Comportamento Criatividade educação

O caso mais bizarro que você já ouviu falar (noticiado em 1994)

Essa história não é real, apesar de publicada como notícia pelo Associated Press com o título “Assassinato ou suicídio?”
Originalmente essa informação estava no final deste post, mas como alguns leitores sugeriram, veio aqui para o começo (pessoalmente ainda prefiria no final, do mesmo jeito que aconteceu quando ela circulou na internet pela primeira vez, sem que se soubesse se tinha realmente acontecido ou não… acho meio spoiler, mas vá lá).
Foi assim:

ASSASSINATO OU SUICÍDIO? 

Dia 23 de março de 1994.

O médico legista examina o corpo de Ronald Opus.

O resultado é conclusivo: morte por tiro de arma de fogo, na cabeça.

Estranhamente, a investigação policial até aquele momento relatava que a vítima havia saltado do décimo andar de um prédio, com a intenção de cometer suicídio. Havia inclusive um bilhete, comprovando sua vontade. Porém, logo após o salto, ao passar pelo nono andar, Ronald Opus foi atingido por um tiro que atravessou a janela e o matou imediatamente.

Ronald Opus, já morto, caiu em uma rede de segurança no oitavo andar, colocada alí por operários que faziam a manutenção da fachada do prédio. Não fosse pelo tiro, a tentativa de suicídio de Ronald Opus teria sido frustrada.

Do ponto de vista técnico, se uma pessoa de fato inicia um movimento com intenção suicida, comete suicídio mesmo que não seja bem sucedida. O fato de ter levado um tiro enquanto estava em queda não alteraria o desfecho do caso, mas sob a ótica da avaliação do legista, diante de um corpo com um tiro na cabeça, o caso era de homicídio.

As investigações continuaram e descobriram o autor do disparo no nono andar. Era um senhor, já de idade bastante avançada. Sua intenção era ameaçar e assustar sua esposa apontando uma arma, durante uma discussão acalorada entre os dois. Sua mão já não era firme e quando o gatilho foi pressionado, o tiro errou completamente o alvo, passando através da janela para se alojar na cabeça do suicida, que passava em queda justamente naquele momento.

Em uma tentativa de assassinato de uma vítima A, mas que acaba assassinando uma vítima B, o assassino é obviamente culpado e responsável direto pela morte da vítima B. Essa foi a explicação dada ao velhinho, que se defendia alegando que não teve a mínima intenção de matar ninguém. Nem mesmo sua esposa. O casal prestou depoimento em comum acordo e ambos alegaram que não sabiam que a arma estava carregada. Apontar a arma era algo que já havia acontecido diversas vezes entre o casal, em discussões anteriores, mas sem que houvesse a real intenção de matar, já que a arma nunca estava carregada. A morte do suicida teria sido um acidente inexplicável.

Dias mais tarde surge uma nova peça no quebra-cabeças. Uma testemunha, que afirma ter visto o filho do casal colocando balas na arma, aproximadamente 6 semanas antes do dia do disparo. Uma investigação mais aprofundada mostrou que a havia uma relação problemática entre filho e mãe (na verdade madrasta). E sabendo da mania do pai de apontar a arma cada vez que discutiam, resolveu carregá-la na esperança de um disparo real, o que realmente acabou acontecendo.

O caso agora apontava para um homicídio de Ronald Opus, pelo filho do casal.

Mas agora é que vem a parte realmente bizarra.

Ronald Opus, o suicída, era o filho do casal.

Uma espiral depressiva originada pelos conflitos com a madrasta haviam levado o jovem a saltar do décimo andar do prédio onde morava, no dia 23 de março de 1994, para ser atingido pela própria bala que havia carregado na arma do crime.

O caso foi fechado pelo legista como suicídio.

———————-

Essa história não é real.

Apesar de publicada como notícia pelo Associated Press com o título “Assassinato ou suicídio?”

É mais uma, divulgada errôneamente pelo jornal e, anos depois, pela internet. Na verdade ela é parte de um discurso de Don Harper Mills, o então presidente da American Academy of Forensic Sciences, para mostrar as diferentes implicações que um caso legal pode tomar no decorrer das investigações.

