A password will be e-mailed to you.

Considerado uma lenda urbana, o Pirata Zulmiro merece um pouco da nossa atenção. É uma das poucas histórias de Piratas, no mundo, em que a mesma informação sobre um grande tesouro escondido aparece em dois lugares diferentes.

A primeira vez que a história sobre um tesouro escondido na Ilha de Trindade surgiu foi em 1850 em Bombain, na Índia. Um pirata moribundo, conhecido por sua grande cicatriz no rosto, entregou a um capitão de um navio mercante inglês um mapa. Nele, o caminho para o grande tesouro roubado das igrejas de Lima em 1821.

O Conde de Monte Cristo (Alexandre Dumas, 1844), um dos grandes romances da literatura ocidental sobre tesouros escondidos, foi inspirado neste roubo. Foram realizadas, então, mais de cinco expedições inglesas para a Ilha de Trindade (entre 1880 a 1889). A última expedição inspirou o livro “The Cruise of the Alerte”, de Frederick Edward Knight, que depois inspirou o clássico a “Ilha do Tesouro” (de Robert Louis Stevenson  – 1883).

Em 1896, foi publicada uma série de cartas no Jornal do Brasil, escritas por uma pessoa que conheceu um pirata na cidade de Curitiba, por volta de 1879, com o nome de Zulmiro e que lhe contou toda essa história aí. Inclusive entregou um roteiro de como encontrar os depósitos secretos do tesouro.

Essa pessoa era, na verdade, o inglês Edward Young Stammers, que foi assassinado quando ladrões buscavam o mapa. O tal do roteiro reapareceu na cidade de Lorena, em São Paulo em 1910 (o assunto despertou interesse e mais de 30 jornais noticiaram essa história toda).

Mas, por que esse post enorme sobre uma história de Piratas?

Bom… essa semana o pesquisador Marcos Juliano (depois de juntar materiais por treze anos) lança um livro ilustrado infanto-juvenil sobre as aventuras do legítimo pirata inglês que veio a se esconder na cidade de Curitiba (entre 1830 e 1882) e viveu ali até o fim dos seus dias.

Ilustrações produzidas por Francis de Cristo, CEO do grupo Evolução Diária

O livro narra a vida de Zulmiro desde o seu nascimento no longínquo ano de 1798 passando por grandes aventuras no oceano enfrentando outros piratas em fantásticas batalhas marítimas – ao lado de sua companheira, a cigana Hortênsia.

O livro tem ilustrações do ótimo Francis de Cristo. Para saber mais, clique aqui.