Jeep Experience Serras do Sul. Recalcule com Update or Die

Liberdade, autenticidade, paixão e aventura.

Esses são os valores da Jeep, valores que resumem bem o espírito da marca. E, nada melhor do que vivenciar isso em algumas das paisagens mais bonitas do Brasil. Por três dias, percorremos o sul do nosso país acompanhando um comboio especial durante a produção de um documentário para a marca.

Foram mais de 600 km a bordo do Jeep Compass – do litoral às serras, passando por estradas de terra, leitos de rios, cânions, pontes estreitas, serras nubladas, paisagens de tiras o fôlego e cidades históricas. Mais do que uma simples viagem, a ideia foi viver uma experiência daquelas que faz você repensar um pouco algumas coisas básicas do seu dia a dia, recalcular rotas (literalmente) e – indo de encontro com a nova campanha da marca – encontrar a sua verdadeira natureza! Essa é a Jeep Experience Serras do Sul.

Jeep Experience Serras do Sul

Jeep Experience Serras do Sul

Este artigo, vídeo e projeto de conteúdo fazem parte da aproximação do Update or Die com o C.R.I.E. (núcleo de conteúdo, criação e performance da FCA – Fiat Chrysler Automobiles). Um movimento muito interessante – que acreditamos – e queremos estar cada vez mais próximos. Um hub que testa modelos beta e formatos novos de produção de conteúdo, storytelling, engajamento e alcance para os consumidores da marca. Entendemos como uma nova e dinâmica forma de fazer comunicação entre as várias pontas da cadeia: cliente, agência, mídia, veículos, creators através de maneiras muito mais condizentes com o que desenvolvemos e queremos há tanto tempo.

O núcleo atua para garantir a entrega de todos os conteúdos e soluções digitais da empresa de forma integrada, trabalhando de maneira estratégica as plataformas digitais e amarrando as narrativas para cada público: desenvolve ações para aplicativos, sites, redes sociais, atendimento ao cliente, tudo em tempo real, além de monitorar os dados. A estratégia é produzir informação a partir de um olhar atento à mudança do comportamento do consumidor.

Alguns exemplos de cases criados por eles já passaram por aqui, como a a 1º Corrida de Unos Mille com Escada para revelar o nome do Fiat Cronos  ou o recente lançamento em parceria com o projeto TAMAR e o canal OFF e agora a Jeep Experience  – plataforma que, através de expedições off road, gera conteúdos colaborativos para inspirar outras pessoas a vivenciarem, a bordo de um Jeep, os valores universais da marca.

mais de 600 km a bordo do Jeep Compass

Para a expedição do sul, além do UoD, o time do C.R.I.E. levou empreendedores com capacidade de construir relações mais profundas e fortes, com a intenção de gerar conteúdos mais inteligentes e interessantes – algo que também acreditamos muito – trouxemos alguns deles para contar um pouco dessa experiência. Quais os seus destaques. Como foi a expedição. E, principalmente: o que aprenderam. O que poucos dias longe da rotina, sem o celular, em contato com a natureza – nós, seres tão urbanos – podemos encontrar? Recebemos depoimentos tão plurais e especiais, que o “recalcular” do título só ganhou mais sentido.

ENCONTRE SUA NATUREZA

BÁRBARA THOMAZ

Bárbara Thomaz

Apresentadora, jornalista, comunicadora e colunista da revista Marie Claire.


Trago na bagagem a difícil tarefa de transcrever em palavras a beleza estonteante da qual fui testemunha e as sensações que essa viagem me proporcionou. Estar a bordo do Jeep Compass trouxe muito conforto e segurança nessa expedição que contou com longas horas ao volante, uma natureza bruta, lama e cascalho que, acabei concluindo, são mesmo viciantes.

Bárbara Thomaz

A experiência teve uma densidade visual complexa. Cambará do Sul foi uma grata surpresa, com seus rios, riachos, cascatas, cachoeiras, pontes, pinguelas, matas, montanhas, cânions e vilarejos. Bucólica e selvagem. Chegar ao Cânion Itaimbezinho foi como encostar o dedinho no divino, aquele lugar onde nenhuma razão consegue explicar a existência, sabe? O silêncio é uma inevitável reverência que vêm a tona; é preciso apenas sentir e respeitar. Imenso, poderoso e arrebatador. Tem que ver para crer.

FÁBIO SEIXAS

Fábio Seixas

É sócio da empresa de inovação O Panda Criativo (Festival Path, PlusPlus! e o Shift CineClub). É apoiador do Instituto da Criança, Instituto Criar, Lá dá Favelinha e do Jacaré é moda. Na música incentiva a carreira de artistas independentes e é co-fundador do Coletivo Missa. No esporte é Ultramaratonista, Paraquedista e recentemente atravessou o oceano atlântico de veleiro.


