Entretenimento Tecnologia TV & Séries

Apple TV+; Tudo o que você precisa saber do novo serviço de streaming

Após dois anos de investimento e preparação, o CEO da Apple, Tim Cook, revelou todos os detalhes sobre o próximo serviço de assinatura de vídeo sob demanda da empresa nesta última terça-feira, o Apple TV+. Cook abriu o segmento proclamando: “Nossa missão para o Apple TV Plus é trazer a você as melhores histórias originais das mentes mais criativas da televisão e do cinema“.

Essa é uma afirmação ousada na era de ouro de conteúdo das telinhas, ou “streaming wars“, quando empresas de tecnologia e mídia estão gastando bilhões de dólares para produzir conteúdo original exclusivo, na esperança de atrair milhões de assinantes pagantes. Agora que conhecemos os detalhes do Apple TV Plus, fica claro que a empresa tem uma estratégia muito diferente da de seus concorrentes no espaço de vídeo. Aqui está o que aprendemos no evento da Apple:

  • Data de Lançamento: 1 de novembro de 2019. (Sim, no Brasil também)
  • Preço: US $ 4,99 por mês. ( R$9,90 no Brasil)
  • Dispositivos: Apple (iPhone, iPad, Mac, Apple TV), Web, Amazon Fire TV, TVs inteligentes Samsung, LG, Roku, Sony e plataformas VIZIO – selecionadas.
  • Oferta de Lançamento: Avaliação gratuita de um ano com a compra de um novo iPhone, iPad, Apple TV, iPod Touch ou Mac.
  • Free Trial: 7 dias, para o Brasil.

Após anunciar o valor de assinatura mensal de US $4,99, Cook exclamou: “Todos esses originais pelo preço de um aluguel de filme. Isso é loucura!”. É claro que essa declaração carece do contexto competitivo do Apple TV Plus, que é lançado em um mercado cada vez mais lotado e desagregado, e é algo parecido com a promoção da Apple Music como“todas essas músicas pelo preço de um disco de vinil!

Embora US$ 4,99 seja uma das assinaturas de vídeo premium mais baratas do mercado, abaixo dos planos subsidiados por anúncios de US$ 5,99 do Hulu e da CBS All Access, o Apple TV Plus também terá apenas uma fração do volume de conteúdo. Cook parecia aludir que o Apple TV Plus seria lançado com cerca de 12 séries e filmes originais em 1º de novembro, mas que o catálogo continuaria a crescer em um ritmo significativo.

De acordo com o JustWatch, um site que captura e cataloga o conteúdo disponível nos principais serviços de streaming, o catálogo da Apple TV Plus de 12-38 séries de TV e/ou filmes – durante seu lançamento – seria de longe o menor volume de qualquer serviço de streaming premium. Embora os catálogos de conteúdo estejam constantemente mudando devido a acordos de licenciamento, até o momento o catálogo da Netflix inclui 5.192 séries de TV e 3.729 filmes, as assinaturas do Amazon Prime Video incluem 2.011 séries de TV e 22.834 filmes, e até a CBS All Access tem 105 séries de TV disponíveis para assinantes. *Dados considerados para US.

via justwatch.com

Mesmo que haja apenas uma dúzia de séries disponíveis no lançamento em 1º de novembro, o pipeline de conteúdo da Apple parece prestes a triplicar no próximo ano. Também descobrimos recentemente que a empresa aumentou seus investimentos em conteúdo de US$ 1 bilhão original para algo próximo a US$ 6 bilhões no total.

via macworld

Duas coisas se destacam mais ao comparar o Apple TV Plus a serviços competitivos de assinatura de vídeo, além do atual volume mais baixo de conteúdo:

  • O foco na série original, renunciando ao conteúdo da biblioteca licenciada.
  • A avaliação gratuita de um ano com a compra de um novo dispositivo de hardware da Apple.

A empresa decidiu investir todo o seu orçamento em conteúdo novo, original e exclusivo. Diferentemente da Disney, WarnerMedia, NBCUniversal e CBS/Viacom, a Apple está começando do zero e não possui um vasto catálogo de conteúdo popular de biblioteca para construir seu serviço.

