Ex-engenheiros da SpaceX lançam startup de pizzas feitas por robôs, no caminhão de entrega, em 45 segundos

As pizzas custam entre 7 e 10 dólares e começam a ser feitas no caminho da casa do consumidor.
nbsp

Eles faziam foguetes pro Elon Musk. Agora fazem pizza. Na verdade, fazem robôs que fazem pizza. É a Stellar Pizza, que pretende tornar o consumo de pizza por delivery ainda mais fácil, barato e rápido. E com o diferencial de ser feita na porta da sua casa.

As pizzas, que custam entre 7 e 10 dólares, são assadas em apenas 45 segundos, mas o processo de preparo começa no caminho da casa do consumidor, tudo sincronizado para ficar pronta imediatamente antes da entrega.

O processo de preparo não é muito diferente do das pizzas feitas por mãos humanas. Primeiro, um braço metálico pega uma bola de massa em uma caixa refrigerada e a coloca em uma esteira, onde um disco abaixa para pressioná-la até formar um círculo de 30 centímetros (a empresa faz a massa em sua sede e depois a carrega em geladeira da máquina em bolinhas no volume exato). 

À medida que a crosta crua se move pela esteira, várias máquinas vão acrescentando os ingredientes, primeiro o molho de tomate, depois o queijo, adicionam outras coberturas e, em seguida, levam-na ao forno a 900 graus para assar. Esse passeio da pizza é rastreado por câmeras e sensores, que podem fazer ajustes conforme necessário. E nenhuma mão humana as toca; elas são feitas inteiramente por máquinas, até serem colocados em uma caixa, que um entregador entrega aos clientes.

Atualmente, a empresa está levantando fundos para construir uma frota de robôs de pizza, que planeja levar para estádios e universidades. Os clientes usarão o aplicativo da empresa para fazer pedidos.

Dada a inflação e a escassez de mão de obra com a qual provavelmente iremos lidar no futuro próximo, incorporar mais robôs no serviço de alimentação parece não apenas uma boa ideia, mas necessária, especialmente se ajudar a tornar os alimentos mais acessíveis. Segundo a Stellar, em vez de ter um custo de mão de obra próximo a 20, 30, até 40 por cento, nesse modelo automatizado fica próximo de 10 por cento. Então, o que eles podem fazer é usar ingredientes de qualidade muito mais alta, mantendo os custos competitivos.

Wagner Brenner

Fundador e editor do Update or Die.

post anterior
nbsp

Ritmo Visual anuncia a chegada de um dos maiores cineastas do mundo: Leonardo Dalessandri

próximo post
nbsp

AlmapBBDO/Elma Chips: ‘Cadê minha herança?’

relacionados