globo


Uma heurística é um atalho mental que permite às pessoas resolver problemas e fazer julgamentos com rapidez e eficiência. Essas estratégias práticas reduzem o tempo de tomada de decisão e permitem que as pessoas funcionem sem parar constantemente para pensar sobre o próximo curso de ação. As heurísticas são úteis em muitas situações, mas também podem levar a vieses cognitivos.

Estar ciente de como as heurísticas funcionam, bem como das tendências potenciais que elas introduzem, pode ajudá-lo a tomar decisões melhores e mais precisas.

Primeiras definições de heurísticas

Foi durante a década de 1950 que o economista e psicólogo cognitivo vencedor do Prêmio Nobel Herbert Simon introduziu originalmente o conceito de heurística quando sugeriu que enquanto as pessoas fazem escolhas racionais, o julgamento humano está sujeito a limitações cognitivas. Decisões puramente racionais envolveriam pesar todas as alternativas, como custos potenciais e possíveis benefícios.

Mas as pessoas são limitadas pela quantidade de tempo que têm para fazer uma escolha, bem como pela quantidade de informações que temos à nossa disposição. Outros fatores, como inteligência geral e precisão das percepções, também influenciam o processo de tomada de decisão.

Durante a década de 1970, os psicólogos Amos Tversky e Daniel Kahneman apresentaram suas pesquisas sobre vieses cognitivos. Eles propuseram que esses preconceitos influenciam o modo como as pessoas pensam e os julgamentos que as pessoas fazem.

Como resultado dessas limitações, somos forçados a confiar em atalhos mentais para nos ajudar a dar sentido ao mundo. A pesquisa de Simon demonstrou que os humanos eram limitados em sua capacidade de tomar decisões racionais, mas foi o trabalho de Tversky e Kahneman que introduziu o estudo das heurísticas e as formas específicas de pensamento nas quais as pessoas dependem para simplificar o processo de tomada de decisão.

Por que usamos heurísticas

A heurística desempenha papéis importantes tanto na resolução de problemas quanto na tomada de decisões, pois frequentemente recorremos a esses atalhos mentais quando precisamos de uma solução rápida.

Aqui estão algumas teorias diferentes de psicólogos sobre por que confiamos nas heurísticas.

  • Substituição de atributo: As pessoas substituem perguntas mais simples, porém relacionadas, por perguntas mais complexas e difíceis.
  • Redução de esforço: As pessoas utilizam a heurística como um tipo de preguiça cognitiva para reduzir o esforço mental necessário para fazer escolhas e tomar decisões.
  • Rápido e econômico: As pessoas usam heurísticas porque podem ser rápidas e corretas em certos contextos. Algumas teorias argumentam que as heurísticas são, na verdade, mais precisas do que tendenciosas.

Para com a tremenda quantidade de informações que encontramos e acelerar o processo de tomada de decisão, o cérebro depende dessas estratégias mentais para simplificar as coisas, para que não tenhamos que gastar quantidades infinitas de tempo analisando cada detalhe.

Você provavelmente toma centenas ou até milhares de decisões todos os dias. O que você deve comer no café da manhã? O que você deve vestir hoje? Você deve ir de carro ou pegar o ônibus? Felizmente, as heurísticas permitem que você tome essas decisões com relativa facilidade, sem muita agonia.

Por exemplo, ao tentar decidir se você deve dirigir ou pegar o ônibus para o trabalho, você pode repentinamente lembrar que estão rolando umas obras na rota do ônibus. Você percebe que isso pode diminuir a velocidade do seu deslocamento e fazer com que você se atrase para o trabalho. Portanto, você sai mais cedo e dirige para o trabalho em uma rota alternativa. A heurística permite que você pense nos resultados possíveis rapidamente e chegue a uma solução.

Tipos de heurísticas

Existem muitos tipos diferentes de heurísticas, incluindo a heurística de disponibilidade, a heurística de representatividade e a heurística de afeto. Embora cada tipo desempenhe um papel na tomada de decisões, eles ocorrem em contextos diferentes. Compreender os tipos pode ajudá-lo a entender melhor qual deles você está usando e quando.

Disponibilidade

A heurística de disponibilidade envolve a tomada de decisões com base na facilidade de trazer algo à mente. Quando estiver tentando tomar uma decisão, você pode se lembrar rapidamente de uma série de exemplos relevantes. Como eles estão mais facilmente disponíveis em sua memória, você provavelmente julgará esses resultados como sendo mais comuns ou de ocorrência frequente.

Por exemplo, se você está pensando em voar e de repente pensa em uma série de acidentes aéreos recentes, pode achar que viajar de avião é muito perigoso e decidir viajar de carro. Como esses exemplos de desastres aéreos vêm à mente com tanta facilidade, a heurística de disponibilidade leva você a pensar que acidentes aéreos são mais comuns do que realmente são.

Representatividade

A heurística de representatividade envolve a tomada de decisão comparando a situação atual com o protótipo mental mais representativo. Quando estiver tentando decidir se alguém é confiável, você pode comparar aspectos da pessoa a outros exemplos mentais que possui. Uma doce mulher mais velha pode lembrá-lo de sua avó, então você pode supor imediatamente que ela é gentil, gentil e confiável.

Afeto

A heurística do afeto envolve fazer escolhas que são influenciadas pelas emoções que um indivíduo está experimentando naquele momento. Por exemplo, pesquisas mostraram que as pessoas têm mais probabilidade de ver as decisões como benefícios e menores riscos quando estão de bom humor. As emoções negativas, por outro lado, levam as pessoas a se concentrarem nas desvantagens potenciais de uma decisão, e não nos possíveis benefícios.

Ancoragem

O viés de ancoragem envolve a tendência de ser excessivamente influenciado pelo primeiro bit de informação que ouvimos ou aprendemos. Isso pode dificultar a consideração de outros fatores e levar a escolhas erradas. Por exemplo, o viés de ancoragem pode influenciar quanto você está disposto a pagar por algo, fazendo com que você salte na primeira oferta sem procurar um negócio melhor.

Como a heurística pode levar ao viés

Embora a heurística possa nos ajudar a resolver problemas e acelerar nosso processo de tomada de decisão, ela pode introduzir erros. Como você viu nos exemplos acima, a heurística pode levar a julgamentos imprecisos sobre como as coisas ocorrem e sobre o quão representativas certas coisas podem ser.

Só porque algo funcionou no passado não significa que funcionará novamente, e confiar em uma heurística existente pode tornar difícil ver soluções alternativas ou apresentar novas ideias.

A heurística também pode contribuir para coisas como estereótipos e preconceito. Como as pessoas usam atalhos mentais para classificar e categorizar pessoas, elas frequentemente ignoram informações mais relevantes e criam categorizações estereotipadas que não estão em sintonia com a realidade.

Fique atento e conheça mais a sua maneira de raciocinar ;)

You May Also Like

Gerando Falcões e Center Norte inauguram loja-escola

Causas prioritárias fazem a diferença

Dois minutos na máquina do tempo do Getty Museum: a escrita

A produção é do estúdio de Motion Design de Los Angeles, BIEN.