Hoje, encanta advogados e curiosos em geral, como uma ilustração dos rumos que alguns fatos podem tomar de uma hora para outra. Realmente é uma boa história para se guardar na memória. Virou mito urbano, cultura pop e foi adaptada livremente em alguns filmes e séries para TV, como no longa Magnólia de  Paul Thomas Anderson (1999), no “law & order”, no CSI Miami, entre outros.

Mais detalhes na Wikipedia.

E para não perder o hábito nem a oportunidade da analogia para os colegas publicitários, a imagem que faz pensar na carreira:
madmen

Posts Relacionados

O Paradoxo do Navio de Teseu

Wagner Brenner

48 linhas para designers guardarem na gaveta.

Wagner Brenner

Os 6 princípios da Gestalt no seu dia

Wagner Brenner

A Síndrome do “nossa é sensacional… ih,não é!”

Wagner Brenner

O que acontece quando você fica elogiando a inteligência de uma criança sem parar

Wagner Brenner

Socorro, não consigo mais ler livros

Wagner Brenner

81 comentários

Luis Fernando Voigt 25/02/2016 at 3:12 PM

A conduta do sr em mirar a esposa e acertar terceiro é denominada “aberratio ictus”

Reply
Wagner Brenner 25/02/2016 at 3:25 PM

Aprendendo! Obrigado Luis!

Reply
Isabela Tonon Furtado 25/02/2016 at 1:12 PM

Pra derreter seus cérebros um pouquinho Maria Lúcia Giovana Barbara

Reply
Jônatas Almeida 25/02/2016 at 12:12 PM

Keila Silveira

Reply
Bibi Villani 25/02/2016 at 10:12 AM

Surreal

Reply
Verônica Ferreira 25/02/2016 at 7:12 AM

Kleberson Ventura

Reply
Verno Burghausen 25/02/2016 at 6:12 AM

É um caso, mesmo que fictício, porém brilhante por quem criou… um mero exemplo para questionarmos como podemos ter certeza(ou não) da VERDADE… a VERDADE não nos pertence… o julgar não é merecível a NINGUÉM…além de Deus…

Reply
Alan Lisboa Ramos 25/02/2016 at 6:12 AM

Nathalia Nicoletti Ramos

Reply
Verno Burghausen 25/02/2016 at 5:12 AM

Botei fé.. no UpOrDie… até a Bel Pesce compartilhando…

Reply
Felipe Nogueira 25/02/2016 at 2:12 AM

Tava mó intrertido na parada pra dps ler que não é real. Que lixo.

Reply
Agnes Cristina 25/02/2016 at 2:12 AM

Vanessa Santos tu já conhece essa história?

Reply
Letícia Pereira 25/02/2016 at 1:12 AM

A gente lê achando que aconteceu de verdade, mas quando descobre que não, pensamos: é, seria impossível mesmo!

Reply
Wagner Brenner 25/02/2016 at 11:24 AM

Verdade!

Reply
Ana Carolina Cibotto C. Targa 25/02/2016 at 12:12 AM

Lembrei de você, que gosta de penal Etienne Andre

Reply
Luiza Sicupira Malburg 25/02/2016 at 12:12 AM

Thiago Oliveira

Reply
Fernando Parajo 24/02/2016 at 10:12 PM

Muito interessante

Reply
Luciano Calisto Faria Simões 24/02/2016 at 10:12 PM

Rafael Calisto Leonardo Calisto

Reply
Tathyana Hardt 24/02/2016 at 9:12 PM

George Dos Santos le a matéria amor, você vai gostar!

Reply
Artur Rocha 24/02/2016 at 7:12 PM

Caraca,que perfeito!!

Reply
Karime Longen Bressan 24/02/2016 at 7:12 PM

Marcelo Longen

Reply
Otavio Gandara Canosa 24/02/2016 at 6:12 PM

Henrique Canosa

Reply
Flávia Mesquita 24/02/2016 at 5:12 PM

Natália Stein

Reply
Claudia Arezio Ricardo 24/02/2016 at 5:12 PM

Simone Arezio

Reply
Larissa Perin Sartório 24/02/2016 at 3:12 PM
Reply
Daniel Cunha 24/02/2016 at 3:12 PM

Thiago Bras você vai gostar

Reply
Rodrigo Marinho Crespo 24/02/2016 at 3:12 PM

Um excelente caso para ser discutido no começo da faculdade! O melhor de tudo que nem uma conclusão nunca vai ser exata, assim como toda boa discussão de Direito.

