Alguns dos bairros residenciais mais antigos de São Paulo, além de muita história, possuem um tipo de arquitetura singular e foi isso que o artista Alberto Simon retratou no projeto “tamanho_M”.

Diferente de construções assinadas por grandes arquitetos, as moradias desses locais possuem um tipo de característica vernacular, sendo casas levantadas por quem não tem formação em arquitetura, e englobam um conjunto de similaridades típicas de cada região.

Pode-se dizer que é possível ler a personalidade das casas de forma orgânica e espontânea por meio desse tipo de construção. O trabalho do artista traz um conjunto de imagens dessas regiões de classe média e as fachadas das habitações.

A arquitetura de bairros como Mooca, Cambuci, Ipiranga, Santana, Jardim São Paulo, Saúde e outros, não é resultado de um projeto de autoria, mas de criações viscerais da população.

A Mooca foi fundada em 17 de agosto de 1556, 56 anos após a chegada dos portugueses no Brasil e dois anos depois da fundação da cidade de São Paulo (25 de janeiro de 1554). O bairro se caracteriza pela imigração italiana, lituana e croata.

O Ipiranga é localizado no distrito do Ipiranga, e é um dos bairros mais antigos da cidade, fundado no dia da independência, em 7 de setembro de 1822. Ele abriga importantes pontos históricos, como o Museu do Ipiranga e o Parque da Independência.

O bairro do Cambuci, fundado em 1906, teve um papel histórico na Revolta Paulista de 1924, o maior confronto bélico de São Paulo. Lá aconteceu a ocupação da Igreja da Glória, que durou 23 dias.

A Vila Mariana foi resultado de uma sesmaria (terreno abandonado ou inculto que os reis de Portugal cediam aos novos povoadores) concedida a Lázaro Rodrigues Piques em 1782, situada entre o ribeirão Ipiranga e a Estrada do Cursino.