Em vez de licenciar qualquer conteúdo de terceiros – como a Netflix, o Hulu e o Amazon Prime Video criaram originalmente suas bases de assinantes – o Apple TV Plus apresentará apenas o Apple Originals. Isso faz sentido em 2019, uma vez que os custos de licenciamento das melhores séries de TV clássicas dispararam quando os estúdios recuperam seus direitos de distribuição para criar suas próprias ofertas diretas ao consumidor. Agora, os estúdios perceberam o valor das séries com demanda duradoura do consumidor e muitos episódios, e buscam capitalizar seu conteúdo antigo na esperança de que ele traga um novo sucesso.

Cook acredita que investir em conteúdo original novo e de alta qualidade (que possuirá em perpetuidade e usará para criar sua marca de mídia de consumidor) é uma estratégia melhor a longo prazo do que renegociar continuamente por direitos de distribuição e receber reação dos clientes quando eles perdem conteúdo, como a Netflix viu com notícias que mostram como Friends e The Office estão saindo do serviço.

“Uma nova visão do futuro.”
“As notícias são só parte da história.”
“Quando as regras não são justas, quebre as regras.”
“Seu beagle favorito aterrissou.”
“A corrida continua.”

Talvez o rumor mais interessante que aprendemos sobre o serviço na terça-feira tenha sido o teste gratuito de 1 ano para clientes que comprarem um novo dispositivo de hardware da Apple. É improvável que essa promoção necessariamente leve a grandes vendas de hardware – é um valor de US$ 60 anual, comparado ao hardware que custa centenas de dólares -, mas impulsionará o Apple TV Plus para milhões de assinantes no próximo ano.

A aposta da Apple não é que milhões de pessoas queiram se inscrever por US$ 4,99 no dia 1º de novembro para alguns shows. Em vez disso, a empresa está apostando que os milhões de pessoas que compram um novo dispositivo Apple encontrem valor suficiente (alguns programas de TV de que gostam?) para toparem pagar o valor de US$ 4,99 que aparecerá no cartão de crédito um ano depois. Como a Apple está lançando com um baixo volume de conteúdo – e essencialmente um preço de US $ 0 -, os consumidores perceberão, e devem contar com a percepção de contínuo ganho, no aumento do volume absoluto de conteúdo ao longo do tempo, mais do que em outras assinaturas de vídeo.

Oferecer um ano grátis de Apple TV Plus a milhões de clientes também dá ao conteúdo do serviço uma chance melhor de atingir o zeitgeist e se tornar parte de uma conversa cultural como Game of Thrones ou Stranger Things. Se, em vez disso, a Apple confiasse apenas no segmento de clientes dispostos a pagar por seu pequeno catálogo, muito menos pessoas experimentariam, abraçariam e discutiriam seus programas. Mídia e entretenimento são uma indústria impulsionada por sucessos, e quanto mais consumidores em potencial você tiver para consumir e evangelizar seu conteúdo, maiores serão suas chances de atingir um sucesso de conversa digital e cultural.

Houve alguma especulação sobre se o Apple TV Plus seguiria um cronograma de lançamento semanal ou bingeable. Parece que a resposta para ambos é “sim”. Segundo a Apple, algumas séries estrearão com três episódios, seguidos por um novo episódio a cada semana, enquanto outros abandonam todos os episódios de uma só vez. Faz sentido que a Apple experimente os cronogramas de lançamento no início – e talvez utilize os dois cronogramas de distribuição, dependendo da peça e do gênero específicos do conteúdo.

Obviamente, a Maçã espera que, além de gastar US$ 60 por ano no serviço de streaming, os assinantes investam ainda mais no ecossistema de serviços e hardware da Apple, seja por meio dos canais de TV da Apple, Apple Arcade, Apple News Plus, Apple Music, iCloud ou comprando novos iPhones, iPads, Apple Watches e computadores. A aposta de US$ 6 bilhões da Apple no Apple TV Plus, neste momento, ainda está apenas testando as águas dentro de uma empresa de US$ 200 bilhões em dinheiro disponível.

Mas depois de mais de dois anos de especulação, finalmente sabemos como será o Apple TV + no lançamento. A única coisa que resta a fazer é assistir. — Você já pode conferir todos os trailers e receber o aviso de lançamento pelo website https://tv.apple.com/br

Deixe seu Comentário

Ad Blocker Detected!

Refresh