nbsp

Kobra Auto Retrato

Kobra Auto Retrato foi escrito e dirigido por Lina Chamie, o documentário mostra a singularidade do artista entre formas e cores.

TikTok

Lembro que na adolescência, no bairro onde eu morava, vez ou outra apontavam um muro desenhado onde residia uma assinatura: Kobra. Não lembro da arte, mas lembro que no momento em que dirigiam o olhar e a palavra, tinha um quê de orgulho e surpresa. Quando mais velho conheci efetivamente o trabalho do muralista refleti se a memória que eu carregava residia apenas em mistura de fatos mas, sabendo hoje de que éramos de bairros próximos, o grafite poderia ter sido mesmo dele.

Em uma noite de insônia, Kobra revê sua vida desde a infância difícil na periferia até o sucesso mundial como muralista. Os acontecimentos se desenrolam entre a realidade e o sonho. Nessa trajetória de vida, do grafite ilegal nas ruas de São Paulo até pintar grandes murais em mais de 30 países, Kobra, um artista singular que representa tantos outros em suas batalhas, passa a entender a arte de rua como voz política e democrática.

No trailer temos algumas falas que expõe uma busca do amadurecimento artístico e do reconhecimento do processo que conclui na alegoria de suas pinturas como auto retrato. 

Formado por suas próprias experimentações e pesquisas, inspirado em artistas como Bansky, Keith Hering e Diego Rivera, é possível acompanhar sua história de amadurecimento e processo por meio de um tour de obras onde muitas ainda estão presentes nos seus espaços de origem. 

Desde projetos que contam a evolução técnica como o “Muro das memórias”, com representações fotorealistas de uma São Paulo antiga em tons de sépia ou preto e branco, ainda sem as cores e formas geométricas características, passando pelo maior mural grafitado do mundo com 5742 metros quadrados, já com sua identidade consolidada, em homenagem ao chocolate, até projetos que apresentam um diálogo com reflexões de mazelas e causas, como em “Greenpincel” que advoga sobre pesca predatória e exploração de animais entre outras e “Olhar a Paz”, exaltando personalidades que representam uma cultura de prosperidade a não violência entre elas Malala Yousafzai, Einstein, Gandhi e Anne Frank.

Assim, o documentário pinta seu próprio mural sobre um dos maiores representantes da arte de rua em atividade no mundo.

Lucas Röttgering

Tudo pode ser referência e gerar valor, desde que se eduque o olhar.

Publicitário e Designer, teve sua própria consultoria para PME da economia criativa, colabora no projeto e portal sobre transformação do negócios Estratégias que Transformam e é mentor voluntário na Aliança Empreendedora.

1 comment
  1. Muito bom, parabéns Eduardo kobra , realmente és exemplo para muitos, desejo sucesso cada vez mais 👏👏🖌️🎨

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

post anterior
nbsp

Com Messi e Luva de Pedreiro, Pepsi lança campanha global inspirada na Copa

próximo post
nbsp

Burger King lança Shake Laka e BK Mix Laka Oreo 

relacionados