A IA é cada vez mais anunciada como uma bala de prata, aplicável a quase todas as áreas, desde a prosperidade econômica até a solução de questões globais complexas. Embora o impacto holístico da IA ​​continue a ser revisto, o argumento para o uso da IA ​​dentro da saúde mental é surpreendentemente encorajador, apoiado por estudos médicos e programas pilotos.

Em sua forma atual, a IA ainda é apenas um mecanismo de suporte. Mas olhando para o futuro, seu impacto pode ser significativo, desde que mais pesquisas sejam apoiadas. Inclusive deficiências, como uso pouco claro de dados, erros de diagnóstico e preocupações com privacidade, sejam resolvidas.

Vejamos três benefícios particularmente notáveis

Detecção precoce – A detecção precoce dos problemas de saúde mental é de importância crucial para o tratamento rápido e bem-sucedido do paciente. Mecanismos de Inteligência Artificial já podem detectar marcadores que indicam uma alta probabilidade de câncer em fases muito precoces. E se a IA pudesse sinalizar sinais de alerta semelhantes sobre sua saúde mental, simplesmente ouvindo você?

A prática tradicional em saúde mental depende em grande parte do indivíduo para observar e auto-relatar mudanças indicativas, juntamente com as observações dos profissionais de saúde mental. A IA pode notar sintomas relevantes e agir como um mecanismo de detecção precoce, como demonstrado por dois estudos de caso recentes.

Os veteranos de guerra são considerados um grupo típico de alto risco para o desenvolvimento de problemas de saúde mental. Para capturar esses desenvolvimentos desde o início, a Cogito – uma empresa financiada pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa – se juntou ao Departamento de Assuntos de Veteranos dos EUA para testar um aplicativo que monitora a saúde mental desses veteranos.

O aplicativo em si, chamado Companion, monitora passivamente o telefone de um veterano 24 horas por dia, 7 dias por semana, escutando o som da voz do usuário e a frequência do uso do celular. As alterações na inflexão, a energia do tom e a quantidade falada, bem como o uso do telefone, fornecem ao aplicativo uma variedade de indicadores comportamentais. O sistema de IA usou esses indicadores para detectar mudanças cruciais na saúde mental dos usuários.

Semelhante ao Cogito, a IBM também utiliza a inteligência artificial como mecanismo de detecção precoce de questões em saúde mental. Em dois estudos, o grupo Computational Psychiatry and Neuroimaging, da IBM, juntamente com várias universidades, teve como objetivo prever o início da psicose em pacientes. Eles construíram uma AI que detectou diferenças nos padrões de fala entre pacientes de alto risco que desenvolvem psicose e aqueles que não chegaram a esse ponto. Para detectar, eles usaram um método chamado Processamento de Linguagem Natural (PNL). A PNL analisou a fala do paciente para diferentes indicadores, como coerência de fala e ideias. Em seguida, construiu um modelo preditivo para o início da psicose. Depois de treinar este sistema de IA em dois estudos, a IBM alcançou incríveis 83% de precisão retrospectiva de detecção no segundo grupo de estudo. Foi uma demonstração quantificável do poder que há no ato de ouvir.

Acessibilidade facilitada

Aproximadamente 45% da população mundial, em 2014, viviam em um país onde havia menos de um psiquiatra para cada 100.000 pessoas. É claro que o acesso ao tratamento é um luxo que muitas pessoas em todo o mundo não têm ou não podem pagar.

Além de melhorar o acesso a tratamentos de saúde mental, a IA pode desempenhar um papel importante nos tratamentos personalizados. O Ginger.io, por exemplo, cobre ambos. Uma plataforma on-line que usa inteligência artificial e aprendizado de máquina ao lado de uma rede clínica completa; o Ginger.io adapta suas sugestões às necessidades do usuário e fornece acesso a uma variedade de tratamentos.

O algoritmo pode, por exemplo, sugerir que o curso de ação mais adequado é a terapia cognitivo-comportamental (TCC). A TCC é uma terapia de fala popular que ajuda a reformular a maneira como você pensa e se comporta, a mudar a maneira como você lida com os problemas. Isso geralmente requer várias visitas a um profissional durante um longo período de tempo, o que pode ser impossível devido à localização do usuário. Outros tratamentos a que o usuário pode se valer são o treinamento de atenção plena, o treinamento de resiliência ou ser encaminhado para um terapeuta licenciado ou psiquiatra certificado pelo conselho, dependendo da gravidade dos sintomas.

Todos os sinais indicam que a inteligência artificial está programada para se tornar um fator-chave na redução das barreiras de acesso a aconselhamento, serviços e tratamento personalizado. 

Nada de estigmas

O estigma em torno da saúde mental pode atuar como um forte impedimento para quem precisa procurar ajuda. Algumas pessoas afetadas podem não querer discutir sua situação com outros indivíduos, incluindo profissionais treinados, por medo do velho estigma. A longo prazo, isso pode contribuir para um agravamento da situação da pessoa.

Ao contrário de outros humanos, uma IA não faz necessariamente parte de qualquer construção social mais ampla com todas as normas e expectativas culturais associadas. As Inteligências Artificiais já podem ser provavelmente percebidas como não julgadoras, sem opiniões prévias e, em geral, neutra.

A oportunidade de confiar em um sistema de inteligência artificial está ao alcance há algum tempo. ELIZA, um programa básico de PNL desenvolvido em 1966, reencenou o comportamento e as respostas de um psicoterapeuta. Um antigo predecessor de muitos chatbots atuais.

As intenções de seu criador podem ser vistas como particularmente alinhadas com as do Woebot. Ele funciona de maneira semelhante a um aplicativo de mensagens instantâneas. Criado pelo psicólogo de pesquisa clínica, Dr. Alison Darcy, e integrado ao Facebook, o Woebot pretende replicar a orelha aberta de um profissional treinado. Aprende sobre o indivíduo e adapta suas questões à sua situação, através de repetidas conversas.

O Woebot não se cansa de conversar demoradamente. Estará sempre disponível para ouvir e, mais importante, é percebido como não-crítico, não importa quais pensamentos e preocupações o usuário expresse. Sob essa luz, o Woebot pode contribuir para o aumento do bem-estar, reduzindo o isolamento, e fornecendo um canal instantâneo de comunicação, permitindo a auto expressão, de forma anônima.

A IA pode não ser uma bala de prata para a saúde mental, mas tem todos os indicadores de uma contribuição significativa no campo.

FONTE: FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL

Total
7
Shares