“A mídia atual não engaja mais. Essa lógica Top of Mind que tem a missão de tornar as marcas inesquecíveis ao martelar milhares de vezes a mesma mensagem na cabeça do consumidor está ultrapassada. Os veículos existentes precisam repensar seu modelo de negócio para serem não interruptivos, transparentes, descentralizados e com propósito de gerar valor para as pessoas.  As novas mídias tem o papel de fazer as marcas serem relevantes, invertendo sua própria lógica para serem Top of Heart, onde o consumidor deixa de ser um mero intermediário” – Daniela Klaiman.

Dani é futurista, formada pela Universidade de Jerusalém e expert em Consumer Behavior and Trends Research. E, é com ela que tenho tido as conversas mais interessantes pra onde o nosso mercado pode estar caminhando.

De sua inquietude nasceu a WinWin (dá um play):

Tentado ser objetivo: é a primeira plataforma de mídia do mundo que remunera as pessoas pela sua atenção, é um formato inédito de mídia onde as marcas poderão anunciar em qualquer lugar do mundo através da tecnologia da realidade aumentada. É uma plataforma que utiliza a tecnologia da realidade aumentada para ocupar a cidade com tótens virtuais em uma interface divertida, como de um videogame.

A WinWin está pautada totalmente na formação de uma comunidade de usuários que desejam juntos mudar as regras da mídia atual e beneficiar as pessoas, ao invés das instituições. E todos podem participar de graça, basta querer ser um empreendedor de mídia.

A ideia surgiu em Israel, onde Dani estudou tendências em tecnologia e encontrou uma oportunidade de traduzir e potencializar um maior senso de comunidade.

O aplicativo, já disponível para Android e iPhone, permite que todos criem seus spots, tótens virtuais, em qualquer cidade do mundo, os promovam na comunidade, tornando-os mais atrativos para as marcas (o projeto será lançado no dia 24 deste mês, e a ideia já é sair criando seus totens virtuais! Só pode ter um a cada 40 metros, ou seja, quem criar primeiro vai pegar os melhores lugares).

Quanto mais marcas e anúncios na plataforma, mais o usuário que é o dono da mídia, ganha. Ou seja, estamos falando de uma mídia onde as pessoas serão valorizadas, remuneradas e atingidas apenas por anúncios que sejam do seu interesse e façam sentido, oferecendo para as marcas chances de serem mais assertivas e de se comunicarem diretamente com seu target (tem contexto e um retorno super alto – vai atingir apenas as pessoas que desejam receber tais promoções e descontos de acordo com interesses e localização).


Also published on Medium.

Total
91
Shares