Jonathan Larson (Andrew Garfield) é um compositor prestes a completar 30 anos e vivendo todas as nuances de crise da véspera: trabalha há anos em um musical, mas ainda não conseguiu emplacar nada; não quer abandonar seus sonhos, só que não dá pra pagar o aluguel com fantasia. Ama a namorada, embora sua concentração no trabalho seja tanta que ele mal tem tempo de conversar. 

tick, tick…BOOM! (2021) é a biografia desse personagem que acreditava muito que poderia viver de música. E Jonathan Larson não só fez sucesso na Broadway, como revolucionou a forma de criar musicais com a sua obra-prima, Rent. O espetáculo ficou 12 anos em cartaz e até hoje é referência para qualquer criação que envolva o gênero. 

Os musicais tem seus fãs, mas tick, tick…BOOM! pega na veia justamente quem torce o nariz pra eles. 

A trilha sonora é uma delícia. Em vez das músicas complexas, orquestrais, Jonathan Larson carrega a sua história com o que há de melhor no pop. O filme também não usa cenários espalhafatosos. Ao contrário, o bom em tick, tick…BOOM! é justamente aproveitar do que há de mais banal, mais cotidiano – como um café da manhã de domingo em uma lanchonete qualquer – pra extrair a magia da vida através da música. 

O filme joga seus os refletores para o momento onde Larson finaliza o primeiro trabalho, Superbia, uma distopia sci-fi que fala de um universo distante da vida do próprio compositor. Deu errado. O conselho que mudou tudo? Escreva o que você conhece. 

A estrutura não adapta diretamente a versão teatral, mas faz uso dela como uma espécie de cola para ligar todos os pontos pra tirar aquela sensação de que, do nada, as pessoas começam a cantar. Os números musicais são orgânicos, carismáticos e totalmente conectados à vida de um cara gente boa e cheio de criatividade como Larson era. 

Para fazer música sobre açúcar, esse personagem precisa mesmo ter um compromisso muito otimista com a própria trajetória. E aí que a ótima atuação de Andrew Garfield faz diferença. No filme, Larson não é um chato. E o ator realmente está se divertindo muito em cena. 

Lin-Manuel Miranda, o diretor de Tick, tick… boom!, atuando em Hamilton

Lin-Manuel Miranda, vencedor do Pulitzer e do Tony, estreia na direção com tick, tick…BOOM!, já é um ícone dos palcos. Hamilton, o recente sucesso da Disney foi feito por ele. 

A mão do diretor não pesa, mas também abranda alguns bons momentos dramáticos que Jonathan Larson viveu, como assistir a morte de muitos amigos em plena epidemia da AIDS, no comecinho dos anos 90.

Isso nem de longe atrapalha. tick, tick…BOOM! é uma exaltação a uma figura lendária da cultura norte-americana, e sobre como narrar de uma forma cativante um clichê que ronda uma porção de histórias: não desista.

Aos 30 anos, em plena crise, Larson está cheio de dúvidas se levar a vida como se morasse dentro de um musical parece ridículo. 

Aos 31, é provável que a lição seja mais clara: é ridículo. 

E daí? 

Leonardo Simões

Redator e Social Media, trabalho com conteúdo e propaganda. Na Adventures.Inc, atuo como Associate Creative Director. Gosto de cinema, show e teatro. No Update or Die! escrevo a série "A Publicidade Vai Ao Cinema" e também sobre outros temas e referências.

Sugestões Nessa Categoria