A artista que sobreviveu a três campos de concentração e capturou seu trauma na arte

Ceija Stojka ficou foi transferida para cada um dos três campos de concentração quando tinha 12 anos – Auschwitz, Ravensbrück e Bergen-Belsen. Embora Stojka tenha sobrevivido à guerra, 90% de seus colegas austríacos e romanos Sintis (comumente e frequentemente e depreciativamente, conhecidos como ciganos) não sobreviveram. Esta pintura – da capa -, Ohne Titel (Sem título) (2003), é um relato raro e doloroso da experiência romani do Holocausto, contada quase 60 anos depois.

Ceija Stojka segurando um de seus quadros.

A exibição “Ceija Stojka. This Has Happened” no Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía de Madrid apresenta 140 pinturas e desenhos, além de fotografias, vídeos, livros e outros materiais documentais da e sobre a artista. A primeira exposição monográfica de Stojka na Espanha se destaca ao mesmo tempo com o partido Vox, o terceiro partido mais poderoso do país, de extrema direita – expandindo enorme influência política dentro do país.

Stojka tinha 10 anos quando foi pega, presa e deportada para Auschwitz. Nos anos em que a maioria das crianças está terminando o ensino fundamental e iniciando o ensino médio, Stojka foi submetida a sofrimentos e crueldades impensáveis nos campos. Nas pinturas que ela fez na sua vida adulta, reflete sobre esse período, a artista produziu enormes botas do SS, olhos de ódio nunca distantes e cães com sede da primeira reclamação (arte esquerda acima).

Stojka não é a única artista do Holocausto. Charlotte Salomon, Felix Nussbaum e Gela Seksztajn pintaram suas experiências em esconderijos, acampamentos e guetos antes de serem mortos. Enquanto esses artistas capturavam suas experiências à medida que ocorriam, Stojka se junta a David Olère, Boris Taslitzky e Léon Delarbre, artistas que retratavam os campos da morte após conseguirem sua sobrevivência. Mas, diferente dos outros, que eram treinados formalmente e, com frequência, artistas empregados profissionalmente, Stojka era autodidata. Ela reviveu suas memórias décadas depois de seu trauma e chegou à sua arte em seus próprios termos. E oferece um vislumbre das experiências muitas vezes esquecidas dos romanis e sintis, que não foram oficialmente reconhecidos como vítimas do holocausto até 1961 na Áustria, 1982 na Alemanha e 2016 na França.

Ceija Stojka, Where are our gypsies?, 1995.
Courtesy of the Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madrid.

As pinturas e os desenhos de Stojka são testemunhos angustiantes, comoventes e bonitos da criatividade humana na esteira do ódio. Stojka disse uma vez: “Receio que a Europa esteja esquecendo seu passado e que Auschwitz esteja apenas dormindo.” Hoje, à medida que a onda nacionalista insiste em mostrar seu rosto monstruoso em todo o mundo, a arte e o ativismo de Stojka parecem especialmente urgentes de destaque e relembrar do que o ser humano é capaz. — A artista descansou em Janeiro de 2013, na Vienna, Austria.

Default image
Julio Moraes
Julio Moraes é empresário e atua na área de estratégia e planejamento em Marketing & Digital há mais de 16 anos e conta com trabalhos em mais de 20 empresas nacionais e internacionais. Atualmente vivendo e trabalhando em Los Angeles e com trabalhos ganhadores do EMMY® - The Television Academy e indicados ao HFPA® Golden Globes.
Leave a Reply

Ad Blocker Detected!

Refresh