Documentário da Netflix aborda a misteriosa vida de Robert Johnson

nbsp

A história é quase um folclore nos Estados Unidos, Robert Johnson foi um dos grandes nomes meteóricos do Blues da década de 30, e criou músicas que influenciaram o que seria o Rock ‘N Roll – até hoje com músicas que foram reinterpretadas por Red Hot Chili Peppers, Led Zeppelin e Rolling Stones, além de diversas bandas.

Led Zeppelin – Travelling Riverside Blues

Mas o músico tem uma uma história que, por falta de boa documentação, deixam aberto um misticismo sobre sua vida e carreira. Começou de modo, como alguns diriam, medíocre com pouco destaque em suas músicas e sem grande potencial de evolução.

Por causa disto o músico desapareceu por um ano e meio e, sem aviso algum, Johnson retorna para os palcos de blues como se fosse a única pessoa do planeta a utilizar de técnicas e estilos que ninguém antes tinha ouvido, ou sequer poderia imaginar que o fariam de uma lenda para a música mundial.

Essa mudança abrupta, além de uma história de vida misteriosa e um falecimento precoce aos 27 anos, levou a história de Robert Johnson ser contata de diversas maneiras com o tempo. A mais famosa sendo contada até hoje, o musico teria feito o pacto com o devil para se tornar um músico melhor, e isto lhe custou a vida aos 27. – E é neste conto popular que a Netflix lança novo documentário ReMastered: Devil at the Crossroads, abordando com o máximo de fatos, a vida de Robert Leroy Johnson.

Pouco ajuda quando vemos alguns títulos de música como “Me and The Devil“, “Hellhound on My Trail” e “Cross Road Blues“, mas o fato é, Johnson é um dos melhores músicos de sua geração (e bem à frente), além de contar com uma história significante que – quem sabe com o tempo – possa ser contada de modo completo e sem tanta “magia” envolvida.

Caso quiser se preparar para o documentário, ouve essa lista no Spotify:

E você também já pode salvar na sua lista para assistir, clicando aqui. O doc estreia no dia 26 de Abril na Netflix.

Julio Moraes

Julio Moraes é executivo da área de estratégia e criativo em marketing, digital e entretenimento há mais de 17 anos, tem na bagagem trabalhos em mais de 20 empresas nacionais e internacionais de diversas áreas. E hoje, vive e trabalha em Los Angeles, como Executive Creative Director, e leva na mochila prêmios como Critic's Choice Awards, EMMY® e OSCARS®, além de indicados ao Golden Globes® e BAFTAS®.

post anterior
nbsp

Red is The New, ação traz o consumidor como o Striding Man de Johnnie Walker

próximo post
nbsp

Mark Zuckerberg agora tem um podcast

relacionados