in ,

Com nova narrativa, Shazam! é uma ótima surpresa do universo DC

U$ 158 Milhões no final de semana de estreia

Apesar do sucesso do filme Aquaman (que se tornou o longa da DC com maior arrecadação mundial, totalizando U$ 1,14 bilhão) que estreou ano passado, Shazam! ainda era uma grande dúvida para os estúdios Warner. Primeiro ator a interpretar um herói no universo da DC nos cinemas sem ter sido escolhido por Zack Snyder (diretor dos filmes Batman vs Superman e Liga da Justiça), Zachary Levi, o Shazam, já possuía experiência em um papel de super-herói (ele foi o Fandral dos filmes do Thor) e séries de comédia, como Chuck, e recaia a ele a grande responsabilidade de representar o longa de um super-herói pouco conhecido pelo grande público.

O personagem Shazam foi criado em 1939, com o nome de Capitão Marvel, pela finada editora de quadrinhos Fawcett. Um dos motivos da popularidade do herói na época era seu alter ego: Billy Batson, uma criança, que adquiria a aparência de mais velho e seus superpoderes ao gritar ‘Shazam!’. Na época, a maior parte dos super-heróis já era adulta, e os personagens mais novos eram vistos somente como sidekicks. Entretanto, essa popularidade incomodou a DC em 1941, que processou a editora por conta das semelhanças notáveis entre Shazam e Superman (poderes de super força e velocidade, além das feições e uso de capa), que foi criado em 1938, e eventualmente acabou adquirindo os direitos do personagem por conta da falência da editora decorrente do processo judicial.

Capas originais das primeiras edições de Superman e Capitão Marvel.

Crise de identidade
Quando a DC finalmente obteve direito sobre o personagem Capitão Marvel, a Marvel (criada em 1961) já havia dado vida ao seu próprio Capitão Marvel: Mar-vell, da raça Kree, em dezembro de 1967. Por conta disso, a DC lançou seu recém-adquirido super-herói na revista Shazam, porém mantendo o nome Capitão Marvel.
Entretanto, diversos outros personagens (como a própria Capitã Marvel, que ganhou um filme solo em Março) foram inspirados pelo Capitão Marvel original. E para homenageá-lo e todos os outros personagens criados a partir dele, o famoso desenhista Alex Ross, conhecido traço realista, homenageou a todos por meio de uma ilustração intitulada “Echoes of Shazam!” (Ecos de Shazam!).

Ilustração de Alex Ross, divulgada pela Nerdist.

A arte inclui não só personagens que eventualmente adquiriram o nome “Marvel”, mas também outros que foram imensamente influenciados pela sua criação (como He-man, Thor, Ultraman e outros).

Crítica com Spoilers
Em seu final de semana de estreia, Shazam! arrecadou U$ 158 Milhões mundo afora, um desempenho considerado ótimo (uma vez que o filme teve orçamento aproximado de U$ 100 milhões). Entretanto, tendo em vista as boas críticas pelo enredo empolgante, é provável que ele lidere as bilheterias com folga até a estreia (dia 25/04) de Vingadores: Ultimato.
O filme conta com o tom mais humorístico do universo cinematográfico da DC, e possui incontáveis referências dos quadrinhos e produtos da editora no decorrer da trama. A narrativa da jornada de Billy (Asher Angel) e o fato como ele encara a busca pela sua mãe biológica, após ter se perdido dela muito novo e mudado de lar adotivo para lar adotivo no decorrer dos anos, é explorada sem demagogia: não existe um final feliz nesse quesito da trama, apesar de contar com uma resolução real. Esse, inclusive, é um dos pontos mais assertivos do filme: criar um longa que crianças (especialmente entre 10 e 15 anos) que poderão se relacionar tranquilamente com o herói, fugindo de alguns clichês. Shazam! conversa com esse público de igual para igual, sem medo de abusar das cenas de comédia, porém em nenhum momento trazendo uma visão simplista de questões sérias do ponto de vista de um garoto.
Outra característica da produção que vale a pena ser ressaltada é sua família adotiva: Freddy Freeman (Jack Dylan Grazer) é quem mais se aproxima do herói, porém Darla Dudley (Faithe Herman), a irmã mais nova e incrivelmente alegre, rouba a cena diversas vezes trazendo a personagem mais amorosa de toda a família. Os outros irmãos Mary Bromfield (Grace Fulton), a irmã mais velha prestes a ir para a faculdade e a mais responsável, Eugene Choi (Ian Chen), viciado em vídeo games, e Pedro Peña (Jovan Armand), de personalidade mais introspectiva, também ajudam a construir o senso de família por conta das características únicas e passagens que complementam uma a outra.

