2022 World Press Photo Contest

Esses caras não fazem a foto. Eles caçam a foto.
HTML tutorial

Fotojornalismo, definitivamente, não é fácil. O fotógrafo não pode dirigir a foto, não pode melhorar a iluminação, não pode repetir o momento e tem poucos segundos para encontrar o angulo e enquadramento perfeitos para contar sua história.

Geralmente fazem o maior número de cliques possíveis de uma determinada situação e não é raro que percebam que fizeram uma obra-prima muito depois do acontecido, em meio as outras fotos. Muitas vezes, a própria reportagem é construída a partir de um registro específico.

Se para nós mortais já é complicado um registro decente dos filhos naquela agitada festinha junina na escola, imagina o trabalho desses profissionais que fotografam guerra, manifestações, acidentes, desastres da natureza, jogos e tantos outros eventos que estão sempre a um passo do caos.

Basta ver a foto em destaque neste post. Um segundo antes ou um segundo depois e a foto não teria o mesmo impacto e talvez não contaria tão bem essa história.

Esses caras não fazem a foto. Eles caçam a foto.

E volta e meia um deles toma um tiro ou leva uma bolada porque estava imerso demais em seu próprio ofício para perceber o perigo.

O World Press Photo Contest

O WPPC começou em 1955, quando um grupo de fotógrafos holandeses organizou um concurso internacional (“World Press Photo”) para expor seu trabalho a um público global. De lá para cá, o mundo mudou continuamente, e novos desenvolvimentos na mídia e na tecnologia transformaram o jornalismo e a narrativa. E agora o concurso tem uma etapa regional, antes da etapa global.

Confira abaixo algumas das fotos deste ano:

clique nas imagens para ampliar

Para ver todas as fotos e os devidos créditos e contexto de cada uma delas, acesse o site oficial.

Wagner Brenner

Fundador e editor do Update or Die.

Previous Post

A raiva e a inteligência emocional

Next Post

Empreendedores autocratas e um game em áudio

Related Posts