Uma sala no Louvre está decorada com 31 quadros destoantes entre si em relação a estilo ou assunto. Paisagens holandesas, ruínas romanas, banquetes e retratos encontram-se expostos em um estreito cômodo no museu parisiense. O que os une não é um artista ou um movimento, mas a história.

Aqueles que foram perseguidos durante a Segunda Guerra Mundial, muitas vezes escondiam pertences para que não fossem saqueados pelo exército alemão. Por conta disso, muitos objetos ficaram perdidos e foram encontrados com o passar das décadas.

De acordo com o New York Times, até 1949 foram devolvidas à França 61 mil das 100 mil peças roubadas (entre elas pinturas, desenhos, esculturas e antiguidades). 45 mil foram reivindicadas pelos donos e outras vendidas em leilão. Mas 2.143 obras ainda estão órfãs.

Alguns dos quadros roubados expostos. Foto: Associated Press

Em uma tentativa de encontrar esses herdeiros, o Museu do Louvre expôs algumas peças que estão à espera dos donos. Desde os anos 1950, mais de 100 já foram devolvidas, incluindo 50 pinturas.