globo


A Taça das Favelas Free Fire, torneio de Free Fire entre favelas, está retornando com uma nova temporada. A edição de 2021 do campeonato criado e promovido pela Favela Esporte em parceria com a CUFA (Central Única das Favelas) prevê um volume de inscrições de mais de 200 mil jogadores e contará com 1296 seleções de favelas de todos os estados do Brasil. A premiação total esse ano será superior a R$100 mil, além de um bootcamp com a Loud para o time vencedor. A parceira é uma cocriação entre Cufa, Loud, Itaú e Druid, agência especialista em Business to Gamer que atende o banco – e é parte da campanha #IssoMudaOGame.

O projeto agora conta com o Itaú como patrocinador oficial, que viabilizará ações para promover o torneio e dará suporte aos times envolvidos, incluindo distribuição de chips de conexão de internet para todas as equipes que avançarem para as etapas estaduais, em um projeto inédito de inclusão digital e uma série de conteúdos sobre educação financeira e empreendedorismo no mundo dos games através de um bot de whatsapp.

A Loud, uma das organizações de eSports mais relevantes do momento, também participa do projeto como parceira oficial, apadrinhando o torneio e trazendo conteúdos inéditos sobre a Taça das Favelas Free Fire, além de promover um grande showmatch com os finalistas.

A parceria do Itaú com a CUFA, Loud e a Taça das Favelas é parte da campanha #IssoMudaOGame, movimento iniciado pelo banco para se aproximar do universo gamer e promover a transformação e impacto social por meio dos eSports. “Queremos nos conectar cada vez mais com as novas gerações, daí a aproximação com a comunidade dos gamers. E o relacionamento que estamos construindo com esse público começa com duas perguntas fundamentais: o que podemos aprender e o que podemos fazer para ajudar a transformar a vida dessas pessoas para melhor?”, diz Eduardo Tracanella, diretor de Marketing Institucional do Itaú.

“A Taça das Favelas foi um enorme sucesso na sua primeira edição de Free Fire. Agora temos novos parceiros, que nos ajudarão a fazer um campeonato ainda melhor”, projetou Marcus Vinícius Athayde, idealizador e diretor da Taça das Favelas Free Fire.
“Mais uma vez, vamos fazer história. Com tantos parceiros grandes e de credibilidade, esta edição da Taça das Favelas Free Fire tem tudo para ser gigante. Fazer coisas grandiosas e históricas já é praxe da Taça das Favelas, seja no campo ou no eletrônico”, celebrou Celso Athayde, idealizador da Taça das Favelas e CEO da Favela Holding.

A coprodução da Taça das Favelas Free Fire este ano fica a cargo da empresa LNK Gaming, e as etapas decisivas do torneio, assim como o showmatch com a Loud, serão transmitidas ao vivo nos canais oficiais da Taça das Favelas Free Fire e nos canais oficiais da Garena, parceira do projeto. “Estamos empolgados em ajudar os jovens a se conectarem com a produção de conteúdo, contando suas próprias histórias, além de receberem dicas de profissionais. Já o bootcamp ajudará os jogadores a treinarem em nível de competitivo profissional, os auxiliando a melhorarem suas jogabilidades e, quem sabe, identificar novos talentos para os torneios oficiais”, enfatiza Bruno Bittencourt, CEO da Loud.

“Trabalhamos o conceito gamer de comunicação do Itaú em cima do insight de conexão”, explica Cláudio Lima, CEO da DRUID. “Nos perguntamos: como uma pessoa que tem um smartphone conectado à internet pode realmente mudar sua vida, seja via game, música, tecnologia ou qualquer outra paixão que tenha, independe do lugar que esteja? A partir disso, nosso maior desafio foi conseguir retratar a variedade e pluralidade das favelas brasileiras em uma única campanha para contar uma história que fosse entendida e bem recebida por pessoas de todos os cantos do país e que tem uma coisa em comum: a paixão pela conexão e pelos games”, complementa.

Comente

Você também deve gostar destes