in ,

Ainda vão inventar uma maratona de binge-watchings

Se houve um tempo onde tínhamos mais músicas no iPod do que três encarnações poderiam ouvir, agora temos muito mais TV para ver do que todos os binge-watchings que um cérebro pode suportar.

Puxada pela tsunâmica produção americana, a 3ª Era de Ouro da TV que começou nos anos 90, segue bombando agora com o nome de Age of Peak TV. Mas a nossa produção ainda precisa comer muito arroz com feijão – e rápido- para não perder a onda gigante. Qualquer série que andou nos impressionando, provavelmente já está preparando a terceira temporada. E se é difícil acompanhar a produção americana, impossível é assistir tudo.

A crítica americana Pilot Viruet, conta que “mesmo sendo alguém que passa dois terços do dia na frente da TV, seguindo calendários e ticando as datas de estreia, sempre sou pega de surpresa pelo trailer da segunda temporada de alguma série que nunca havia ouvido falar”.

E não estamos falando apenas da Netflix, Amazon ou da tardia Globoplay. Facebook Watch, Youtube Originals, Hulu, Comedy Central, CNN, Starz on Demand estão na briga, sem contar os que ainda vão entrar como Disney e Apple.

O sarrafo para a gente está bem alto. A questão é que nosso contingente de profissionais ou se formou nos cacoetes próprios da TV aberta, não existe em número suficiente para a demanda ou ainda está formação. Mais do que isso, considerando que Breaking Bad já é uma criança de 10 anos, a gente precisa ter olhos para as novas temáticas para surpreender as novas audiências. Por exemplo: sabia que o Facebook Watch exibiu um drama adolescente estrelado pela “lesbian Jesus” Hayley Kiyoko, a cantora LGBTQ que gravou “Girls like girls” e cravou 92 milhões de views no Youtube ?

Ou que o Audience Network tem uma comédia sobre poliamor que está estreando a quarta temporada? Já ouviu falar da série Cobra Kai do Youtube Originals, um surpreendente reload baseado em Karate Kid?

Para conhecer algumas das coisas que estaremos assistindo ou buscando produzir nos próximos anos, dê uma olhada na livremente traduzida lista das melhores produções menos assistidas em 2018” do The Verge. E confesso: da lista toda, eu só tinha assistido ao ótimo “The end of f•••ing world”.

Reportar

Updater

Escrito por Duda Hernandez

Co-Founder / Partner na empresa Bee Content Club

Anos de UoD

One Comment

Leave a Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Gostou do post?

82 points
Upvote Downvote