Ano passado decidi que era hora de recalcular. Não que a rota estava errada mas certamente estava desequilibrada. Muitas das coisas que eu fazia não estavam alinhadas com o que eu acreditava. No meu caso descobri por exemplo que deveria dar mais atenção a família e até ter mais tempo para mim mesmo.

Fábio Seixas

Tinham também algumas pendências para resolver que haviam sido jogadas em baixo do tapete, e vamos falar a verdade, elas pensam e ocupam espaço. Mas também Descobri coisas muito boas como por exemplo estar envolvido com projetos que amo e vejo muito signficado, só faltava mesmo organizar o formato de como lidar com eles dali pra frente. Em geral estava atento e consciente do que se passava ao meu redor mas precisava mudar a maneira como me relacionava com tudo.

Deixar brilhar ainda mais as coisas boas e minimizar e dar andamento aos assuntos mais argilosos. O trabalho foi bem feito e começei o ano com um novo gás e com mudanças significativas e muito positivas. Sete meses se passaram desde então quando fui convidado a participar de uma nova aventura com a Jeep, encarar um desafio de percorer as Serras do Sul. Que presente, um momento inesquecível para mente, espirito e corpo. No percurso além das companias mais diversas que me ensinaram muito, como os Nomades Digitais e a Thais falheiros professora de yoga, uma paisagem de tirar o fôlego. Cânions, rios, serras sinuosas. Caminhos que fazem a gente pensar em tudo.

E como pensei e aprendi. Foi um momento de conexão total não só comigo, mas com um Brasil que sonhava em conhecer e com pessoas lindas que vivem por ali, como o Chef marcos que largou a vida de cidade grande e hoje vive em harmonia com sua familia tocando uma pousada e restaurante, com direito a sarau para os convidados. Lindo de se ver e viver.

BABI BONO

Head de Conteúdo e Criação da Fiat Chrysler Automóveis. Creative Strategist é percussionista e produtora de blocos do Carnaval de rua do Rio de Janeiro.


O barulho do silêncio

Qual foi a última vez que você sentiu a imensidão de uma paisagem tomar conta de vc? E de uma experiência?

Nas últimas semanas eu recebi um desafio: me permitir desligar do mundo durante 48h pra estar em contato com a minha verdadeira natureza. Eu nunca tinha parado pra me fazer essa pergunta. Qual sua verdadeira natureza?

Não pensei que seria tão difícil achar a resposta. A gente “sabe do que gosta”, mas na correria do dia a dia deixa pra depois viver, de fato, na essência desse “gostar”.

Pra fazer esse contato eu encarei uma roadtrip offroad que tinha essa provocação muito clara.

Foi aí que começou o contato com tudo isso. Numa roadtrip vc não anda sozinho, mas em comboio, vc se abre para pessoas que nunca viu na vida, vc não tem celular, vaidade, rede social… vc está completamente imerso à natureza. E ela faz parte de todo seu caminho. Pra chegar num lugar lindo, tem que atravessar estradas e rios, barro, dificuldade, chuva, frio…
Recalcular o olhar é o primeiro ponto pra ver a beleza que existe em tudo que a vida apresenta pra gente, principalmente nas dificuldades.

No topo do pico mais alto do Rio Grande do Sul, no Cânion Montenegro, depois de mais de 6 horas dirigindo por uma estrada de trilha lameada, esburacada e de acesso difícil, eu me emocionei ao lembrar de uma amiga que se foi recentemente. Transformando em metáfora a experiência real, eu só pensava o quanto queria que ela estivesse ali pra ver aquela imensidão comigo. Eu só queria lembrá-la que andar junto numa estrada torta é melhor do que andar sozinha, que a dificuldade vem pra vc viver o inesperado. Eu só queria dizer: olha como viver é difícil, mas é lindo!

Foi naquele total silêncio, olhando aquela imensidão, que veio a conexão com um barulho gigante dentro de mim. Não da pra viver mais ou menos. Não da pra se dedicar mais ou menos ao trabalho, ter uma relação mais ou menos, amizades mais ou menos, música mais ou menos, nem sabores! Viver não é mais ou menos.

O Cânion Monte Negro me ensinou sobre a imensidão que tem dentro de cada um de nós também. Lidar com sermos tantos em um, muitas vezes pode ser dolorido. Mas olhar pra nossa natureza, faz a gente perceber o quão lindo é trilhar essa jornada. Em comboio, mais fácil. É olhar que vale cada parada pra respirar, cada mudança de rota pra algo novo e desconhecido. Vale o movimento.