Reply
Wagner Brenner 25/02/2016 at 11:26 AM

Sim, a intenção do texto original foi exatamente essa, mostrar os diferentes ângulos e como tudo vai mudando a cada nova informação. Valeu Rodrigo!

Reply
JC Rodrigues 19/01/2018 at 6:01 PM

Vou usar isso em curso de Storytelling… o que tem de plot twist aí! =D

Reply
Wagner Brenner 19/01/2018 at 6:05 PM

Lets twist again! 😉

Reply
Fernando Paes 24/02/2016 at 2:12 PM

Bru Paes

Reply
Michelle Magarian Mekhalian 24/02/2016 at 1:12 PM

Aline Januario Farias
Advogada, olha só isso!!

Reply
Luiza Nascimento 24/02/2016 at 1:12 PM

Mariana Cogo, Jéssica Cardoso, Vivian Malta de Andrade, Gabriela Trentin Ribeiro, Marcella Simon Esse caso tinha que estar no black stories! Hahaha

Reply
Luisa Fleury 24/02/2016 at 1:12 PM

Guilherme

Reply
Patricia Ferreira Ramos 24/02/2016 at 1:12 PM

🙀🙀🙀🙀🙀🙀🙀

Reply
Gabriel Andrade 24/02/2016 at 1:12 PM

Marina, Erica, Ingrid, Gabriel doidera é isso aí

Reply
Juliano Godoy 24/02/2016 at 12:12 PM

Ana Paula Fabiano

Reply
Luke Oliveira 24/02/2016 at 11:12 AM

Olha Sandro Wingert Vinicius Alexandre que loucura!kkkk

Reply
Luke Oliveira 24/02/2016 at 11:12 AM

Olha Cácian Castro q louco!

Reply
Renato Lucena 24/02/2016 at 11:12 AM

essa é veia

Reply
Anônimo 24/02/2016 at 10:09 AM

“Suicida” não tem acento.

Reply
Wagner Brenner 25/02/2016 at 11:26 AM

Corrigido, obrigado.

Reply
Viktor Goyn 24/02/2016 at 10:12 AM

Bruna

Reply
Luana Oliveira 24/02/2016 at 10:12 AM

Você tem que ler Thainara Pereira

Reply
Florence Menezes 24/02/2016 at 10:12 AM

Felipe Manhães

Reply
Brenda Laíse 24/02/2016 at 10:12 AM

Cíntia Pedro olha que massa
Você estudou esse (falso) caso ?

Reply
Luiz Fernando Tuici 24/02/2016 at 10:12 AM

Da uma olhada depois Flávia Pelegia hehehe

Reply
Méfius Boderick 24/02/2016 at 10:12 AM

Nova essa hein…

Reply
Bruno Bethonico Assunção 24/02/2016 at 10:12 AM

Eduardo, Juliano, Maria Flávia, Glener, Luiz Fernando, Amália, Ana Glaucia, Igo,

Reply
Enzo Cavichiolli 24/02/2016 at 10:12 AM

Mano, isso é do filme Magnolia

Reply
Anna Cristina Gusman 24/02/2016 at 10:12 AM

MUITO bizarro!!!

Reply
Bárbara Silva 24/02/2016 at 10:12 AM

Juliana Petente Rancoletta acho que vc vai gostar rs

Reply
Danielle Lobato 24/02/2016 at 9:12 AM

Giuseppe Solimena

Reply
Raphael Toni 24/02/2016 at 9:12 AM

Bazilio Coutinho Jr. Assassinato ou suicídio? hehehe

Reply
micael 10/03/2015 at 7:32 AM

Muito ridícula a forma do texto. Divulga como noticia e somente no final coloca que o texto é falso. Um site tão bacana não precisa desse tipo de postura caça clique.

Reply
Marina Marilis Oliveira 21/11/2013 at 8:45 PM

haha.. Massinha, Israel Costa!!

