pergunte
Comportamento educação featured

Não me pergunte mais “Como foi na escola hoje?”

Esse post é para quem busca criança pequena na escola.

“E aí… como foi na escola hoje?”

Eu sei, você é uma pessoa legal, quer puxar conversa. E acredito que esteja, genuinamente, curios@ para saber como foi o dia na escola.

Mas nós dois sabemos o que acontece depois. Quer apostar como eu sei?

“Foi tudo bem”.

Ou, “legal”.

Uma vez eu até ouvi um “an-hã”, o que prova que a pergunta nem sequer entrou pelo ouvido.

Simplesmente não funciona. Bate-e-volta.

Mas como esse momento é uma das poucas oportunidades de uns minutinhos de papo e também uma chance de acompanhar a rotina na escola, aqui vão algumas alternativas para você usar no lugar do CFNEH?

Vamos lá:

20 alternativas para trocar a pergunta vaga por outra que funciona

carro

 

#1.  Qual foi a coisa mais legal* que aconteceu hoje na escola? (*bizarra, *chata, *barulhenta, *etc)

#2.  Conta aí uma coisa que fez você dar risada hoje.

#3.  Se você pudesse escolher, quem você colocava sentado ao seu lado? Por que? (ou jamais colocaria do seu lado?)

#4.  Qual é o lugar mais descolado da escola?

#5.  Qual foi a maior absurdice que você ouviu alguém falando hoje? (sim, pode inventar umas palavras)

#6.  Se eu encontrasse com a sua professora no supermercado e perguntasse sobre você, o que será que ela ia dizer?

#7.  Você ajudou alguém hoje?

#8.  Se a gente fosse fazer um video dos Vingadores na sua classe, quem a gente colocava como o Hulk? (e vai mudando o personagem)

#9.  Me ensina alguma coisa que te ensinaram hoje? ( e vai dando de burrão, vai falando “como assim?”, “que demais! Me explica melhor vai”, etc)

(essa sempre foi minha preferida. Acho que até hoje meu filho me acha o maior ignorante do mundo)

#10.  Qual foi a parte mais bacana do dia, que você ficou mais feliz?

#11.  Teve alguma hora que você virou uma gelatina de tanto tédio?

#12.  Se aparecesse um disco voador para sequestrar alguém, pra quem você apontava?

#13.  Com quem você gostaria de brincar no recreio mas nunca brincou?

#14.  Me conta uma coisa bem bem boa que aconteceu hoje.

#15.  Qual você acha que é a palavra preferida da sua professora? Uma que ela vive falando?

#16.  Se você ganhasse a escola de presente e virasse o dono de tudo, o que você faria?

#17.  E o que você ia cancelar do que tem hoje? tem alguma coisa?

#18.  Quem é a pessoa mais engraçada da sua classe? Me conta uma palhaçada que ela fez hoje.

#19. Se você fosse convidado para ser o professor amanhã, durante o dia inteiro, o que você faria?

#20. De todos os que estão lá dentro do seu estojo, quem é que trabalha mais? Por quê?

 

 

Enfim, não é nada científico, nem nada assim. É só uma dica bem prática para conseguir conversar e ao mesmo tempo acompanhar a rotina dos pequenos. O truque é fazer perguntas disfarçadas, cheias de fantasias e chegando pelas beiradas.  Na verdade, quanto menos perguntar melhor, só comece o assunto e pronto. Nunca um tiro direto como o “CFNEH?”, porque elas percebem que você tá xeretando, desde pequenininhas. E te colocam pra correr com um “foi legal” e pumba, acabou sua chance de conversar sobre a escola. Você coloca um disco voador na pergunta e ela acaba respondendo muito mais do que você imagina (preste atenção nas entre-linhas das respostas).

O confinamento forçado dentro do carro é uma benção. Aproveite-o com sabedoria.

 

Ajude outros adultos: mande mais sugestões de perguntas aí pelos comentários. A técnica funciona por uns bons anos, mas a abordagem vai precisar evoluir e ficar bem mais sutil e inteligente.

 

 

A ideia das perguntas e algumas delas vieram deste post.

IMG: Shell114/ Shutterstock

Sobre o Updater

Wagner Brenner

Fundador do Update or Die.
Editoria e criação.

15 comentários

Click here to post a comment

  • Gostei porque meu filho de quase cinco anos nunca me contava nada sobre o dia dele na escola, há pouci tempo que começou a falar, uma coisa ou outra e só. De fato tem que ter muita criatividade para fazer a pergunta ou indagar sobre o como foi hoje na escola.

    0
  • Muito bom Mesmo, adorei obrigada pelas boas dicas eu agora sou avó; lendo os comentários, fiquei pensando, meu Deus! por isso que existe crianças tão chatas e insuportáveis, por que quem faz os filhos são os pais; ou melhor as mães.

    0
  • Amei!! Vou começar hoje. Tenho dois filhos um terminando o ensino médio esse ano e a outra no 6° ano. E há muitos anos, assim que entram no carro faço essas três perguntas: Como foi a aula hoje? O que vocês fizeram? Quem estava lá? Meus filhos amam!! O mano responde há 12 anos a mesma coisa. Ruim, nada e ninguém, a resposta da mana é Boa, a matéria ou acontecimento que mais marcou e todo mundo ou todo mundo menos o fulano. A partir desse minuto eles começam a contar muitas histórias, mas tenho que confessar nem sempre ouço tudo :)

    0
  • Querido Wagner, foi um achado do mais alto nível ler sua matéria. Sou pai, e me via em um impasse, pois quando filho, também repudiava essas perguntas. Hoje, com 2 na escola, estava cometendo os mesmos erros. Valeu, vou repassar aos colegas.. que devem estar na mesma situação com os seus.. rsrs.. abraços.

    1+
  • Amei! Que ideia maravilhosa! Parabéns pela criatividade e por aapontar algo que muitas vezes passa despercebido. Precisamos realmente estar mais atentos à automatização de tudo, principalmente nas relações que estabelecemos com o outro. Belo olhar. Obrigada.

    1+
  • Dicas para pré-adolescentes? Meu filho tem 11 e tá cada vez mais dificil tirar alguma coisa dele….rsrsrs Já ouvi coisas como: percebeu que não quero falar hoje?

    0
  • sempre pergunto p meu filho e ele responde de forma completa.diz exatamente td que aconteceu.acredito que vai de criança p criança e da ligação q tem com seu filho.

    0
  • Sensacional… fiz uma pergunta diferente hoje e o resultado é muito legalllll , mande mais dicas a como esta… e muito obrigada!!!!

    0
  • Adorei! Parabéns pela proposta. Sou professora e por vezes incito os pais a conversarem com seus filhos e a resposta era sempre a mesma.” Ele não me fala nada. Só fico sabendo pelos colegas” – vou indicar aos pais. Obrigada pela informação boa dificil de encontrar nas redes sociais.

    0