Um dos aspectos bem explorados do filme é a definição de família.

Freddy inclusive chega mais longe ao explorar sem meias palavras a frustração por ser deficiente e em como a condição de Billy o faz sentir ainda mais marginalizado da sociedade. Apesar disso, o final do enredo mostra que o personagem foi crucial para o desenvolvimento de Shazam em aceitar a responsabilidade de fazer parte de uma família, que no final do terceiro arco divide seus poderes com seus irmãos a fim de derrotar o vilão Dr. Silvana (Mark Strong), que libertará os 7 pecados capitais em forma de demônios para obter um poder mágico que lhe foi negado quando criança.
Baseado no arco original dos quadrinhos dos novos 52, o roteiro do filme tenta balancear cenas de ação e comédia, porém deixando um sentimento de que os poderes do Shazam em suas lutas poderiam ter sido melhor explorados (o que talvez aconteça em uma continuação, que foi oficializada pelo roteirista do primeiro filme Henry Gayden, via The Wrap). Uma das passagens que também deverá ser explicada em relação aos seus poderes é a falta da “Inteligência de Salomão”, a qual Billy deveria possuir conforme mencionado pelo mago Shazam (Djimon Hounsou, o Korath de Guardiões da Galáxia e Capitã Marvel) ao receber seus poderes.
Apesar disso, o filme entrega um filme balanceado e uma grande estreia para Shazam!, que toca em assuntos delicados com visão de uma criança da atualidade e consegue divertir a audiência com grande facilidade.

Adão Negro
O longa também faz referência ao Adão Negro, que futuramente será interpretado por The Rock (Dwayne Johnson) em um filme solo. O ator inclusive publicou via Instagram comemorando o sucesso de Shazam nos cinemas.

The Rock, que interpretará o Adão Negro em um futuro filme da DC, comemora o sucesso de Shazam.

O “primeiro campeão” foi quem originalmente trouxe os sete pecados capitais para o mundo em sua busca por vingança, e acabou sendo corrompido pela mesma. A trama também será adaptada do arco dos quadrinhos dos novos 52, onde o personagem Teth-Adam é um escravo da nação fictícia de Khandaq (vizinha do Egito, ao norte da África) e busca retaliação pelo seu povo escravizado.

Cena pós-créditos
Apesar de contar com duas cenas pós-créditos, somente a primeira faz referência a uma possível continuação do longa (a segunda é uma piada relacionada a capacidade do Aquaman em se comunicar com peixes), trazendo um dos principais vilões do herói: o Senhor Cérebro, uma centopeia que veio do planeta Vênus e possui a habilidade de controlar mentalmente seus oponentes, além de contar com um intelecto genial.

O filme Shazam! é um novo rumo em relação aos futuros filmes da DC, que passa por uma reformulação de parte do elenco (com as aparentes saídas de Ben Affleck como Batman e Ezra Miller como Flash), e que com certeza pode aproveitar explorar de forma elaborada possíveis desdobramentos de seu universo cinematográfico. O novo filme é uma aparente experiência bem sucedida e não cria a comédia pela comédia, criando um vínculo real entre o espectador a quem é direcionado e seus personagens em um mundo que não deixa de ser real, só um pouco mais colorido.

Reportar

Mentor

Escrito por Estevan Sanches

Publicitário, movido por tentar compreender as diferentes relações sociais que movem o nosso mundo. Membro no conselho do Centro Acadêmico 4 de Dezembro da ESPM.

Anos de UoDContent Author100 Posts Mr. Postman!Votador!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Gostou do post?

94 points
Upvote Downvote