Reply
Marina Marilis Oliveira 21/11/2013 at 8:45 PM

haha.. Massinha, Israel Costa!!

Reply
Luís Carlos Bonetti 21/11/2013 at 3:02 PM

Fascinante!

Reply
Luís Carlos Bonetti 21/11/2013 at 3:02 PM

Fascinante!

Reply
Diego Nogueira 21/11/2013 at 2:54 PM

pica, o cara que pensou nisso tudo podia ser escritor de novela. altas reviravoltas

Reply
Lucas Nunes 21/11/2013 at 2:45 PM

Carlos Martius, Gabriel Paquielli, Diego Nogueira

Reply
Lucas Nunes 21/11/2013 at 2:45 PM

Carlos Martius, Gabriel Paquielli, Diego Nogueira

Reply
Diego Nogueira 21/11/2013 at 2:54 PM

pica, o cara que pensou nisso tudo podia ser escritor de novela. altas reviravoltas

Reply
Guto Alves 21/11/2013 at 1:42 PM

Nossa!!! Muito bom! Eu vou pro inferno se disser q fiquei frustrado da história não ser real? Rsss

Reply
Guto Alves 21/11/2013 at 1:42 PM

Nossa!!! Muito bom! Eu vou pro inferno se disser q fiquei frustrado da história não ser real? Rsss

Reply
Lucas Cruz Ferreira 21/11/2013 at 1:30 PM

Muito bom o texto

Reply
Lucas Cruz Ferreira 21/11/2013 at 1:30 PM

Muito bom o texto

Reply
Paola Borelli 21/11/2013 at 12:13 PM

Cinq Cinqmaster

Reply
Paola Borelli 21/11/2013 at 12:13 PM

Cinq Cinqmaster

Reply
Bárbara Maia 21/11/2013 at 10:28 AM

Malu Cardoso Cibele Diniz Zêmia Câmara Ana Teresa Airaf

Reply
Bárbara Maia 21/11/2013 at 10:28 AM

Malu Cardoso Cibele Diniz Zêmia Câmara Ana Teresa Airaf

Reply
Update or Die 21/11/2013 at 9:42 AM

Sim, tá no texto do post 🙂

Reply
Bruno Fai 21/11/2013 at 9:41 AM

Essa historia foi usada no começo do filme Magnolia.

Reply
Bruno Fai 21/11/2013 at 9:41 AM

Essa historia foi usada no começo do filme Magnolia.

Reply
Update or Die 21/11/2013 at 9:42 AM

Sim, tá no texto do post 🙂

Reply
Jessika Engel 21/11/2013 at 9:34 AM

Hahahaha. Bizarro!!! Eu não sou umav grande estudiosa de direito penal, mas se fosse verdade, aqui no Brasil seria diferente, já que é responsabilizado quem causou a morte diretamente.

Reply
Jessika Engel 21/11/2013 at 9:34 AM

Hahahaha. Bizarro!!! Eu não sou umav grande estudiosa de direito penal, mas se fosse verdade, aqui no Brasil seria diferente, já que é responsabilizado quem causou a morte diretamente.

Reply
Elias Junior Minasi 21/11/2013 at 9:27 AM

Um texto bem construído é o que mantém o leitor.

Reply
Elias Junior Minasi 21/11/2013 at 9:27 AM

Um texto bem construído é o que mantém o leitor.

Reply
Alex Quadros 21/11/2013 at 9:22 AM

Medo de altura RT O caso mais bizarro que você já ouviu falar (noticiado em 1994) http://t.co/KXDCGaTDX5http://t.co/0p6yXPaIDa

Reply
Israel Costa 21/11/2013 at 9:18 AM

Vocês que manjam de direito, saquem ai =p Marina Marilis Oliveira, Jessika Engel, Diogo Bezerra Araujo, Lucas Arruda

Reply
Israel Costa 21/11/2013 at 9:18 AM

Vocês que manjam de direito, saquem ai =p Marina Marilis Oliveira, Jessika Engel, Diogo Bezerra Araujo, Lucas Arruda

Reply

Comente

Ad Blocker Detected!

Refresh