Grandes ideias latinas: todos os Grand Prix do El Ojo 2022

Brasil teve três dos 21 Grand Ojos distribuídos pelos júris
nbsp

Na última semana aconteceu, em Buenos Aires, o El Ojo de Iberoamérica 2022 – principal festival de criatividade e propaganda da região. Em três dias, além de diversas palestras e painéis de discussão, foram avaliados centenas de trabalhos da América Latina, Portugal, Espanha e mercado hispânico dos Estados Unidos, em 21 categorias.

Muitos já são conhecidos do público ou ao menos da indústria da publicidade, por terem se destacado em festivais globais de criatividade. Outros estrearam por lá, e devem ser boas apostas para as premiações internacionais do ano que vem. Todos são inspiradores e vale dar uma olhadinha para mexer no seu critério criativo. :)

Abaixo, a lista dos Grand Ojos, o Grand Prix do El Ojo, por cada categoria, junto de uma breve descrição. Vale destacar que o Brasil levou um total de 90 troféus, sendo 3 Grand Ojos, 17 de ouro, 18 de prata e 52 de bronze.

Experiencia de Marca & Activación, Melhor Ideia Latina para o Mundo e Tercer Ojo
“Campeonato de pesca de plástico”, da We Believers (EUA) para Corona (AB Inbev)

Imagine um campeonato global de pesca, com os melhores pescadores do mundo e prêmios em dinheiro aos vencedores. Mas em vez de peixe, eles deveriam pescar: plástico! Com a iniciativa da Corona, que tem longa conexão com ações sustentáveis ligadas aos oceanos, a marca incentivou a retirada de dezenas de toneladas de plástico dos mares em apenas dois dias. Além disso, realizou uma conexão definitiva entre os pescadores e ONGs de reciclagem, para que o trabalho continue acontecendo e gerando renda extra a quem vive do mar. O case rendeu à agência três Grand Ojos: de Experiência de Marca, Melhor Ideia Latina para o Mundo e o Tercer Ojo, que destaca ideias inovadoras e de extrema criatividade, independentemente de seu formato.


Media e Radio & Audio
“Narradores indígenas”, da We Believers (EUA) para Corona (AB Inbev)

O México é um país apaixonado por futebol. E apesar de ter o espanhol como idioma oficial, o volume enorme de povos originários faz com que haja outras 68 línguas nativas – e, para muitas dessas pessoas, o único que se fala e entende. Com isso, moradores de aldeias remotas, que só tem seu rádio como meio de comunicação com o mundo externo, não podiam acompanhar os jogos de futebol da seleção, por não compreenderem o espanhol. Para minimizar esse impacto, a Corona fez uma seleção de “narradores indígenas”, encontrando representantes das diferentes origens e línguas para serem contratados e narrarem os jogos em comunidades afastadas – levando um dos dois Grand Ojos de Media, e o de Radio & Audio.


Gráfica e Producción Gráfica
“México no artificial”, da We Believers (EUA) para Burger King

Mais um Grand Ojo para o Burger King, de agência e mercado diferentes. Para reforçar que seus produtos não tem ingredientes artificiais, a rede mudou o padrão clássico dos ensaios fotográficos para essa campanha, fugindo de clientes “artificiais” e indo atrás daqueles de verdade. Com isso, contratou fotógrafos para registrar pessoas que saíam com seus pacotes das lanchonetes e paravam ali por perto para comer, vida real. Os cliques levaram o GP da categoria Gráfica.

Film
“Even more confusing times”, da David Madrid para Burger King

No ano passado, o Burger King brilhou com o comercial “Confusing times”, em um bela produção e excelente roteiro, unindo sarcasmo e bom humor, para falar como algumas coisas ficaram confusas na Pandemia – e como também era confuso o Impossible Burger, lançamento da rede que não tem carne, mas tem sabor de carne. Para este ano, outra obra prima, que segue o mesmo conceito e vende o nuggets de frango que… não tem frango. Confuso?


Via Pública
“Bihar”, da LLYC Madri para Fundação BBK da Espanha

“Bihar” (“Amanhã”, em Basco) já coleciona alguns trabalhos ao redor do mundo. Para atrair atenção sobre a crise climática e nossas ações de forma simples e bem impactante, a Fundação BBK, da Espanha, convidou um artista para criar uma cabeça gigante e extremamente realista, instalada em um dos rios de Madrid. De acordo com a subida e descida da maré, o rosto ia emergindo ou submergindo na água, gerando um impacto visual poderoso.