Chegar no ponto mais alto nunca é fácil, seja lá o que for esse ponto mais alto pra vc, não precisa de ansiedade se começar refletindo sobre o significado do “mais alto”. Na simplicidade das coisas é que está o ponto mais alto. Se não for assim, é uma estrada inatingível, uma trilha difícil de chegar e que pode ser quase irreal.

E enquanto eu escrevia esse artigo, fui avisada que Benedito nasceu. Mais um sobrinho. Benedito me fez encerrar essas linhas lembrando que a vida é movimento, é beleza, renovação, mas acima de tudo, é resistência. Pra chegar nos picos mais lindos, vc vai passar pelas estradas tortuosas. Você não precisa trilhar esse caminho sozinho.

Bem-vindo, Benedito!

Saiba que somos uma estrada cheia de curvas, por vezes buracos, lama, mas paisagens incríveis. Nossa beleza está na conexão com aquilo que somos de verdade e que por vezes esquecemos.

Bendita seja essa jornada offroad que é viver!

DIANA MARQUES

Diana Marques

É publicitária e editora de conteúdo da revista inVoga.


Um dos lugares mais incríveis da viagem, pra mim, foi o Passo do Inferno, em São Francisco de Paula – RS. É uma cachoeira que deságua no rio Santa Cruz com uma correnteza muito forte. Para atravessar, passamos por uma ponte de ferro, que tem uma estrutura incrível, perfeita para fotos. Quando você olha para baixo, chega a dar aquele friozinho na barriga, mas a paisagem compensa. Impressionante pensar que pouquíssimas pessoas conhecem esse lugar tão bonito do nosso país! Hoje, o local é uma reserva ecológica linda. Pra mim, lá do Nordeste, é algo muito especial.

VIVIANE DUARTE

Viviane Duarte

Fundadora da consultoria para marcas com foco em gênero e diversidade – Plano Feminino e idealizadora do projeto social Plano de Menina.


Esta trip foi especial para mim de diversas formas. Pela primeira vez em quase dez anos empreendendo, eu consegui me desligar da agenda de trabalho sem culpa. Talvez porque eu tenha chegado aos 40 anos estes dias, tenho estado mais aberta e super atenciosa ao meu tempo, às minhas escolhas e tentado ser uma mulher que repensa todos os dias o que posso fazer de melhor por mim – em meio a correria da vida empreendedora.

Autocuidado, sabe como? Tô aprendendo a me enxergar melhor e a me escutar. Isso muda tudo. Até nossa absorção de aprendizados em experiências como essa. Tentar escrever um depoimento, também.

Já viajei para diversos lugares paradisíacos, mas desta vez, estar no meio da serra com esta percepção sobre mim foi especial. Fiz um paralelo durante o trajeto que percorremos com o comboio na estrada, com nossa vida na cidade e jornada pela vida:

Lá, no frio, na serra, nas estradas escorregadias, atoleiros, travessias em rios, no perrengue esperando a parada para ir ao banheiro… estávamos lá – juntos! Em comboio. E isso era confortável. Era seguro. Nos deixava confiante para ultrapassar cada obstáculo. E, tudo isso me mostrou de forma tão verdadeira como seguir a vida em comboio, andando juntos, vibrando e torcendo uns pelos outros. O que faz alcançarmos destinos muito maiores e incríveis. Faz a gente se sentir mais feliz.

Depois de horas na estrada passando obstáculos juntos, eram paradas incríveis: com cascatas, cachoeiras, paisagens e sons da natureza que deixavam-nos com a sensação de presenciar um mundo paralelo e, o mais gostoso era ter com quem dividir tudo aquilo. Abraços, sorrisos, suspiros, fotos e cumplicidade.

Foi assim em cada parada. E é assim em cada conquista de nossas vidas. Chegar sozinho ao topo é solitário demais. Ter com quem comemorar e curtir os espaços que a gente conquista é muito mais divertido e poderoso. Quero cada vez mais esta sensação para minha vida. Quero sempre estar em comboio nesta jornada.

Me parece filosófico demais, talvez devesse escrever algo sobre a experiência com o carro, ou como ação publicitária para a marca, mas ao “recalcular” a minha rota, desencanar um pouco do celular a de toda conectividade necessária – ou não – do dia a dia é isso o que eu consigo responder quando me pergunta o que eu aprendi.

