Será mesmo possível que um pequeno dispositivo wearable pode nos ajudar a melhorar a concentração?

Com tantas possibilidades, em mundo completamente conectado, repleto de distrações, notificações, múltiplas funções, o FOCI pode ser considerado a primeira tentativa de treinar o cérebro para um mundo que em breve será dominado pela Inteligência Artificial ou humanos geneticamente aperfeiçoados.

Do tamanho de um canivete suíço, design discreto misturando plástico de boa qualidade e metal, esse pequeno aparelho é capaz de rastrear cada respiração, batimentos cardíacos e cognição para analisar o estado mental de cada indivíduo, não de maneira padronizada, mas individual. Sua IA é baseada em duas décadas de estudos na área da neurociência. Tenho certeza que até este pequeno ponto do texto você pensou em algum afazer, abriu o WhatsApp, pensou naquele e-mail para responder, e é justamente neste ponto que o aparelho promete melhorar o nível de concentração das pessoas.

Estamos a todo momento tentando nos concentrar em alguma atividade de maneira eficiente, mas o mundo multitasking não permite mais esta possibilidade. O FOCI é conectado evidentemente em um smartphone, possui um aplicativo próprio onde algumas bolhas coloridas indicam se você está estressado, distraído, focado, estado de fluxo ou em desempenho de pico. De acordo com os pesquisadores, este último nível é considerado pelos maiores atletas e artistas um estado de foco profundo, muito raro, mas possível de atingir. Com o passar do tempo, o aparelho aprende sua rotina e aos poucos ele vai treinando sua habilidade de foco por mais tempo, interrompendo o ciclo de distração. Shut up and take my money.

Este é mais um produto lançado pela Tinylogics – UK, empresa fundada por ex-alunos de Cambridge que lançaram o Memo Box, um recipiente de medicamentos com sensores e um assistente de IA a fim de lembrar a hora de cada dosagem, parece simples, mas este produto ganhou muitos prêmios e é muito popular no meio científico, mas pouco conhecido no Brasil.

Mick Adams, co-fundador da Tinylogics, em sua pesquisa de campo buscou diversas soluções e técnicas psicológicas para melhorar a concentração e acabou constatando, assim como todos nós, o vício em tecnologia, redes sociais, informações e velocidade nas respostas. “…Estamos constantemente conectados, todo mundo está falando sobre isso e não há muitas soluções…” O FOCI, que foi desenvolvido em conjunto com ex-estudantes de Cambridge, supõe que as distrações não vão embora, mas treina as pessoas para lidar melhor com elas.

 

No momento da instalação o aparelho consegue em apenas quatro horas estabelecer a linha de base individual, em seguida pode dizer se está focado, há quanto tempo está focado e qual é o nível desse foco. Além da visualização por meio das bolhas, o aplicativo dá notificações sobre quanto tempo alguém tem estado em um determinado tipo de foco, compara o desempenho de dias anteriores e aos poucos vai intercalando os hábitos de distração para períodos mais longos de concentração.

O aplicativo foi desenhado a fim de sugerir estratégias mentais, comprovadas em pesquisas que podem ajudar a mudar hábitos. Se a sua resposta espontânea ao cansaço for correr para o Instagram, por exemplo, na próxima vez o aparelho vai perceber esse padrão e identifica-lo como distração e “puxar sua orelha” por meio de pequenas vibrações. De acordo com Adams: “…Antes de abrir uma página da internet que eu não deveria durante o trabalho ou estou pensando em outra coisa, recebo três vibrações da FOCI, o que me permite saber que estou distraído…”, sendo possível cortar o ciclo de distração antes de perder o tempo precioso.

O warable FOCI da Tinylogics conseguiu angariar fundos em apenas 5 horas e é o mais novo queridinho da plataforma de crowdfunding, Kickstarter. Estará disponível a partir de outubro de 2018 com versões partindo de U$59.

Bonus Stage:

Para se ter ideia do quão distraído você é, tente realizar um teste muito simples, que é exemplificado no livro “10% Mais Feliz – Dan Harris”. Chama-se: Meditação Contemplativa Básica – Sente-se, e tente respirar apenas 10 vezes, prestando atenção apenas no sair e entrar do ar, caso perceba seu vacilo com outros pensamentos, retorne a partir do zero. É impossível fazer na primeira ou na segunda vez.

fonte, fonte, agradecimento: @nidi.bueno

Total
4
Shares