Do Storytelling ao Storydoing: o backstage é a nova linha de frente

O storydoing é constituído por histórias reais. A experiência do consumidor é o mais importante neste contexto
o backstage é a nova linha de frente

Quando unimos os dois mundos, o fazer e o comunicar, acontece o milagre de transmitir ideias e conhecimentos. No âmbito corporativo, essas ideias e conhecimentos fluem como parte da mesma natureza.

Uma das tendências ao longo de 2018 que estamos testemunhando decolar na comunicação corporativa é o storydoing, ou seja, deixar de contar (storytelling) para fazer, e mostrar.

Embora o conceito já seja conhecido há algum tempo, o protagonismo das redes sociais transforma e flui a comunicação das empresas para o mercado.

A participação cada vez mais ativa dos consumidores que produzem conteúdos, os chamados “prosumers” (anglicismo de produtor + consumidor), e a necessidade das empresas gerarem o vínculo desejado com seus públicos, fazem do storydoing uma das formas de comunicação que se impõe nos dias de hoje.

O eixo que move o storydoing é constituído por histórias reais. A experiência do consumidor é o mais importante neste contexto, tornando-se a base para se construir uma forma atrativa de atingir o  mercado.

Os valores, a identidade e a cultura que as empresas anunciam, além de seus produtos e serviços, ou seja, o DNA da corporação, deixam de ser uma simples narração para compor uma história com conteúdo emocional que pode ser vivida no mundo real.

Essa história contada pelas empresas, mas que reflete o sentimento dos consumidores, cria uma nova maneira de abordar as comunicações a partir dos próprios fatos.

O storydoing abre as empresas para seus públicos, deixando seu DNA exposto e levando o backstage da organização à vitrine. As experiências das marcas passam a fazer parte dos prosumers.

As boas experiências devem ser compartilhadas!

Default image
Cristela Reyes
CEO da MarketCross e membro da AAM (Associação Argentina de Marketing)e faz parte do corpo docente da Carreira de Relações Públicas e do Mestrado em Comunicação Corporativa da Universidade del Salvador da Argentina (USAL).
Leave a Reply

Ad Blocker Detected!

Refresh