globo


Toda vez que vejo a palavra Metaverso por aí, acabo lembrando do velho Second Life, criado lá no século passado, em 1999 e que oferecia (e ainda oferece) justamente um ambiente tridimensional para as pessoas interagirem através de avatares.

Dava para sair voando de um lugar para o outro, dava para turbinar o visual e criar uma persona qualquer, dava para interagir com outras pessoas e objetos. Simplificando ainda mais: um game em que qualquer um poderia entrar, virar um dos personagens e viver digitalmente com autonomia, simulando a dinâmica da vida real.

Sem dúvida, o Second Life nasceu a frente do seu tempo e talvez por isso tenha permanecido estagnado por anos, sem ir muito além da proposta inicial de puro entretenimento.

Mas aí veio a pandemia e a quarentena.

E o que era um game virou… a vida. E de uma hora para outra, todo mundo passou a viver digitalmente. Com grande impacto na educação e no trabalho. E cada vez mais, no consumo. E, claro, marcas e agências começam a explorar as possibilidades.

O relatório “Into the Metaverse”

introdução do relatório

A Wunderman Thompson Intelligence lançou essa semana o “Into the Metaverse”, um relatório que explora novos comportamentos do consumidor, modelos de negócios e oportunidades de marca que estão surgindo conforme o metaverso toma forma.

O interesse pelo metaverso cresceu muito este ano – o número de pesquisas pela palavra aumentou mais de dez vezes entre 2020 e 2021, de acordo com o Google Analytics. Os meios de comunicação, incluindo o New York Times, o Washington Post e o Guardian, publicaram artigos investigando suas implicações. Empresas como a Epic Games, Microsoft, Facebook e SK Telecom anunciaram publicamente planos para construir mundos metaversos. Burberry, Coca-Cola e Visa são apenas algumas das muitas marcas que competem para fazer parte dela.

“Into the Metaverse” explora o que é o metaverso, como ele está mudando a vida das pessoas, novas oportunidades que estão sendo surgindo e por que as marcas precisam estar atentas.

“Estamos entrando na era do metaverso, onde nossas realidades virtuais e físicas convergem e operamos em uma realidade digital de nosso próprio mundo. Aqui, reproduzimos nossas rotinas, interesses e obsessões, desde escolher roupas para nossos avatares e carros para eles dirigirem, até construir casas virtuais ou buscar uma sociedade online mais justa e inclusiva. Nosso relatório oferece um vislumbre de como o metaverso está moldando nosso futuro.”

Emma Chiu, diretora global da Wunderman Thompson Intelligence e autora do relatório “Into the Metaverse”

Para compilar “Into The Metaverse”, a Wunderman Thompson Intelligence conduziu uma pesquisa quantitativa com mais de 3.000 consumidores nos Estados Unidos, Reino Unido e China (em julho de 2021), além de uma análise qualitativa para revelar a compreensão e as atitudes das pessoas em relação ao metaverso e identificar as implicações – desafios e oportunidades – para as marcas. A equipe também entrevistou 15 especialistas para suas interpretações do metaverso e insights sobre como ele irá reestruturar os negócios e as indústrias.

O relatório identifica impulsionadores globais, como a aceleração da tecnologia, a ascensão dos jogos e a batalha pelo poder no metaverso emergente entre empresas como Facebook, Roblox Corporation e Epic Games.

Principais Metatendências

Detalhando, ele também destaca as principais metatendências que impactam os consumidores por meio da criação de:

• MetaLives – caracterizado pelo aumento de posses virtuais, como arte digital e NFTs, a estreita conexão entre acesso digital e saúde e bem-estar, e o papel significativo que a tecnologia agora desempenha na criatividade. Os hábitos diários em todas as áreas de nossas vidas estão sendo transplantados para o reino digital e dando origem a estilos de vida estendidos – seja propriedade digital, encontrar amigos por meio da tecnologia, criação de conteúdo ativo ou recorrer à tecnologia para lançamento recreativo.

• MetaSpaces – caracterizado pelo surgimento e popularidade crescente de novos locais virtuais e pela ascensão de espaços virtuais/reais combinados. Com a evolução dos espaços de reunião tradicionais, isso está redefinindo o que casa, eventos e férias podem significar na meta-era.

• MetaBusiness – caracterizado pelo aumento recente e significativo no “gamevertising” e o surgimento de novas fronteiras de varejo. Embora os jogos tenham se tornado um playground onde marcas e profissionais de marketing podem se conectar com públicos frequentemente hiper-engajados, os negócios no metaverso estão crescendo – abrindo uma abundância de oportunidades, à medida que começamos a testemunhar experiências como as de compras automatizadas, hologramas e avatares em movimento.

• MetaSocieties – caracterizada por um aumento acentuado no interesse das pessoas em cultivar identidades hiper-reais online, o rápido crescimento das redes sociais de negócios e a promessa de futuros descentralizados. Essa realidade digital reflete os valores e padrões de nossas vidas físicas – por meio de redes sem fronteiras e utopias virtuais – com grupos defendendo causas sociais em seus corações.

Descobertas do estudo quantitativo incluem:

• A crescente dependência dos consumidores globais em relação a tecnologia: 76% dos pesquisados ​​dizem que suas vidas e atividades cotidianas agora dependem da tecnologia, aumentando para 79% na geração Z (16 a 26 anos) e 80% na geração Y ( 27 a 41 anos)

• A dependência de tecnologia agora engloba todos os aspectos da vida diária: 64% dos consumidores globais dizem que suas vidas sociais dependem disso; 61% que seu sustento depende disso; 56% que sua criatividade depende disso; 52% que sua felicidade depende disso; e 50% que seu bem-estar depende disso

• O digital está redefinindo as relações consumidor/marca: 62% dos consumidores afirmam que se sentem mais próximos ao interagir com uma marca digitalmente; 66% preferem se envolver com marcas digitalmente; 73% acham mais fácil interagir com marcas com presença digital; e 85% acreditam que a presença digital será essencial para que uma marca tenha sucesso no futuro

• O futuro será definido pela tecnologia: 93% dos consumidores globais concordam que a tecnologia é o nosso futuro.

• Apesar de tudo isso, apenas 38% dos consumidores globais já ouviram falar do termo “metaverso”

Naomi Troni, Diretora de Marketing e Crescimento Global, Wunderman Thompson diz: “Chegou a hora de parar de pensar no metaverso como um domínio exclusivo para jogos. Cada vez mais, com a indefinição contínua das linhas entre os mundos virtual e físico, acelerada dramaticamente por restrições sobre o que as pessoas podem fazer em espaços físicos impostas sob medidas para combater a disseminação do COVID-19, é um novo lugar social. E o que nosso novo relatório mostra é que o novo espaço social veio para ficar. As ferramentas e hábitos fundamentais que formam os blocos de construção do metaverso já estão estabelecidos. Apenas 38% dos consumidores globais podem ter ouvido falar do termo ‘metaverso’, mas agora é o momento de realmente definir o que é o metaverso e estabelecer um roteiro para a entrada das marcas. ”

Você pode baixar o relatório completo “Into the Metaverse” aqui.

Comente

Você também deve gostar destes