Tecnologia

Neuralink: Elon Musk quer instalar um chip em nossos crânios

Depois de dois anos de sigilo, a startup de Elon Musk, Neuralink. saiu das sombras na última terça-feira com uma apresentação ao vivo – e várias entrevistas detalhando seus esforços para conectar o cérebro humano às máquinas.

No momento, você tem duas “camadas” primárias em seu cérebro: o sistema límbico, que controla coisas como suas emoções, memória de longo prazo e comportamento; e o córtex, que lida com seus pensamentos complexos, raciocínio e planejamento a longo prazo. Musk quer que sua interface cerebral seja uma terceira camada que complementará as outras duas. O mais estranho é que ele acha que já temos essa terceira camada – só não temos a melhor interface para isso:

Nós já temos uma camada terciária digital em certo sentido, em que você tem seu computador ou seu telefone ou seus aplicativos … O que as pessoas, eu acho, não apreciam agora é que elas já são um cyborg … Se você deixar o seu telefone atrás, é como síndrome do membro ausente. Acho que as pessoas já se fundiram com o telefone, o laptop, os aplicativos e tudo mais.

O objetivo do Neuralink, então, é eliminar o intermediário e colocar o poder que temos atualmente em nossas mãos diretamente em nossos cérebros. Em vez de uma pessoa usar seu telefone para transmitir um pensamento para outra pessoa (“Jantar às 8?”), O pensamento iria apenas de um cérebro para o outro diretamente.

Desculpe, você disse que quer implantar o que… Como?

Musk e vários dos principais cientistas da empresa cobriram muito terreno durante o evento, entrando em detalhes sobre o sistema que espera um dia implantar em seu cérebro. Ele também compartilhou como espera chegar ao seu cérebro… Em primeiro lugar: disparando buracos no seu crânio com lasers.

Segundo a empresa, o primeiro passo para extrair dados do cérebro é encontrar uma maneira de capturar todos os sinais que passam pelo crânio de uma pessoa e transmiti-los para um dispositivo fora dela.

Para conseguir isso, a empresa está desenvolvendo roscas flexíveis de eletrodos – implante esses fios no cérebro perto de neurônios, e eles podem captar e transmitir sem fio sinais desses neurônios para um computador.

Dentre outras explicações, Elon sonha em conectar o cérebro a internet, até ajudar pessoas com algum problema e questões físicas e mentais. – Para pegar todas as informações, vale o play em toda a apresentação:

Update: Como alguns leitores do UoD apontaram, o projeto é baseado em uma pesquisa do trabalho de mais de 20 anos do brasileiro (sim!) Miguel Angelo Laporta Nicolelis, um célebre especialista em interfaces cérebro-máquina (BMIs) da Duke University – e nascido na cidade de Mogi das Cruzes, estado de São Paulo. Leia mais clicando aqui.

Ele foi coordenador do Projeto Andar de Novo que permitiu o famoso primeiro pontapé na Copa de 2014, por uma pessoa paraplégica, com o exoesqueleto.

Acredite, pessoas estão se oferecendo para testar a tecnologia

Ainda na apresentação, a empresa anunciou que planeja começar a testar sua tecnologia em voluntários humanos em 2020 – e as pessoas no Twitter imediatamente aproveitaram a oportunidade.

“USE MEU CÉREBRO ELON” twittou uma pessoa – que é muito mais do que Neuralink provavelmente precisaria de seus voluntários, uma vez que só planeja tecer pequenos fios no cérebro dos participantes.

Se vão conseguir a vaga ou não, saberemos em breve. Até o momento, a ideia abre possibilidades que apenas os melhores filmes de sci-fi nos entregaram, mas com o problema de ser vida real – realmente ainda não nos deixa confortáveis com alguém mexendo dentro da caixa mais complexa e quântica desse universo: Nosso cérebro.

Comente

Ad Blocker Detected!

Refresh