Escola mede índice de felicidade dos estudantes

A imposição da escolha por ingressar em uma universidade tem custado a saúde dos jovens e a qualidade do próprio aprendizado.
nbsp

Ano após ano, escolas do Brasil inteiro concentram esforços e direcionam seus recursos para emplacar bons resultados em avaliações como o ENEM e vestibulares. Porém, a prática de vender acesso ao ensino superior tem suas armadilhas. A escolha por ingressar em uma universidade deveria ser um objetivo do estudante, e não da escola. E a imposição desta escolha tem custado a saúde dos jovens e a qualidade do próprio aprendizado.

A competição é superestimulada. A maioria das escolas tradicionais está orientada para a exposição de conteúdos e realização de exames. Prática que condena o erro e que impõe grande estresse sobre os estudantes em desenvolvimento, acarretando problemas de desmotivação, ansiedade, baixa-autoestima e mais graves, como a depressão.

Consequentemente, uma escola voltada para o desempenho e para as melhores notas ignora aspectos fundamentais da educação, como os listados pela UNESCO: aprender a ser, aprender a fazer, aprender a viver com os outros e aprender a conhecer. Ou seja, as escolas supostamente transferem o conhecimento, mas não preparam para a vida.

Novos caminhos e novos parâmetros

Há lugares no mundo em que as escolas superaram estes modelos (que datam desde a era industrial). É o caso da Finlândia, que aboliu as notas, provas e séries. No lugar delas, estabeleceu a transversalidade do conhecimento, os objetivos específicos de cada aluno e a avaliação processual. Com isto, o país já alcançou as posições mais altas nas avaliações mundiais de educação.

Todas estas mudanças estão relacionadas com a busca inédita pelo bem-estar dos estudantes, com a qualidade do aprendizado, com a cooperação e com a felicidade do ser humano.

Esta escola de Jundiaí, no interior de São Paulo, que há três anos também transformou sua prática e construiu sua própria metodologia, agora passou a adotar a Felicidade Interna Bruta como indicador para o sucesso e qualidade.

No último mês de outubro, disponibilizou para todos os seus estudantes uma pesquisa com cerca de 30 questões, em que cada um deveria avaliar em escala de 1 a 5 (em que 1 é pouco e 5, muito), os seguintes parâmetros: Ambiente de Confiança, Bem-Estar Físico, Social e Ambiental, Oportunidade de Crescimento e Desenvolvimento e Pertencimento, Participação e Liberdade Para Fazer Escolhas.

Veja abaixo os resultados obtidos:

nbsp
felicidade interna bruta 

De acordo com a escola, como primeiro resultado, não poderiam estar mais FELIZES. “Agora temos parâmetros concretos para perseguir e aprimorar com trabalho. A felicidade dos alunos é sentida nos seus projetos, nas suas conquistas, nas relações e no envolvimento de todos”, enfatiza o grupo de educadores responsáveis pelo projeto.

* Responda você também ao Felicitômetro neste link e descubra o quanto a sua escola te faz feliz.

André Medeiros

Jornalista, pai da Cecília, do Vinícius e do Eduardo, membro da equipe pedagógica do Colégio Santa Felicidade. Co-criador da plataforma Colmeia Ambiente de Aprendizagem.

post anterior
nbsp

Sorvete de Chocottone, Lasanha de Chester, Panettone de Banoffee. As edições limitadas de fim de ano

próximo post
nbsp

Uma hiena ao som de “smile”. Confira o 1º comercial de Natal da Prime Video (UK)



relacionados