Patrocinar por conexão ou por visibilidade?

Seja qual for o segmento de atuação do patrocínio, é preciso pensar na conexão.
nbsp

Se fosse você chegar com a ideia de patrocinar uma plataforma na empresa que você trabalhar, talvez a primeira pergunta vai ser : Por que patrocinar? Gastar dinheiro com uma ação que você não sabe se vai ter retorno e não tem certeza de métricas mensuráveis que hoje as mídias convencionais te oferecem diariamente?

É difícil tomar essa decisão, exceto de quem é “mecenas” ou um cara extremamente convicto que daquela plataforma faça sentido para a marca. Seja qual for o segmento de atuação do patrocínio, é preciso pensar na conexão.


Quando vamos falar de patrocínio, não existe o obvio. Você vai falar que CORONA tem tudo a ver com o surfe e praia. Eu te pergunto por quê? Porque eles se apropriaram estrategicamente de um território “green field” atrelado ao lifestyle de quem vai a praia e fincaram essa bandeira muito forte, tão forte que hoje ouso dizer ser a marca mais lembrada vinculado ao esporte no mundo. Claro, que vale ressaltar que a indústria de bebida sempre tem uma facilidade maior de identificação com plataformas, até por conta de investimento e portfolio. Não posso ser injusto.

Porém, o patrocínio sem a conexão e propósito, ninguém lembra. Se você foi recentemente ao Rock In Rio, duvido você lembrar de grande parte dos patrocinadores. Talvez lembre do que você comeu, bebeu ou alguma uma experiência maneira. Você estar presente no evento não quer dizer que você será lembrado se não se conectar com teu público. É oferecer capa enquanto chove, comida quando tem fome ou uma ativação que gere uma lembrança afetiva para a pessoa.

Mas se você me pergunta se patrocinar é a solução para resolver seu problema a resposta será: talvez. Porque antes de querer colocar sua camisa na barriga do teu time de coração, ou patrocinar o Rock In Rio, você precisa entender o porquê. Para onde você quer ir? Awareness? Leads? Vendas? Ser reconhecido pela comunidade que você vai entrar? Se você me responder que quer tudo não vou estranhar, até porque no fim do dia queremos mesmo. Porém, não é tudo que você vai ter, porém basta ter essa expectativa alinhada.

Se puder dar minha opinião, eu aposto na conexão. Entra no evento core do segmento que você quer entrar, conhece sua comunidade, cria laços, conversa com as pessoas, entenda o que ela quer. Se você entrar de forma genuína na plataforma, sua marca se interessante e não somente mais uma interessada naquela comunidade conectada com “dinheiro a qualquer custo”. Isso infelizmente acaba sendo um pouco utópico para o universo de patrocínio mas acredito que sempre precisamos criar a conexão e por fim, ter a tão lembrança de marca e visibilidade que todos queremos.

Lucas Basso

Publicitário. Esporte. Tentando unir ideias a propósitos.

post anterior
nbsp

Marcas & Divãs: O Sonho Não Morreu

relacionados