in ,

O que significa ‘Privacidade’ para a Apple, o Facebook e o Google?

As gigantes techs estão agora firmes: Todos concordam que privacidade é uma coisa boa, que o governo deveria protegê-la e que você pode confiar neles para respeitá-la.

A questão é que cada empresa define a privacidade de maneira diferente e enfatiza os diferentes trade-offs na entrega. Vamos falar de maneira simples o que privacidade significa para cada empresa, e você vai ver que tudo não dependerá deles.

Para a Apple, a privacidade é, primariamente, sobre como manter seus dados pessoais entre você e seu dispositivo.

  • A Apple estava fazendo seu caso muito antes da recente onda de escândalos de privacidade e vazamentos de dados. O trabalho foi feito e construído graças a reputação do Mac de ser mais seguro que o Windows, e de uma criptografia forte no nível do dispositivo que é incorporada à maioria dos iPhones.
  • Também ajuda que os lucros da empresa provenham principalmente da venda de hardware em vez de vender anúncios, que são direcionados com base nos dados do usuário.

Ok, mas: Os usuários sequer pensam onde seus dados são armazenados, e o argumento de vendas da Apple pode se tornar cada vez mais irrelevante à medida que a nuvem se torna ainda mais confusa e se mistura com a privacidade no hardware.

  • Muitos usuários fazem backup de seus dispositivos iOS no iCloud da Apple. Embora a Apple normalmente não acesse esses backups, (ao menos no US) ela os fornecerá à justiça com uma ordem judicial.
  • Além disso, a Apple começou a divulgar uma mudança na receita de serviços, o que a colocará mais no mesmo jogo que o Facebook e o Google jogam.

Para o Facebook, a privacidade significa, primariamente, limitar quem pode ver o que você envia ou envia.

  • Em destaque com toda a problemática sobre privacidade com seu CEO Mark Zuckerberg, a rede social está incentivando os usuários a mover suas interações da “praça de conversa” de perfis e páginas públicas, para uma “sala digital reservada” de grupos privados.
  • A empresa também está se comprometendo com a criptografia de cada um dos seus três serviços de mensagens – o Facebook Messenger, o Instagram e o reforço do já criptografado WhatsApp.

Ok, mas: A abordagem do Facebook à privacidade mal leva em conta a preocupação maior de usuários e críticos, que é o quanto o próprio Facebook sabe e compartilha sobre eles (especialmente para empresas) – e o que mais querem é a privacidade do próprio Facebook.

  • A criptografia protege apenas mensagens diretas, não postagens compartilhadas em grupos e em perfis de acesso limitado. Focar só nisto, não vai resolver os outros 90% dos problemas.

O Google agora está enfatizando a privacidade como uma opção que você pode escolher utilizar de modo fácil.

  • A nova agenda de privacidade do gigante das buscas, divulgada algumas semanas atrás, oferece aos usuários uma série de configurações que permitem aos usuários limitar ou desativar a coleta e a retenção de dados pessoais do Google. Também está prometendo limitar o uso de dados de sensores pelos anunciantes da crescente linha de hardware da empresa.
  • O CEO Sundar Pichai enfatiza que a coleta de dados é o que torna os serviços do Google úteis, como quando o Google Maps sabe onde “lar” é para você ou quando a agregação de dados de tráfego anônimos mostra o quanto seu deslocamento é ruim hoje.
  • Segundo Pichai, apenas “um pequeno subconjunto de dados ajuda a veicular anúncios relevantes e que fornecem a receita que mantém os produtos do Google gratuitos e acessíveis“, e “se receber uma experiência personalizada de anúncios não for útil, você poderá desativá-la.

Ok, mas: A maioria dos usuários nunca se preocupou em alterar as configurações padrão. E o Google ainda coleta uma tonelada de dados, o que pode ser uma preocupação para aqueles preocupados com o excesso de governo.

Cada empresa está tentando se diferenciar tanto para clientes quanto para reguladores. Sob o consenso pró-privacidade e os conflitos estão fervendo.

O que eles não estão dizendo

Facebook e o Google geralmente evitam falar sobre a propriedade de dados pelos usuários, ou sobre a privacidade como um direito fundamental, embora a Apple frequentemente se refira a essas ideias.

As três empresas se dizem comprometidas com o “empoderamento” dos usuários – mas esse empoderamento ocorre apenas dentro dos limites do controle absoluto que as empresas exercem como proprietários privados das plataformas digitais que usamos para nos comunicar de forma privada e pública.

A verdade é que as três empresas consideram algum tipo de regulamentação de privacidade como inevitável.

  • Eles querem ver um único padrão nacional (US) em vez de regras de estado por estado.
  • À medida que entramos na era do assistente de voz, essas empresas, juntamente com a concorrente Amazon, acabarão tendo um perfil ainda maior em nossas casas e vidas.
  • Elas dependerão mais da nossa confiança e enfrentarão um escrutínio ainda maior sobre a privacidade.

O resumo é, se a experiência passada for um guia, poderemos escolher coletivamente desfrutar da conveniência, contanto que sejamos lembrados de nos preocuparmos também com a real vigilância da empresas, e como eles lidam com nossos dados.

Reportar

Legend

Escrito por Julio Moraes

Julio Moraes é empresário e atua na área de estratégia e planejamento em Marketing & Digital há mais de 16 anos e conta com trabalhos em mais de 20 empresas nacionais e internacionais. Atualmente vivendo e trabalhando em Los Angeles e com trabalhos ganhadores do EMMY® - The Television Academy e indicados ao HFPA® Golden Globes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando…

0

Gostou do post?

130 points
Upvote Downvote