in

SXSW: a avalanche de assinaturas e de como a modalidade pode ser o sucesso do seu negócio

“Se queres saber o futuro, estuda o passado”, a frase de Confúcio era pertinente centenas de anos antes de Cristo, e é quase urgente agora. Com as mudanças dos mercados globais, ficamos aflitos com as novas formas de prestar serviços e vender produtos, e esquecemos que a resposta para muitas charadas comerciais talvez estejam em um “truque” bastante conhecido – as assinaturas. Ou subscription, como dizem os americanos.

Sim, aquela mesma ferramenta que usávamos para ler jornais, assistir filmes e desfrutar de tantos outros bens e comodidades pode ser a chave do sucesso em tempos digitais.

Essa modalidade tem surtido efeito sobretudo no que diz respeito a empresas midiáticas. No final de 2018, 50% dos adultos de países ditos “desenvolvidos” tinham pelo menos duas assinaturas de veículos de comunicação. Até o final de 2020, um estudo da Deloitte Global aponta que o número deve dobrar: de dois para quatro veículos.

O valor dessas assinaturas, ainda segundo a análise da gigante, geralmente fica abaixo dos 10 dólares mensais. Em 2020, a expectativa é que o gasto mensal de um adulto com serviços de assinatura seja de aproximadamente 100 dólares.

Esses números são puxados por outras estatísticas impossíveis de serem ignoradas. As assinaturas de e-commerce, por exemplo, cresceram mais de 100% nos últimos cinco anos, com os maiores players do mercado arrecadando de 57 milhões de dólares em 2011 para 2,6 bilhões em 2016.

Quando o assunto é o e-commerce americano, o perfil dos assinantes é um pouco diferente: eles tendem a ter entre 25 e 44 anos, renda anual entre 50 e 100 mil dólares anuais e vivem em áreas urbanas.

Em 2018, os serviços de assinaturas prara compras online mais bem sucedidos em solo norte americano foram Amazon, Dollar Shave Club, Ipsy, Blue Apron e Birchbox.

Quem também abraça com força a modalidade de subscription é o mercado de entretenimento, que viu sua arrecadação crescer 5% em 2017, atingindo a impressionante cifra de 20,5 bilhões de reais.

Um levantamento conduzido pela Digital Entertainment Group mostrou que empresas que trabalham com assinatura para o streaming de vídeos e séries, como Netflix, Hulu e Amazon Prime abocanharam sozinhos, em 2017, 9,5 bilhões de dólares.

Os valores devem crescer e se diversificar à medida que novos conglomerados reivindiquem sua parcela neste sucesso. A Disney mesmo está à beira de lançar o seu próprio streaming, caminho que deve ser seguido pela WarnerMedia.

A mudança na comercialização deste negócio vai pedir também adaptação do conteúdo, e é aqui que entra o SXSW, que destinou cinco rodadas de conversas para analisar todas as vertentes deste mercado de assinatura online para entretenimento – sendo uma delas dedicada exclusivamente a analisar os cases de marketing para os chamados bingers, como são chamados os usuários que maratonam séries online.

Reportar

Gostou do post?

82 points
Upvote Downvote
Mentor

Escrito por Eloa Orazem

Sobreviveu ao retorno de Saturno, mas não o fez intacta: se (des)fez em pedaços ao longo do caminho, e agora tenta montar um quebra-cabeça pessoal que faça algum sentido. As dúvidas e as mudanças perdoam a carreira -- Eloá é jornalista há dez anos, e tem passagens por revistas, sites, televisão e rádio.

Anos de UoDUsuário VerificadoContent Author100 Posts Mr. Postman!

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0