Digital & Social
“The eye tracker”, da De La Cruz Ogilvy (Porto Rico) para SuperMax (Porto Rico)

Porto Rico é um dos destinos que mais sofrem com furacões durante o ano. E sempre que o alerta aparece, as pessoas costumam correr desesperadas para os supermercados para um estoque de emergência – muitas vezes comprando mais do que precisam e deixando muita gente sem itens básicos. Neste trabalho, a rede de varejo online SuperMax fez uma parceria com o Google e o Centro Nacional de Furacões para desenvolver um sistema baseado em dados que entende os locais e força dos desastres, indicando os itens que as pessoas realmente vão precisar comprar – e permitindo que elas comprem online. Com isso, diminui-se o caos nos mercados e, principalmente, a chance de alguém ficar sem artigos essenciais.


Media
“Marz Edition”, da Africa (Brasil) para Heinz

A área de Media definiu dois Grand Ojos nesta edição do festival. Um, como você deve ter visto lá em cima, foi para “Narradores Indígenas”. O outro, para um trabalho brasileiro para Heinz, que resolveu fazer uma edição limitada de ketchup com tomates cultivados em… Marte! Ou o mais perto disso. Foram 3 anos desenvolvendo, junto com cientistas, o ambiente mais próximo com o clima e condições do planeta vizinho, reproduzindo o solo terrestre presente lá por meio das amostras existentes, bem como umidade, temperatura etc. O trabalho rendeu não só a maior exposição de mídia da história da marca, mas também uma série de estudos científicos originais, que poderão ajudar a entender como realmente cultivar alimentos por lá.


Directo
“Cartas por uma ley”, da BBDO Chile para Fundação El Herbólogo

A cannabis é proibido no Chile, como em tantos outros países. Mas, para pacientes com Parkinson, entre outras doenças, suas propriedades medicinais são as mais eficazes para um tratamento decente. Tentando chamar atenção para a causa e conseguir a liberação dos ativos, a Fundação El Herbólogo, que atua com cannabis medicinal, pediu para que os pacientes escrevessem duas cartas idênticas para as autoridades responsáveis: uma sem estar em tratamento – e com tremores e outros sintomas descontrolados – e outra após serem medicados. A diferença gritante, registrada em fotos e minidocumentário, foi o suficiente para que o artigo que difere o tráfico do uso medicinal da maconha fosse considerado na nova constituição chilena.


PR
“Jatobá Refugiado”, da Africa (Brasil) para APIB

Segundo a definição da ONU, um refugiado é “Qualquer ser vivo que é perseguido e tem sua vida colocada em risco em seu país de origem”. Então, isso cabe perfeitamente (e infelizmente) para nossas árvores, certo? Usando o argumento para chamar a atenção do mundo sobre os crimes ambientais sofridos no Brasil, a APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil) resolveu transformar um enorme jatobá em um refugiado, pedindo asilo e segurança em outro país. O movimento ganhou ainda mais força quando a Noruega aceitou nossa árvore nativa em seu território, rendendo à Africa o Grand Prix de PR do El Ojo 2022.


Design
“(Re)Constituição Portuguesa”, da FCB Lisboa para Penguin Books Portugal

Portugal sofreu uma ditadura sangrenta de 40 anos e, junto com ela, repressão e censura. Um dos ícones da época foi o lápis azul que cortava dos jornais e publicações conteúdos não aprovados pelo regime. E para celebrar o 50º aniversário do fim desse período, a Penguin Books lançou o projeto “(Re)Constituição Portuguesa”, onde poetas do país foram convidados a criar obras usando as palavras presentes no livro da constituição, usando a técnica de “Blackout poetry” – quando você destaca ou esconde palavras de um texto já existente para dar-lhe outro significado. As novas páginas ganharam ainda ilustrações feitas apenas com o lápis azul, que em outros tempos era sinal de repressão, e se transformaram em um livro de arte – que inclusive se tornou peça de museu.


Sustentable
“Morning after island”, da Ogilvy Honduras para Grupo PAE

Em Honduras, não só o aborto, mas até a venda de pílulas do dia seguinte é proibida, por ser considerada crime contra a vida. Buscando a evolução do conceito junto aos órgãos reguladores, o Grupo PAE, que advoga por direitos da mulher no país, criou a “Ilha do Dia Seguinte”, uma pequena estrutura instalada em alto mar, no limite de onde as leis hondurenhas já não são mais aplicadas, para levar mulheres que gostariam de tomar a pílula sem cometer crimes. A ação foi amplamente discutida  na imprensa e levou o grupo a se encontrar com a presidente de Honduras, que transformou o pedido de descriminalização da pílula em projeto de lei.


