14.1 C
Sao Paulo
17/11/2019
Sem categoria

Machado de Assis real: a campanha da Zumbi dos Palmares quer que todo mundo saiba que o autor era negro

Você sabia que Machado de Assis era negro? 

Se a resposta for sim, saiba que você faz parte de uma minoria. Ao longo dos anos, as imagens divulgadas do autor omitiam esse fato. A sua foto oficial, reproduzida até hoje, muda a cor de sua pele, distorce seus traços e rejeita sua verdadeira origem. Ele foi embranquecido para ser reconhecido.

É sobre isso a campanha “The Real Machado de Assis”, criada pela Grey Brasil para a Zumbi dos Palmares, faculdade que defende as causas negras. A ideia essencial da campanha é divulgar, para o maior número de pessoas possível, que o escritor era negro. Então, a universidade paulista “atualizou” o retrato de Machado de Assis para que assim esse erro histórico fosse corrigido. 

A notícia de fato se espalhou – a campanha fala em algo em torno de 230 milhões de pessoas impactadas. Para além disso, a informação ganhou a mídia, virando pauta de jornais, e repercutiu pela internet, sendo divulgada tanto por personalidades quanto por anônimos. Em termos mais práticos, pela primeira vez um livro foi publicado com a foto real do escritor e, além disso, seu retrato foi atualizado na Academia Brasileira de Letras. 

“É como se você estivesse resgatando o verdadeiro Machado de Assis e o entregando para a população brasileira – principalmente para a população negra brasileira.”, disse Vagner Amaro, um dos fundadores da Editora Malê, do Rio de Janeiro, que prioriza a edição de textos de literatura escritos por escritores e escritoras negros brasileiros, de forma a aumentar a visibilidade dos mesmos, ampliar o acesso às suas obras e contribuir com a modificação dessas ideias já preconcebidas.    

“A História reescrita para um futuro mais justo.” foi o slogan final da campanha. No site oficial, é possível baixar a foto certa e atualizar você mesmo seu livro de Machado de Assis, com a opção ainda de enviar o arquivo para outras pessoas via e-mail. Ali, também existe um link para aderir a um abaixo-assinado para que as editoras e livrarias deixem de imprimir, publicar e comercializar livros em que o escritor aparece embranquecido e substituam a imagem pela foto de Machado de Assis real. As movimentações em torno do assunto podem ser acompanhadas nas redes sociais via hashtag #MachadoDeAssisReal. 

Joaquim Maria Machado de Assis viveu entre os anos de 1839 e 1908. Considerado um dos maiores nomes da literatura do Brasil, ele escreveu em praticamente todos os gêneros literários, tendo sido poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista e crítico literário. Sua extensa obra é composta por dez romances, 200 contos, dez peças teatrais, cinco coletâneas de poemas e sonetos e mais de 600 crônicas. Considerado o introdutor do Realismo no Brasil, ele ficou especialmente conhecido por obras como “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, “Quincas Borba”, “Dom Casmurro”, “Esaú e Jacó” e “Memorial de Aires”.

Nosso projeto editorial no Cannes Lions 2019 tem o oferecimento de Spotify for Brands e apoio cultural da OLX

Posts Relacionados

A geração Z acabou com a identidade nacional

Gustavo Giglio

25 de 33: os resultados das apostas de Karan Novas para o Cannes Lions 2019

Jacqueline Lafloufa

The New York Times arremata 2° Grand Prix em Cannes

Jacqueline Lafloufa

Comente

Ad Blocker Detected!

Refresh