazer antes de casar.

Posts Relacionados

Como os movimentos da cultura pop contemporânea estão ressignificando a figura do “homem cowboy do comercial de cigarro”

Tiago Cunha

Seria a conversa uma melhor estratégia contra o racismo do que o block?

Jacqueline Lafloufa

Sonic Brand: qual é o som da sua marca?

Jacqueline Lafloufa

4 comentários

Raphaela 12/10/2016 at 5:38 PM

Lau, preciso de sua ajuda urgentemente. Estou escrevendo meu tcc e gostaria de citar esse método dos 4 minutos de olhar ininterruptos desse pesquisador Aron, mas no link que disponibilizou da experiencia, não consta esse método, somente o das perguntas. Sabe me dizer se faz parte de outro estudo?

Reply
Lau Franco 12/10/2016 at 7:39 PM

Raphaela, vamos lá:

Ao que me parece, o método do olhar estava implícito na pesquisa. Li o artigo do Dr. Aron e não havia menção literal. O artigo completo está neste link aqui http://psp.sagepub.com/content/23/4/363.full.pdf+html . Eu dei um scan (lidinha rápida) e encontrei muitas referências a questão da proximidade física (closeness) de forma bem detalhada, mas não a “eye contact”, “gazing” ou “staring” em si. Em todas as referẽncias jornalísticas sobre o estudo, existe a menção a troca de olhares – então deduzi que talvez fosse uma informação conseguida após entrevistas com ele, no qual explicava como reproduzir o efeito.

Todos os trabalhos científicos dele estão nesta lista http://www.psychology.stonybrook.edu/aronlab-/

Na Sage existem vários artigos sobre “eye gaze” ou “eye contact”, você pode ver o qual se encaixa na sua pesquisa e tirar as referências, dá pra baixar o texto completo, como nos exemplos desta página: http://psp.sagepub.com/search/results?fulltext=eyes&x=0&y=0&submit=yes&journal_set=sppsp&src=selected&andorexactfulltext=and .

Encontrei algumas referẽncias ao “eye contact effect” + liberação de oxitocina em alguns releases de pesquisas, como essa aqui http://ucsdnews.ucsd.edu/archive/newsrel/health/02-08LoveHormone.asp – pode ser útil aprofundar a explicação para esse método em outros artigos. Por exemplo, da Universidade da Califórnia, procurar por trabalhos da Dra. Kelly Campbell.

Encontrei esta revista da Sage sobre Psicologia social que pode ser útil na sua pesquisa, aqui fala de forma mais explícita https://books.google.com.br/books?id=LVtWXriQYQMC&pg=PA40&lpg=PA40&dq=eye+contact+effect+kelly+campbell&source=bl&ots=5FqrIVZW8V&sig=YrqbYxgi-s8d2OFWW3AFrZDod9I&hl=pt-BR&sa=X&ved=0ahUKEwiokaOXpNbPAhWBDpAKHafQBVQQ6AEIXjAH#v=onepage&q=eye%20contact%20effect%20&f=false .

Se você for aluna de uma universidade que tenha assinatura de revistas e periódicos científicos, eu vi a referência de alguns artigos na Publimed. Vale a pena ir até a biblioteca da sua universidade, acessar o site e procurar algumas referências mais atuais. Achei essa aqui que parece bem interessante, mas é de 1968: Effects of eye contact and verbal content on affective response to a dyadic interaction. Ellsworth, Phoebe C.; Carlsmith, J. Merrill.

Espero que seja útil! Abraços!

Reply
Gabi 28/06/2016 at 2:57 PM

Queria MUITO, mas MUITO, ver as outras 35 perguntas… mas o link que vocês passaram não funciona mais… 🙁

Reply
Lau Franco 28/06/2016 at 3:00 PM Reply

Comente

Ad Blocker Detected!

Refresh