Innovacion
“Piñatex”, da L&C Nova York para Dole Sunshine Company e Ananas Anam

Unindo a busca por um material sustentável para a produção de vestuário e calçados – em alternativa ao couro e ao plástico – e a diminuição de desperdícios em produções agrícolas, uma agência, uma empresa de alimentos e outros players da indústria chegaram ao Piñatex. Ao analisar o potencial das folhas de abacaxi em se tornar uma fibra resistente e passível de ser transformada em tecido, e que até então era totalmente descartada, a união criou uma matéria prima que garante ser 100% vegana, livre de crueldade animal e sustentável – uma vez que, depois de virar roupa ou outro artigo, ainda pode voltar ao ambiente como adubo. E além de tudo, gerou-se um novo negócio, com marcas como Nike, H&M e Hugo Boss como clientes.


Creative Data
“Data Tienda”, da DDB México para Wecapital

Milhões de mulheres no México não podem fazer financiamentos, empreender ou até mesmo estudar por não ter crédito disponível e, principalmente, por não ter um histórico bancário que geraria esse crédito. Tentando minimizar o problema com criatividade e uso básico de dados, a Wecapital foi atrás de uma das referências de crédito mais básicas e tradicionais: as cadernetas de controle das lojas de bairro, lideradas por pessoas que conhecem a credibilidade de seus clientes e tem tudo ali, muitas vezes na ponta do lápis. No sistema criado, mulheres podiam indicar 5 comércios locais que, ao dividir com o banco os registros de crédito, geravam informação suficiente para um score que tornasse empréstimos e financiamentos possíveis – tudo isso usando basicamente o Whatsapp.


Contenido

“This is not America”, da Sony Music

Em 2019, um dos clipes de maior sucesso do mundo (e dos festivais criativos) foi “This is America”, crítica social de Childish Gambino sobre os Estados Unidos. No início de 2022, o rapper Residente, de Porto Rico, lançou “This is not America”, com imagens ainda mais fortes e mais críticas aos EUA – afinal, todos nós, da região, também somos americanos. O trabalho, unindo letra, roteiro, produção e execução, conquistou para a Sony Music o Grand Ojo de Contenido.


Eficacia
“Invaluable Food”, da Leo Burnett Espanha para Madrid Fusion

Madrid Fusion é uma das mais tradicionais feiras de gastronomia da Espanha. Mas sem verba para comunicação, eles decidiram entender o que tinham de maior valor para oferecer a uma das maiores celebridades globais, em troca de tê-lo como garoto-propaganda sem qualquer suporte financeiro. E foi pelo estômago que a iniciativa fisgou ninguém menos que Robert De Niro, que aceitou trocar sua imagem por um menu degustação único, criado só para ele, por cinco dos chefes mais premiados e reconhecidos do mundo. O resultado efetivo do case rendeu à Leo Burnett Espanha o GP de Eficacia.


Producción Audiovisual
“Trayectória”, da TBWA\Espanha para a Cruz Vermelha da Espanha

O Grand Ojo de Produção Audiovisual foi para o filme “Trayectória”, da Cruz Vermelha espanhola. O trabalho, de 2 minutos de duração, mostra um jovem sendo assassinado em frente a uma boca de fumo, na periferia, e como essa bala, apesar de “parar” na cabeça dele, segue uma triste trajetória que impacta a vida de outras dezenas de pessoas – e, nesse caso, fecha o ciclo de forma sarcástica.


Producción de Audio & Sonido
“Postpartum Under Pressure”, da Dark Kitchen Creatives (Brasil) para Baby Dove

Em mais um Grand Ojo brasileiro, este filme é inspirado na clássica música de David Bowie para contar, de forma real, os apuros que mulheres enfrentam no puerpério, da depressão pós-parto à falta de apoio em diversas tarefas. A trilha foi regravada especialmente para o filme, por uma cantora também recém-mãe, e as imagens são de mães e filhos reais, dando maior veracidade ao trabalho. A produção do filme é da MyMamma e de som da A9.

Karan Novas

Falo, leio, escrevo, produzo e acompanho tudo que dá sobre criatividade, propaganda, marketing e conteúdo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

post anterior
nbsp

The Uncensored Library: uma luta pelo jornalismo livre

próximo post
nbsp

Daniel Craig dança e Taika Waititi dirige por Belvedere Vodka

relacionados