House of Jam: Raimundos

raimundos1

Amor.

O quão estranho, ou mesmo clichê, é começar um post sobre o House of Jam com os Raimundos escrevendo a palavra “amor”?

E isso importa?

Raimundos faz parte da minha vida. Raimundos me traz lembranças muito fortes.

O meu primeiro grande show, foi no Circo Voador, com uma namoradinha que vestia uma camiseta escrita “FODA-SE”. Era um show do Titãs, lá em 1993 (TITANOMAQUIA). Eu, com meus 12 anos. Durante o show, os Titãs convidaram esses caras de Brasília para tocar, apenas, o refrão de “Puteiro em João Pessoa”. Pronto… eu sabia o que queria fazer para o resto da vida (não, não ir ao puteiro), eu queria tocar!

Acho que foi quando eu, realmente, percebi o quanto os meus pais são legais demais. Fomos em praticamente todas as lojas de discos pelo Rio de Janeiro atrás do disco do Raimundos. Demorou, mas em algum momento encontramos. Ouvimos juntos. Palavrões. Sacanagens. Baixarias. Metáforas para a maconha e bebida… e o que fizemos? Rimos juntos. Conversamos sobre aquilo tudo. Aumentamos o som. Pegamos o encarte para ler juntos. O quanto tudo isso uniu a mim e os meus irmãos? A resposta é, em partes, a nossa relação até hoje.

No violão, durante as fogueiras na praia, todos pediam sempre as mesmas coisas… eu só sabia tocar Raimundos. Virou uma marca registrada daquela turma que cresceu tão junto. Na faculdade não foi diferente. Aliás, foi a trilha sonora de tantas e tantas férias e carnavais. Raimundos faz parte da minha vida e de tantas outras.

Nos reconhecemos ali.

raimundos3-

Tive a oportunidade de, do mesmo jeito que os caras contam com tanta emoção, trocar ideia e tocar com meus ídolos. Eles. Conversar sobre música. Instrumentos. Inspirações. Bandas. Ter a certeza que não somos tão diferentes.

É um inception.

Eles falando sobre os melhores momentos da carreira, sobre com quem encontraram e quem, realmente, os influenciou… e, o House of Jam (e eu) vivendo exatamente isso.

A conversa com os caras deixa claro como é superar certas adversidades… aquelas… mais complexas e o quanto uma banda de rock pode nos ensinar. É uma família.

raimundos4-

Sempre começo esse papo explicando que não sou um jornalista e que o Update or Die não é um veículo como outro, que o nosso compromisso é com a inspiração e que, para montarmos esse circo todo, é por que de alguma forma esses caras inspiram muita gente de muitas formas.

Esse programa foi particularmente difícil. Um espaço diferente. Uma banda estruturada e gigante, muitos profissionais bacanas envolvidos, certos problemas técnicos… mas, juntos, fizemos uma baita festa.

Provavelmente, os caras nem saibam o quanto as atitudes que tiveram significa para o projeto.

Obrigado, Digão.
Obrigado, Canisso.
Obrigado, Caio.
Obrigado, Marquim.

raimundos2

Obrigado por fazerem o que amam e provar que o sentimento primordial das relações, o combustível das paixões, ainda é o que mais importa. Eu me vejo muito nessa conversa.

E… é por isso que o Raimundos nunca vai se acabar.

Default image
Gustavo Giglio
Updater, sócio do UoD, diretor de marketing/novos negócios.

3 Comments

  1. Cresci ouvindo Raimundos… Fico feliz que eles hajam se reconstruído após a ruptura com o Rodolfo.
    A entrevista está muito bacana, a edição de vídeo e fotografia estão primorosas, parabéns a todos!

Leave a Reply

Ad Blocker Detected!

Refresh