 

GUIA UOD/JEEP EXPEDIÇÃO SERRAS DO SUL

Gramado – Rio Grande do Sul

Fundada em 15 de dezembro de 1954, tem atualmente uma população estimada de 35.047 habitantes. Possui uma área de 237 km² e está a 115 km de Porto Alegre. A população tem forte influência alemã e italiana, o que se reflete especialmente na culinária e na arquitetura urbana e rural. Sede do badalado Festival Internacional de Cinema e de Publicidade e de outros tantos eventos, Gramado promove festas fixas em seu calendário, como a Festa da Colônia, a Chocofest e o Natal Luz de Gramado. Cheia de lojas, museus, restaurantes, fábricas de chocolate, Gramado é – ao lado da vizinha Canela – um dos maiores destinos turísticos do Rio Grande do Sul e um dos maiores do Brasil.

Catedral de Pedra em Canela – Rio Grande do Sul

Com estilo neogótico, começou a ser construída em 1953. Fica na Praça da Matriz, bem no centro da cidade, que está a 110 km de Porto Alegre. A igreja possui uma torre de 65 m de altura e um carrilhão com doze sinos de bronze, fabricados na Itália e instalados em 1972.

A Catedral de Pedra

No interior, se sobressaem três grandes painéis. O tema do altar é a Santa Ceia. Os vitrais também são destaques.Revestida por pedra basalto, por isso é chamada de Catedral de Pedra. Sua iluminação externa que permite até sete cores diferentes. O nome oficial é Igreja Nossa Senhora de Lourdes. Em 2008, a catedral foi eleita uma das sete maravilhas do Brasil em votação aberta pelo escritório de design GOFF.

Passo do Inferno em Canela – Rio Grande do Sul

Parte do município de São Francisco de Paula, Rio Grande do Sul, é um local em que, antigamente, as caravanas de viajantes atravessavam o rio Santa Cruz. De 1933 a 1935 foi construída a Ponte de Ferro pelo Exército Brasileiro com o único objetivo de facilitar o transporte da extração de madeira da araucária.

viajantes atravessavam o Rio Santa Cruz
De 1933 a 1935 foi construída a Ponte de Ferro pelo Exército Brasileiro

Em setembro de 1948 foi inaugurada a Hidrelétrica Passo do Inferno, atualmente administrada pela CEEE – Companhia Estadual de Energia Elétrica. Hoje, o local é uma reserva ecológica conhecida como Parque da Cachoeira.

Cânion Itaimbezinho

5,8 km de extensão, 720 m de profundidade e 600 m de largura
divisa entre Rio Grande do Sul e Santa Catarina

O nome vem do tupi-guarani: Ita (pedra) e Aí’be (afiado). É o mais famoso cânion de Cambará do Sul e é fácil saber o motivo. Suas paredes medem 5,8 km de extensão, 720 m de profundidade e 600 m de largura. O Itaimbezinho faz parte do Parque Nacional dos Aparados da Serra, localizado a 18 km do centro de Cambará do Sul, exatamente na divisa entre Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

A parte superior do planalto está localizada no estado do Rio Grande do Sul, sendo que as bordas do cânion são a divisa com Santa Catarina – os paredões, a Cachoeira das Andorinhas, a Cascata Véu de Noiva, o fundo do vale onde está localizado o Rio do Boi, são catarinenses.

Na divisa entre Rio Grande do Sul e Santa Catarina

Cânion Monte Negro

o pico Monte Negro, com 1.403 m de altitude

 

Localizado no município de São José dos Ausentes, fica ao lado do ponto mais alto do Rio Grande do Sul, o pico Monte Negro, com 1.403 m de altitude. Também é o local mais frio do Estado.

Serra do Rio do Rastro

O mirante da Serra do Rio do Rastro anuncia a estrada mais incrível do Brasil. São 284 curvas em apenas 25 km, com diferença de 710 metros de altitude da primeira à última. Localizada no sul de Santa Catarina, a 215 km de Florianópolis, a serra é cortada pela rodovia SC-390, que permite uma ampla visão do local.

284 curvas em apenas 25 km, com diferença de 710 metros de altitude da primeira à última

Com vasta mata, 35 cachoeiras, 14 rios e nove cânions, é um dos cartões-postais do estado. O mirante fica no município de Bom Jardim da Serra, a mais de 1.421 m de altitude. Registra temperatura abaixo de 0ºC durante o inverno. É também um sítio arqueológico. A Serra do Rio do Rastro está localizada a 60 km de Criciúma, 130 km de Lages, 220 km de Florianópolis, 340 km de Porto Alegre, 490 km de Curitiba e 920 km de São Paulo.

Conteúdo / vídeo: Estilingue Filmes e Update or Die
Direção do vídeo: André Lefcadito
Direção de conteúdo: Gustavo Giglio
Edição: Gianluca Misiti